Por R$ 16,90, Apple Music agora conta com músicas em alta fidelidade e Dolby Atmos

Todos os fones com chips H1 e W1 - Beats e Airpods - trarão suporte ao som espacial

Essa semana a Apple anunciou grandes mudanças para o Apple Music, seu serviço de streaming de música por assinatura. A partir de Junho, com a chegada do iOS 14.6, o Apple Music passará a trazer suporte ao som espacial e trará som sem perdas (Lossless), com mais de 20 milhões de músicas em alta fidelidade já na estréia do novo serviço. 

com músicas em Dolby Atmos adicionando suporte a múltiplos canais virtuais ao invés de apenas dois canais do tradicional estéreo, proporcionando separação dos instrumentos por canais e mais imersão em músicas novas e mesmo antigas, desde que remixadas. Serão milhares a princípio, com novas músicas sendo adicionadas constantemente, fruto de parcerias entre a Dolby e diversos estúdios de música.

A segunda noividade é o som lossless, ou seja, sem perdas. Sai o codec de áudio AAC, com alta taxa de compactação e entra o ALAC, versão da Apple para o FLAC - com baixíssima compactação do áudio. Com ele, a Apple incorpora 03 novas opções de alta qualidade de áudio: 16 bits de profundidade e 44.1 KHz de taxa de amostragem, para uma qualidade de CD; tem ainda a versão com 24 bits e 48 KHz para uma música mais próxima da que os engenheiros de som capturam nos estúdios; e, por fim, uma última opção para audiófilos e usuários super exigentes, trazendo 24 bits e 192 KHz. Nesse último formato, além de demandar um fone de ouvido de alta qualidade, será necessário o uso de um DAC (conversão de sinal digital / analógico) USB para conseguir extrair o máximo de qualidade.

A Apple anunciou apesar de incorporar novas funcionalidades, o valor do serviço permanecerá o mesmo, ou seja, R$ 16,90 no Brasil, em contraste com Deezer e Tidal, concorrentes que já possuem música em alta definição a preços de R$ 26,90 e R$ 33,90, respectivamente. Nos Estados Unidos, o anúncio da Apple fez com que a Amazon se mexesse. Por lá, o Amazon Music Unlimited já possui suporte suporte a músicas em alta deifinição ao preço de U$ 16,99, mas com o anúncio da Apple, a Amazon anunciou que irá incorporar esse serviço a sua assinatura básica, de U$ 9,99. Os consumidores agradecem!

A estratégia da Apple de incorporar o serviço no assinatura básica é um luxo que a empresa pode se dar por ter um ecossistema completo de produtos, algo que a concorrência não tem como oferecer. Com as novidades, a Apple provavelmente aposta no aumento de vendas em seus fones (Airpods e Beats) e até mesmo na venda de iPhones com maior capacidade, afinal, músicas em alta resolução ocupam muito mais armazenamento no celular, provavelmente levando consumidores a buscar apoarelhos com maior capacidade em seus próximos upgrades.

Os detalhes dos aparelhos suportados para cada nova funcionalidade do Apple Music, restrições e mais informações sobre essa nova versão estão no vídeo.

User img

Jacson Boeing

Apaixonado por tecnologia, gadgets e pelo universo geek em geral, Jacson Boeing é sócio-fundador e Editor do Adrenaline, onde desenvolve um trabalho de bastidores, desenvolvendo parcerias e formas criativas de dominar o universo! Fora os sonhos ambiciosos, também ajuda no desenvolvimento de pautas e escreve esporadicamente sobre tecnologia, além de viajar para cobrir in-loco alguns eventos internacionais considerados importantes dentro da estratégia de expansão do Adrenaline.

Análise do Samsung GALAXY S21 ULTRA: tela INCRÍVEL e câmeras para TODAS AS SITUAÇÕES

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.