Aplicativo Facebook Research coletou dados pessoais de mais de 187 mil usuários
Créditos: TechCrunch

Aplicativo Facebook Research coletou dados pessoais de mais de 187 mil usuários

O app já tinha sido banido da App Store no começo de 2019 por violar as regras da Apple

O Facebook coletou dados de dispositivos pessoais e confidenciais de cerca de 187 mil usuários. As informações foram coletadas por meio do aplicativo Facebook Research, que foi banido pela Apple no início de 2019, por violar as regras da empresa. O app não está mais ativo, ele foi substituído pelo Study recentemente.

04/04/2019 às 15:09
Notícia

Facebook pede informações de usuários e mais dois casos de ex...

Os pesquisadores compararam o conteúdo de um dos casos ao coletado pela Cambridge Analytica

Essa informação foi divulgada pelo site TechCrunch, que teve acesso a uma carta enviada pela rede social para o escritório do senador Richard Blumenthal, que confirma detalhes do caso e afirma que cerca de 31 mil usuários nos EUA, incluindo 4,3 mil adolescentes com idades a partir dos 13 anos, tiveram a sua privacidade violada pelo sistema de pesquisas do app do Facebook. O restante dos dados coletados eram de usuários da Índia.

No início de 2019 uma investigação, também do TechCrunch, confirmou que tanto o Facebook quanto o Google estavam usando os certificados de desenvolvedor corporativo, que é emitido pela Apple, para permitir que os usuários executassem aplicativos para iOS fora da loja oficial. Isso viola as regras da Apple, o que fez com que os aplicativos fossem banidos.

Para atrair os usuários a fornecer os seus dados e fazer o download do aplicativo, era fornecido um pagamento de cerca de US$20. Dessa forma era permitido acesso a todos os dados da rede dentro e fora de seus dispositivos. Entre as informações que foram captadas pelo Facebook estão: conversas privadas criptografadas, histórico de navegação web, além de algumas fotos de compras online feitas no site da Amazon.

Continua depois da publicidade

O Facebook relançou seu aplicativo de pesquisa, mas com um nome diferente, dessa vez ele está presente apenas pela Google Play com o nome Study. Para ter acesso ao app é necessário que os usuários sejam primeiramente aprovados pelo parceiro de pesquisa do Facebook, o Applause. A rede social de Zuckerberg disse que "seria mais transparente sobre como coletar dados de usuários".

26/02/2019 às 23:19
Notícia

Ferramenta de limpar histórico do Facebook chegará neste ano

Recurso focado em privacidade foi prometido no ano passado, mas acabou adiado para 2019

Procurada pelo TechCrunch a Apple apenas informou que tanto os aplicativos da Google como do Facebook "estão em conformidade com as normas da empresa", pelo menos até o momento da publicação no site. A empresa da maçã teve seu evento voltado para os desenvolvedores recentemente, e por lá reiterou que a partir de agora "reserva-se o direito de revisar e aprovar ou rejeitar qualquer aplicativo de uso interno".

Continua depois da publicidade

Fonte: TechCrunch
User img

Ana Luiza Pedroso

FaceApp, aplicativo que te deixa idoso, coleta muitos dados dos smartphones dos usuários

FaceApp, aplicativo que te deixa idoso, coleta muitos dados dos smartphones dos usuários

O termo de uso diz que as informações podem ser compartilhadas com "parceiros de negócio"


Alphabet lança aplicativo de controle de tráfego aéreo para drones na Austrália

Alphabet lança aplicativo de controle de tráfego aéreo para drones na Austrália

O App gratuito OpenSky deve ajudar a planejar os voos com mais segurança


Menina na Califórnia diz que seu iPhone 6 explodiu, Apple está investigando

Menina na Califórnia diz que seu iPhone 6 explodiu, Apple está investigando

Ninguém se feriu e a empresa deu um novo aparelho para a família


Apple Park é avaliado em U$4,17 bilhões e é um dos prédios mais valiosos do mundo

Apple Park é avaliado em U$4,17 bilhões e é um dos prédios mais valiosos do mundo

Só em impostos pela propriedade, a Apple gasta cerca de U$ 40 milhões por ano


Invasões a roteadores no Brasil continuam colocando em risco dados dos usuários

Invasões a roteadores no Brasil continuam colocando em risco dados dos usuários

Somente no primeiro trimestre foram registradas mais de 4,6 milhões de tentativas de ataques