Devolver na mesma moeda? Se China proibir produtos Apple, empresa perde 29% dos seus lucros
Créditos: Culturizando/PhoneArena

Devolver na mesma moeda? Se China proibir produtos Apple, empresa perde 29% dos seus lucros

No entanto, isso pode causar grandes demissões e afetar a economia chinesa ainda mais

A proibição de produtos Huawei nos Estados Unidos foi uma péssima notícia para a China, já que atingiu a segunda maior fabricante mundial de smartphones na sua maior fonte de renda. No entanto, existe a possibilidade do país asiático devolver na mesma moeda, e a Apple - terceira maior fabricante de smartphones - poderia ser uma das atingidas.

Segundo analistas da Goldman Sachs, a Apple poderia perder 29% dos seus lucros se o governo chinês proibisse as vendas dos seus produtos. A China é responsável por 17% das vendas da marca e vale lembrar que os produtos da empresa - principalmente o iPhone -  também são fabricados no país.

24/05/2019 às 13:30
Notícia

Huawei teria três meses de componentes estocados; empresa se ...

Empresa chinesa comenta o bloqueio do Android e mantém lançamento da linha Honor para amanhã

Esses 29% representariam uma queda de US$ 3,35 por ação da Apple. No último ano fiscal, ela tinha um lucro líquido de US$ 59,5 bilhões, então proibir o iPhone custaria um valor estimado em mais de  US$ 17 bilhões.

Muitos analistas  acreditam que a participação de mercado da Apple na China vai continuar caindo. Durante o segundo trimestre fiscal (de janeiro a março), a empresa viu suas receitas na China caírem 21,5%.  O iPhone teve 7% na participação do mercado chinês durante o primeiro trimestre deste ano - 2,1%  a menos que em 2018. E mesmo que não proíba o iPhone, a onda nacionalista que está atingindo os chineses pode ter notável influência na situação.

Continua depois da publicidade

"...Deixando de lado questões políticas, a oferta de produtos e as estratégias de preços da Apple serão as principais razões por trás de sua queda de participação de mercado."

- Zaker Li, da firma analítica IHS Markit

Porém, mesmo que um número considerável de consumidores chineses esteja abandonando o iPhone, o fundador e CEO da Huawei, Ren Zhengfei, ainda elogia a Apple.

"...,não se pode pensar que o amor pela Huawei signifique amar os telefones da Huawei." 

Continua depois da publicidade

- Ren Zhengfei

E também é preciso ver o outro lado: a Apple depende de fabricantes chinesas como a Foxconn e a Pegatron para fabricar o seu smartphone e paga muito dinheiro para isso. Se o dispositivo fosse proibido, a empresa teria que cortar a produção, e isso levaria a grandes demissões de funcionários da linha de produção chinesa.

24/05/2019 às 10:40
Notícia

Donald Trump diz que pode incluir a Huawei em um acordo comer...

O presidente dos EUA diz considerar a empresa perigosa para a segurança do país

A Apple também estaria considerando transferir sua produção para fora da China, devido ao aumento das tarifas (porém é mais fácil falar do que fazer). Como tudo isso poderia prejudicar a economia da China ainda mais, muitos não acreditam na possível proibição. Mas nada é certo.

Via: PhoneArena, TNW
Restrições norte-americanas podem fazer Huawei perder US$ 30 bilhões nos próximos dois anos

Restrições norte-americanas podem fazer Huawei perder US$ 30 bilhões nos próximos dois anos

O CEO da empresa confessou que não esperavam um "ataque tão implacável"


Apple pode estar interessada em comprar 5G da Intel para construir seu próprio modem

Apple pode estar interessada em comprar 5G da Intel para construir seu próprio modem

A Intel pode estar considerando a venda de peças de seus negócios em sua sede na Alemanha


Huawei registra sistema operacional

Huawei registra sistema operacional "HongMeng" em nove países

O novo SO é uma alternativa ao Android, caso a empresa não consiga mais acessar softwares estadunidenses


Vazamento de varejista confirma configuração de câmeras do iPhone 11 [Rumor]

Vazamento de varejista confirma configuração de câmeras do iPhone 11 [Rumor]

Câmera tripla com lente angular deve estar presente em apenas dois dos três modelos


Aplicativo Facebook Research coletou dados pessoais de mais de 187 mil usuários

Aplicativo Facebook Research coletou dados pessoais de mais de 187 mil usuários

O app já tinha sido banido da App Store no começo de 2019 por violar as regras da Apple