Primeiro simulador de universo utilizando IA pode explicar a origem do universo
Créditos: Mais Tecnologia

Primeiro simulador de universo utilizando IA pode explicar a origem do universo

A tecnologia consegue identificar parâmetros que não foram apresentados nos treinamentos

As pesquisadoras da Simons Foundation e Flatiron Institute, Shirley Ho e Siyu He, juntamente com a sua equipe, conseguiram desenvolver o primeiro simulador de universo utilizando Inteligência Artificial (IA) para gerar imagens em 3D do Cosmos. Apesar do projeto D ³ M 24 apresentar resultados impressionantes, de forma precisa e rápida, as cientistas ainda não conseguiram entender como de fato a tecnologia funciona.

10/04/2019 às 10:43
Notícia

Veja a primeira imagem de um buraco negro já feita na históri...

Fotografia foi feita com a colaboração de telescópios do mundo todo e testa a teoria da relatividade ...

O grande problema encontrado pelos pesquisadores é que a IA consegue detectar coisas que não foram apresentadas a ela, e ainda não é possível saber como isso acontece. Ho explica “É como ensinar a um software de reconhecimento de imagens gatos e cães com muitas fotos, mas, de repente ele é capaz de reconhecer elefantes. Ninguém sabe como isso acontece, é um grande mistério a ser resolvido”. Ou seja: a tecnologia funciona e dá ótimos resultados, mas não se sabe como.

A IA desenvolvida está conseguindo identificar qual é o total de matéria escura presente no Cosmos. Isso é excelente para a pesquisa, e pode avançar muito nos estudos do espaço, mas o intrigante é que nunca foi apresentado para o software nenhum tipo de matéria escura, então como ele sabe? É isso que as pesquisadoras vão procurar entender, para aprimorar não somente o seu estudo, mas como também o avanço da IA como um todo.

"Podemos ser um playground interessante para o learn machine usar para ver por que esse modelo extrapola tão bem, ele vai além, chega a elefantes em vez de apenas reconhecer gatos e cachorros. É uma via de mão dupla entre ciência e deep learning." - Shirley Ho, Co-autora do projeto.

As simulações criadas pelo D ³ M 24 estão se tornando essenciais para outros tipos de pesquisas. O foco principal do estudo de Ho e He é principalmente como a gravidade modela o espaço, mas também em como o cosmos pode evoluir sob vários cenários.

O grupo de pesquisa conseguiu aprimorar a rede neural profunda que alimenta o D³M, com mais de 8.000 simulações diferentes, usando um dos modelos de maior precisão disponíveis atualmente. As redes neurais se apropriam de dados de treinamento, conseguindo executar cálculos na informação. Cabe aos pesquisadores comparar os resultados apresentados com o resultado esperado. As redes neurais são adaptáveis ao longo do tempo para produzir resultados mais rápidos e precisos.

Os dados mais lentos feitos pelas simulações levam minutos para serem apresentados e, os mais rápidos são feitos em 30 milissegundos. Já era esperado pelos pesquisadores que os resultados apresentados fossem ágeis e eles estão trabalhando para que o processo seja ainda mais instantâneo. Apenas a agilidade não é suficiente, mas sim, a precisão que os dados são feitos. Quando comparado com o modelo de alta precisão, o D ³ M apresentou um erro relativo de 2,8%. Com a mesma comparação, o modelo fast apresentou um erro relativo de 9,3%. A imagem abaixo exemplifica o erro: quanto mais próximo do azul escuro, menos erros o sistema apresenta. Quanto mais próximo ao azul claro e vermelho, maior é a quantidade de erros:

14/06/2019 às 18:32
Notícia

Adobe treina Inteligência Artificial (AI) para descobrir alte...

A rede neural utilizada detectou as mudanças em até 99% das vezes

As pesquisadoras Shirley Ho e Siyu He trabalham juntamente com Yin Li, da Berkeley Center for Cosmological Physics, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e do Instituto Kavli de Física e Matemática do Universo, que fica próximo a Tóquio. Além de Yu Feng, do Centro Berkeley de Física Cosmológica e Wei Chen, do Instituto Flatiron. Também compõe o projeto, Siamak Ravanbakhsh, da Universidade da Colúmbia Britânica, em Vancouver e Barnabás Póczos da Universidade Carnegie Mellon.

Via: AndroidPit, Phys, ScienceAlert Fonte: Flatiron Institute, Simons Foundation
User img

Ana Luiza Pedroso

Mancha vermelha de Júpiter é um furacão de centenas de anos, que está encolhendo

Mancha vermelha de Júpiter é um furacão de centenas de anos, que está encolhendo

Imensa mancha do tamanho da Terra apareceu com grande destaque em foto recente


Nasa usa campo de lava na Islândia para fazer simulação do solo de Marte

Nasa usa campo de lava na Islândia para fazer simulação do solo de Marte

Cientistas tiveram treinamento com Rover em Lambahraun, na base da segunda maior geleira do país


Especialista avalia que a Terra será acertada por asteroide, mas não fala quando

Especialista avalia que a Terra será acertada por asteroide, mas não fala quando

Executiva da B612 Foundation estima chance de 100% de sermos atingidos por corpo celeste


OpenSignal testa velocidade de download, upload e latência da 4G em diferentes smartphones

OpenSignal testa velocidade de download, upload e latência da 4G em diferentes smartphones

A pesquisa usou aparelhos de alto, médio e baixo nível das marcas Samsung, Apple e Huawei


Um buraco negro do tamanho do nosso sistema solar acaba de ser descoberto

Um buraco negro do tamanho do nosso sistema solar acaba de ser descoberto

O corpo celeste tem 40 bilhões de vezes a massa do nosso sol