Xiaomi pode receber sanções por venda de produtos sem homologação da Anatel no Brasil
Créditos: Foto: Mundo Conectado

Xiaomi pode receber sanções por venda de produtos sem homologação da Anatel no Brasil

Órgão fiscalizador afirmou que já está ciente das irregularidades e trabalhará em conjunto com e-commerce

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) está de olho na venda irregular de eletrônicos da Xiaomi no Brasil. A declaração foi dada ao site Canaltech, e é repercussão de notícia publica aqui no Mundo Conectado, onde mostramos uma série de produtos com numerações que não são encontradas no no sistema de registro do órgão regulador e até mesmo casos em que produtos diferentes possuem um selo indicando a mesma certificação.

16/06/2019 às 17:37
Notícia

Xiaomi no Brasil sem Anatel? Números exibidos nos produtos nã...

Smartphones da marca possuem Anatel, mas demais dispositivos apresentam problemas e omitem selo

A Anatel já está ciente que existem produtos não homologados sendo comercializados no país, algo que é um crime federal pois nenhum dispositivo de radiocomunicação pode ser vendido no país sem a certificação do órgão fiscalizador. Se forem confirmadas as irregularidades nas fotos de nossa publicação anterior, isso pode agravar o quadro, caracterizando-o como estelionato e falsificação.

O órgão público trabalha para debelar a irregularidade em conjunto de distribuidores, Correios, aduana e e-commerce, afirmou a Anatel ao Canaltech. Além de atingir à Xiaomi, as sansões impostas pela venda do produto não homologado também se estendem a empresas que fornecem essas mercadorias.

Homologação e pós-venda estão entre os principais motivos para o preço maior dos modelos distribuídos pela DL

O selo de certificação da Anatel indica a certificação do aparelho e garante ao consumidor a compatibilidade com as redes de telefonia celular brasileiras, a qualidade dos serviços e a segurança do consumidor, segundo os requisitos estabelecidos pela Anatel, além de condições de garantia e assistência técnica.

Para cumprir com esses requisitos há um aumento no custo do produto, algo que impacta o preço final ao consumidor, e é por esse motivo junto com outros fatores de pós-venda que a DL Eletrônicos, empresa responsável pela comercialização dos produtos da Xiaomi no país, vem justificando o custo mais elevado dos aparelhos distribuídos através dela comparado a modelos importados por terceiros.

Apesar de já existirem uma série de produtos homologados, entre os destaques múltiplos smarpthones da empresa chinesa, vários produtos na loja física no Shopping Ibirapuera aparentemente não possuem essa certificação e estão sendo comercializados, como mostramos em nossa publicação anterior. Até o momento, seguimos sem uma resposta por parte da assessoria da Xiaomi no Brasil sobre o caso.

Caixa do Xiaomi Mi Note 10 aparece em imagem vazada

Caixa do Xiaomi Mi Note 10 aparece em imagem vazada

Vazamentos também indicam um outro smartphone com câmera de 108MP


Xiaomi já vendeu mais de 100 milhões de celulares da linha Redmi Note

Xiaomi já vendeu mais de 100 milhões de celulares da linha Redmi Note

Sucesso da marca Redmi promete ser ainda maior com a chegada do Redmi Note 8


Xiaomi anuncia atualização de seus aparelhos para MIUI 11 a partir de 22 de outubro

Xiaomi anuncia atualização de seus aparelhos para MIUI 11 a partir de 22 de outubro

O update será distribuído em quatro fases começando em outubro e terminando em dezembro


RedmiBook com processador AMD começa a ser vendido dia 21 de outubro

RedmiBook com processador AMD começa a ser vendido dia 21 de outubro

Versão deve chegar com um preço mais acessível do que a com processador Intel


Xiaomi deverá lançar smartphone com tela de taxa de atualização de 120Hz [Rumor]

Xiaomi deverá lançar smartphone com tela de taxa de atualização de 120Hz [Rumor]

Modelo chegaria para competir com concorrentes como OnePlus 7 Pro e ROG Phone II