Lista dos melhores CEOs em 2019 inclui Lisa Su, Jeff Bezos e Satya Nadella
Créditos: Techspot

Lista dos melhores CEOs em 2019 inclui Lisa Su, Jeff Bezos e Satya Nadella

Mark Zuckerberg também é mencionado como um dos melhores líderes na revista Barron's

A conceituada revista Barron's divulgou recentemente a sua lista elegendo os 30 melhores CEOs de 2019. Apesar da indústria sofrer com fortes emoções como a guerra comercial entre Estados Unidos e China, a publicação indica que a economia dos Estados Unidos cresceu 3,1% no começo do ano e garantiu desafios para os comandantes de negócios.

A lista de CEOs inclui nomes famosos e até polêmicos, como Mark Zuckerberg, o comandante do Facebook. Apesar da rede social estar envolvida em diversos imbróglios por causa de vazamentos de dados de usuários, o chefe da companhia ganhou destaque porque os números da corporação continuam em alta.


Mark Zuckerberg, CEO do Facebook Imagem: Facebook

Larry Page, o CEO da Alphabet e criador do Google, também é um nome que constantemente está metido em confusões por causa do tamanho de seu conglomerado, que normalmente levanta questões sobre competição de mercado. Ainda assim, o executivo também é mencionado, pois está conseguindo manter seu império.

"Nossa lista de CEOs não é um concurso de popularidade, exceto na medida em que a percepção pública de um executivo-chefe pode ser boa ou ruim para os negócios ou para os retornos dos investidores", explica a publicação. "Eles permanecem entre os 30 melhores porque o crescimento em suas empresas ainda é explosivo, mesmo quando observamos como agem em situações difíceis".


Os 30 melhores CEOs de 2019. Imagem: Barron's

Outro nome conhecido citado pela Barron's é Jeff Bezos, o CEO da Amazon, que possui uma fortuna avaliada em mais de US$ 130 bilhões. O comandante da Microsoft, Satya Nadella, ganhou destaque pela sua atuação na frente da companhia responsável pelo Windows. Reed Hasting, da Netflix, e Bob Iger, da Disney, também aparecem na seleção.

CEO da AMD estreia na lista

Uma estreante na lista de melhores CEOs e destaque na publicação da Barron's é Lisa Su, que está na chefia da AMD desde 2014. Segundo descreve a revista, "sua impressionante virada na fabricante de chips está fazendo a Intel correr pelo seu dinheiro". 


Imagem: AMD

Desde sua subida ao comando da AMD, Lisa Su auxiliou no lançamento de grandes produtos da empresa, como a linha de processadores Ryzen, que estão oferecendo uma competição cada vez maior para a Intel. Além disso, a companhia também atua no setor de placas de vídeo e recentemente apresentou ao mercado as GPUs com arquitetura Navi. Vale lembrar, inclusive, que Jensen Huang, da Nvidia, estava na lista do ano passado, mas acabou ficando de fora em 2019.

Confira mais informações sobre a lista dos melhores CEOs do ano no site da Barron's.

Via: Barron's

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

Microsoft planeja disponibilizar mais uma atualização para o Windows 7

Microsoft planeja disponibilizar mais uma atualização para o Windows 7

Suporte para o sistema operacional foi encerrado oficialmente no dia 14 de janeiro


É oficial: Príncipe da Arábia Saudita hackeou o telefone do CEO da Amazon, Jeff Bezos

É oficial: Príncipe da Arábia Saudita hackeou o telefone do CEO da Amazon, Jeff Bezos

Um relatório da empresa de segurança forense FTI Consulting confirmou o caso


Galaxy Fold tem todas as unidades vendidas no Brasil nas primeiras 24 horas

Galaxy Fold tem todas as unidades vendidas no Brasil nas primeiras 24 horas

O dispositivo é o primeiro smartphone dobrável vendido no Brasil pelo preço de R$12.999


Google ajuda Janelia Research Campus em novo marco no mapeamento de neurônios

Google ajuda Janelia Research Campus em novo marco no mapeamento de neurônios

Modelo com 25.000 neurônios de uma mosca é o maior e mais completo já feito


Amazon entra na justiça para pausar negociações do acordo JEDI com a Microsoft

Amazon entra na justiça para pausar negociações do acordo JEDI com a Microsoft

A empresa afirma que a escolha foi baseada em interferência política e favoritismo