Apple vende cada vez menos iPhones, mas já tem novo carro-chefe em vista
Créditos: Engadget

Apple vende cada vez menos iPhones, mas já tem novo carro-chefe em vista

Com o mercado de smartphones premium retraindo, a Maçã está investindo em outra frente: os serviços

A Apple revelou seu relatório fiscal referente aos últimos três meses e confirmou, novamente, uma tendência em seus negócios: os iPhones estão em queda. Os smartphones com logo da maçã foram responsáveis por 48,3% da receita trimestral de US$ 53,8 bilhões, mas a arrecadação vinda da venda dos aparelhos caiu 12% anualmente.

Enquanto os dispositivos móveis renderam cerca de US$ 30 bilhões entre abril e junho do ano passado, o montante vindo dos iPhones no mesmo período deste ano foi de US$ 26 bilhões. Segundo explica a CNBC, parte dessa queda vem por causa da retração do mercado de smartphones premium, o que também afetou a Samsung.


A Apple domina o setor de smartphones premium, que caiu 8%

Além das fabricantes chinesas estarem ganhando cada vez mais espaço com smartphones focados em custo-benefício, o segmento de dispositivos móveis que custam mais de US$ 400 teve um declínio de 8%. E a Apple é a empresa que domina o setor de "aparelhos caros", com 47% de participação.

Apesar da maré negativa nos iPhones, a Apple ainda tem motivos para comemorar. Segundo o relatório fiscal, a receita vinda dos computadores Mac e dos tablets iPads superou as expectativas. Além disso, a divisão de vestíveis também está crescendo, com produtos como o Apple Watch e os fones Beats e AirPods.


Imagem: Apple

A tendência, porém, é que a companhia comece a desapegar do hardware e dê cada vez mais foco para a divisão de Serviços, que foi motivo de comemoração para a Apple. Em seu anúncio do relatório fiscal, a empresa deu bastante destaque para o setor, que faturou US$ 11,46 bilhões no trimestre. 

A Apple deve começar a"desapegar" dos dispositivos e focar em serviços

Apesar de não ter superado as estimativas dos analistas, a divisão da empresa que engloba serviços da Apple Store, Apple Pay e assinaturas como o Apple Music teve um crescimento de 13% em sua receita anual, que poderia ter sido 18%, segundo a firma, se não fossem imprevistos como ações judiciais e mudanças nas taxas de câmbio.

O que mais impressiona no setor de serviços, porém, é a margem de lucro. A empresa começou a divulgar a informação em janeiro, quando o índice era de aproximadamente 62%. Agora, a margem de ganhos do segmento ficou em 64%, um recorde para a companhia nos últimos anos. 

15/04/2019 às 10:53
Notícia

Apple estaria gastando mais de US$ 500 milhões em biblioteca ...

A empresa pretende trazer mais de 100 aplicativos para sua nova plataforma

Continua após a publicidade

Com a queda nas vendas dos iPhones e os números positivos vindos dos Serviços, parece que a Apple já encontrou seu novo carro-chefe para o futuro, e não está medindo esforços para emplacas na nova praia. Durante a reunião com investidores, o CEO da empresa, Tim Cook, já revelou que o cartão de crédito Apple Card chega agora em agosto, trazendo mais possibilidades para os usuários gastarem dinheiro com a companhia. Para incentivar compras da marca, todos os gastos feitos em lojas da empresa vão dar 3% de cashback, por exemplo.

Além disso, até o fim do ano teremos a chegada de mais serviços com o logo da Maçã, incluindo o Apple TV+, que vem para brigar com a Netflix, o serviço de jogos Apple Arcade e a assinatura de revistas Apple News+. Parece que uma nova era da empresa está para começar.

Fonte: Reuters, CNBC
User img

Mateus Mognon

Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.