Cientistas desenvolvem tecnologia APDs que promete ser mais rápida e eficiente que o silício
Créditos: Mike Hall Photography

Cientistas desenvolvem tecnologia APDs que promete ser mais rápida e eficiente que o silício

A tecnologia pode ser aplicada em sistemas espaciais de comunicação óptica livre do futuro

O Institute for Compound Semiconductors (ICS) divulgou a pesquisa feita com Fotodiodo Avalanche (APDs), que promete revolucionar o modo que os hardwares são construídos e aprimorar os equipamentos construídos em silício. A pesquisa aprimorou o APDs, que se mostrou ser ainda mais rápido que os atuais sistemas.

O silício é amplamente utilizado pelas fabricantes de equipamentos eletrônicos, isso porque ele é um semicondutor eficiente, ele consegue transmitir até 95% dos comprimentos de onda das radiações infravermelhas, além de ser abundante na crosta terrestre.

Os APDs foram considerados como alternativa por serem altamente sensíveis e conseguem converter a  luz em eletricidade de uma forma muito mais eficiente, devido ao efeito fotoelétrico produzido por esse material. Os pesquisadores afirmam que os APDs super sensíveis são precisos, e podem ser uma melhor opção para comunicações de dados que demandam uma alta velocidade, que é o que a indústria está procurando para continuar avançando no desenvolvimento de tecnologias futuras.

Os APDs podem ser uma melhor opção para comunicações de dados que demandam uma alta velocidade

A professora Diana Huffaker afirma que o desenvolvimento da pesquisa está voltado para o avanço da tecnologia e no processamento de dados “Nós estamos trabalhando de maneira próxima com a Airbus e com a Compound Semiconductor Applications Catapult para aplicar esta tecnologia em sistemas espaciais de comunicação óptica livre do futuro”.

Além de ser usado para a fabricação de novos hardware, os APDs também podem ter utilidade em construção de mapas em alta resolução. O que poderia ajudar no avanço de pesquisas em mapeamento 3D com laser, geomorfologia e sismologia, por exemplo. 

O grande problema para o desenvolvimento dessa tecnologia é a dificuldade de fabricação.  A equipe de pesquisadores usou epitaxia por feixe molecular (MBE) para construir o cristal semicondutor que é feito átomo por átomo, uma construção complexa que utiliza a combinação de quatro diferentes átomos, o que pode inviabilizar o projeto em larga escala. 

Via: Tom's Hardware, Adrenaline
User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

Video mostra em 360º graus um laboratório de pesquisa contra o novo coronavírus

Video mostra em 360º graus um laboratório de pesquisa contra o novo coronavírus

Espaço na UFMG processa exames para tentar conter o aumento na demanda de hospitais públicos


Metade das empresas de pequeno porte dos EUA tem dinheiro para sobreviver 27 dias paradas

Metade das empresas de pequeno porte dos EUA tem dinheiro para sobreviver 27 dias paradas

Pesquisa de 2015 mostra como o coronavírus pode impactar a maior economia do mundo


Supercomputador da IBM aponta 77 drogas que podem virar remédio contra o coronavírus

Supercomputador da IBM aponta 77 drogas que podem virar remédio contra o coronavírus

Summit ajuda cientistas a encontrarem uma resposta mais eficaz contra o COVID-19


Nvidia dá assinatura gratuita do Parabricks a pesquisadores do Covid-19

Nvidia dá assinatura gratuita do Parabricks a pesquisadores do Covid-19

Software de sequenciamento de genoma para GPUs acelera o processo para entender mais sobre o novo coronavírus


Próteses robóticas controladas de maneira intuitiva já são realidade

Próteses robóticas controladas de maneira intuitiva já são realidade

Pesquisadores da Universidade de Michigan desenvolveram método de implante de alta precisão