Investidor sugere que Sony venda suas companhias de semicondutores
Créditos: Nikkei Asian Review

Investidor sugere que Sony venda suas companhias de semicondutores

CEO da Third Point, Daniel Loeb, afirmou que a Sony é "uma grande empresa desvalorizada"

O investidor e CEO da consultora americana Third Point, Daniel Loeb, divulgou uma carta em que diz que a Sony é "uma das empresas de grande porte mais desvalorizadas do mundo atualmente”. Essa declaração foi feita à outros acionistas, mas tinha como principal objetivo dar uma provocada na forma que a gigante japonesa atua no mercado.

Apesar de ter uma participação bem grande em setores multimídia como músicas, filmes, consoles e games, no caso do Playstation, a Sony teve um crescimento expressivo no mercado de semicondutores nos últimos anos, se tornando a maior fabricante de chips de sensores de imagem usados em smartphones atualmente. Porém, Loeb, um investidor que já “injetou” US$ 1,5 bilhão na Sony, acredita a empresa só terá uma uma expansão em seus lucros futuros quando se desvincular do segmento de semicondutores e chips. 

11/06/2019 às 18:56
Notícia

Sony pode estar trabalhando em um Xperia com 6 câmeras, indic...

A corrida em busca do celular com mais câmeras pode ganhar mais um concorrente

O plano é que a Sony venda suas ações de semicondutores para poder se dedicar a investimentos em seus negócios multimídia, apresentando novos serviços de streaming e de jogos. Dessa forma, além de aumentar seus lucros com vendas de ações, a empresa também poderia retomar sua subsidiária de tecnologia por até US$ 35 bilhões em 5 anos. Ou seja, Loeb acredita que a venda do segmento de semicondutores pode trazer benefícios a curto e longo prazo para a Sony.

Apesar do setor de semicondutores atualmente ser responsável por 16% do lucro da Sony - equivalente a US$ 8 bilhões - alguns analistas estimam que 90% da sua receita de chips venha de smartphones e, por conta da atual guerra comercial entre os Estados Unidos e China, a empresa deverá registrar uma redução de até 45% em seu lucro operacional. Um dos motivos é porque uma das suas principais parceiras é a Huawei, que está proibida de atuar no mercado americano. 

Por outro lado o presidente e CEO da Sony, Kenichiro Yoshida, acredita que o aumento no número da venda de câmeras para smartphones e a futura demanda por sensores de imagem para carros autônomos compensam os investimentos atuais em sua área de semicondutores, defendendo que sua venda poderia ser ruim para os negócios futuros.

A venda do segmento de semicondutores pode trazer benefícios a curto e longo prazo para a Sony

De qualquer forma, mesmo que a declaração de Loeb não dê certeza de uma melhora de mercado para a empresa, a divulgação da carta foi suficiente para que as ações da Sony subissem 3% na Bolsa de Valores de Nova York e 4% na Nikkei, do Japão. Isso pode acabar resultando numa pressão dos acionistas na Sony e, quem sabe, até em uma futura venda da sua atuação no segmento de semicondutores.

Via: Reuters, Deadline
User img

Lucas Alvaro

Lucas Alvaro virou jornalista pelo amor aos games e o desejo de escrever seus próprios roteiros para jogos com nota máxima no Metacritic. Apesar de ter atuado como designer e desenvolvedor de jogos durante dois anos, a paixão pela redação o trouxe para "os bastidores", onde está adquirindo experiência e aprendizado nos mais diversos segmentos da tecnologia. E é dessa forma que pretende se tornar especialista na área e descobrir o que fazer quando os robôs começarem a dominar o mundo.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.