FBI pode investigar FaceApp para ver se Rússia tem dados de cidadãos dos EUA
Créditos: FaceApp

FBI pode investigar FaceApp para ver se Rússia tem dados de cidadãos dos EUA

App famoso por mostrar como pessoas ficariam velhas diz que deleta a maioria dos dados coletados

O popular aplicativo russo FaceApp, que se popularizou ao mostrar como as pessoas ficariam mais velhas, pode passar por uma investigação do Federal Bureau of Investigation (FBI), conhecida agência investigativa dos EUA. A justificativa seria descobrir se o aplicativo permitiu que o governo da Rússia obtenha informações dos rostos de cidadãos dos Estados Unidos.

17/07/2019 às 09:25
Notícia

FaceApp, aplicativo que te deixa idoso, coleta muitos dados d...

O termo de uso diz que as informações podem ser compartilhadas com "parceiros de negócio"

O senador Democrata Chuck Schumer e o Comitê Nacional Democrata lideram o pedido para que a agência governamental norte-americana abra essa investigação. O político enviou uma carta aberta ao diretor do FBI, Christopher Wrey, onde ele diz ter sérias preocupações em relação à proteção dos dados e também se os usuários sabem quem tem acesso a essas informações.

Google Play Store: FaceApp

"O FaceApp usa inteligência artificial para alterar as fotos de um usuário para fazê-lo parecer mais jovem ou mais velho, ou até pertencer a um gênero diferente. Contudo, para operar a aplicação, os usuários precisam providenciar para a companhia acesso completo e irrevogável às suas fotos pessoais e aos seus dados. De acordo com sua política de privacidade, usuários concedem ao FaceApp a licença para usar ou publicar conteúdos compartilhados com a aplicação, incluindo seu nome de usuário ou até seu nome real, sem notificá-los ou oferecer compensação".
Carta aberta do senador Chuck Schumer

iTunes Store: FaceApp

Representantes do FaceApp disseram que a maioria das imagens são deletadas dos servidores após um período de 48 horas a partir de seu upload por parte do usuário. Ao jornal The Washington Post, o presidente da companhia, Yaroslav Goncharov, disse que as fotos das pessoas não são usadas para treinar um mecanismo de detecção de rostos e também afirmou que elas não são compartilhadas com qualquer governo.

"Na prática, fornecer esse nível de acesso aos dados de um usuário pode significar que quaisquer fotos tiradas com a aplicação podem ser usadas de maneira pública ou privada no futuro sem o consentimento do usuário. Adicionalmente, não fica claro por quanto tempo o FaceApp irá reter os dados de um usuário ou como um usuário pode garantir que seus dados são deletados depois do uso. Essas formas de 'padrões obscuros', que se manifestam em declarações e autorizações de usuários mais amplas, podem ser enganosos para os consumidores e podem até constituir práticas comerciais falsas".
Carta aberta ao senador Chuck Schumer

Via: G1, Cnet, Forbes
Somente 10% dos americanos gastam US$ 1.000 ou mais em um novo smartphone

Somente 10% dos americanos gastam US$ 1.000 ou mais em um novo smartphone

Pesquisa apontou também que, em grandes cidades dos EUA, este porcentual é maior


iPhones 11 de ouro temáticos para o Natal conseguem ser mais caros que o Mac Pro

iPhones 11 de ouro temáticos para o Natal conseguem ser mais caros que o Mac Pro

Estética é um conceito subjetivo, mas dinheiro não


Ivanka Trump pode dar palestra na CES 2020, apontam documentos

Ivanka Trump pode dar palestra na CES 2020, apontam documentos

Apresentação com a empresária e designer deverá acontecer no dia 8 de janeiro


WhatsApp Business processará quem usar o aplicativo para enviar mensagens em massa

WhatsApp Business processará quem usar o aplicativo para enviar mensagens em massa

Regra entrou em vigor no dia 7 de dezembro


LG apresenta linha Gram 2020, notebooks com até 20h de autonomia

LG apresenta linha Gram 2020, notebooks com até 20h de autonomia

A empresa divulgou quatro modelos do dispositivo, com telas entre 14 e 17 polegadas