Huawei já tem mais de 1 milhão de smartphones com OS substituto do Android [Rumor]
Créditos: Huawei Mate 20

Huawei já tem mais de 1 milhão de smartphones com OS substituto do Android [Rumor]

Novo sistema operacional deve trazer compatibilidade com apps da Play Store

Apesar da sanção que bane empresas estadunidenses de fazer negócio com a Huawei ter apenas um mês de existência, a empresa já está conseguindo se virar. De acordo com informações do China Daily, a companhia chinesa já fabricou mais de 1 milhão de aparelhos com seu novo sistema operacional que vai substituir o Android e já está enviando os dispositivos para testes.

De acordo com as informações do India Shopps, o novo sistema operacional será compatível com todos os aplicativos Android, ou seja, possivelmente a Huawei utilizou o código aberto do OS da Google como base para seu novo software.

Além disso, os rumores afirmam que a empresa está dando bastante ênfase na segurança e vai lançar seu novo sistema operacional com funções avançadas para proteção de dados pessoais. A firma asiática é acusada pelo governo dos Estados Unidos de usar sua tecnologia para espionar seus clientes, o que explica o foco em privacidade.

Outro ponto importante do próximo sistema operacional da Huawei é que, segundo executivos da marca, o software vai funcionar em diferentes dispositivos, incluindo computadores e eletrônicos inteligentes. A novidade deve expandir a atuação da companhia no setor de internet das coisas, já que vai criar um ecossistema conectado.

HongMeng Os ou Oak OS?

Continua depois da publicidade

De acordo com uma reportagem do Global Times, o novo sistema operacional se chamará HongMeng OS na China e chegará no resto do mundo como Oak OS (e não Ark OS, como previsto anteriormente). O lançamento do novo software deve acontecer em breve, de acordo com próprios executivos da Huawei.

A sanção que bane a empresa nos Estados Unidos está em pausa e vai voltar a valer em agosto. A tendência é que a Huawei lance o HongMeng OS na China até setembro, preparando o mercado para a nova realidade.


Screenshots vazadas do sistema operacional da Huawei. Imagem: Mobile Indian

Apesar do Android ser um programa de código aberto e a Huawei conseguir acessar sua base, a companhia chinesa não poderá utilizar serviços do Google em seu OS, o que significa a ausência da Play Store e serviços como Gmail e Google Drive.

Continua depois da publicidade

Na semana passada, a empresa chinesa também perdeu sua parceria com o Facebook e os aparelhos da fabricante não virão mais com os aplicativos da empresa pré-instalados. Apesar disso, os usuários ainda conseguirão usar serviços como WhatsApp e Instagram, basta que a instalação seja feita manualmente no celular.

Você pode conferir as primeiras imagens vazadas do HongMeng OS aqui. E aí, você acha que a Huawei vai conseguir dar a volta por cima e viver sem serviços da Google? Deixe sua opinião nos comentários!

Via: India Shopps
Mercado de smartphones premium cai 8% no primeiro trimestre do ano, mas 5G pode mudar isso

Mercado de smartphones premium cai 8% no primeiro trimestre do ano, mas 5G pode mudar isso

O segmento premium teve um declínio maior que o do mercado de smartphones global, que caiu 5%


Vazam detalhes das especificações, preços e data de lançamento da linha Galaxy Note 10

Vazam detalhes das especificações, preços e data de lançamento da linha Galaxy Note 10

Os smartphones devem ser apresentados durante evento, dia 07 de agosto, em três variantes


DJI Government Edition é a nova solução de drones de alta segurança

DJI Government Edition é a nova solução de drones de alta segurança

Anúncio seria uma resposta a preocupações do Governo dos EUA com a empresa chinesa


SpaceX se prepara para

SpaceX se prepara para "lançamento mais difícil da nossa história" com a Falcon Heavy

Companhia de Elon Musk está trabalhando em conjunto com a Força Aérea dos Estados Unidos


DJI anuncia que começará a fabricar drones governamentais dentro dos EUA

DJI anuncia que começará a fabricar drones governamentais dentro dos EUA

Companhia busca fortalecer confiança norte-americana em meio a guerra fiscal com a China