Katie Bouman é a principal responsável pela primeira imagem de um buraco negro do mundo

Katie Bouman é a principal responsável pela primeira imagem de um buraco negro do mundo

A cientista de 29 anos desenvolveu o algoritmo que captou a primeira imagem de um buraco negro

A primeira foto do buraco negro, publicada ontem (10) já foi amplamente divulgada, mas o que chamou a atenção foi a reação da principal cientista, Katie Bouman, desenvolvedora do algoritmo que conseguiu captar a foto do buraco negro. Ela fez uma publicação modesta no Facebook dizendo “Assistindo sem acreditar que a primeira imagem que eu fiz de um buraco negro foi processada”, desconsiderando que essa foi a primeira imagem já feita de um buraco negro na história.

Katie Bouman é uma cientista de 29 anos, ela é formada por uma das universidades mais renomadas no mundo, no segmento de ciência e tecnologia, o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). O algoritmo que possibilitou a foto foi desenvolvido por ela durante o seu projeto de pós graduação. Ela é atualmente professora assistente de computação e ciências matemáticas na Cal Tech.

10/04/2019 às 10:43
Notícia

Veja a primeira imagem de um buraco negro já feita na históri...

Fotografia foi feita com a colaboração de telescópios do mundo todo e testa a teoria da relatividade ...

Ela trabalhou no Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT, o MIT Haystack Observatory e o Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics nos últimos anos, isso auxiliou no desenvolvimento e aprimoramento do algoritmo. A equipe que ela está a frente, conta com mais de 200 cientistas e a imagem gerada foi capturada a 55 milhões de anos-luz de distância, na galáxia Messier 87 e comprova a teoria e os cálculos de Einstein.

A conta oficial do MIT no Twitter fez questão de divulgar o feito da cientista, e também lembrou e homenageou Margaret Hamilton, que foi quem escreveu o código que permitiu que o homem chegasse na lua. Na publicação foi feita uma comparação entre Bouman e Hamilton e as atuais inovações tecnológicas confira o tweet:

“À esquerda: a cientista de computação do MIT, Katie Bouman, com pilhas de discos rígidos de dados de imagem de buracos negros.
À direita: a cientista da computação do MIT, Margaret Hamilton, com o código que ela escreveu, que ajudou a colocar um homem na lua.”

O projeto liderado por Bouman foi desenvolvido em três anos de pesquisa e aprimoramento e conseguiu resultados significativamente positivos. Ele foi feito com auxílio do telescópio Event Horizon, que faz parte de um projeto internacional que se descreve como um "telescópio virtual do tamanho da Terra". A imagem foi gerada unificando dados registrados por uma rede de oito radiotelescópios espalhados pelo mundo, portanto foi necessário que um algoritmo conseguisse reunir todas as imagens produzidas, de diferentes pontos da terra, para que o buraco negro da galáxia Messier 87 conseguisse ser observado como uma forma única. Isso quer dizer que sem o código desenvolvido por Bouman a imagem não poderia ser gerada.

Via: FoxNews
User img

Ana Luiza Pedroso

Presente de Natal? Asteroide gigantesco passará perto da Terra dia 26 de dezembro

Presente de Natal? Asteroide gigantesco passará perto da Terra dia 26 de dezembro

Chamado de 2000 CH59, o corpo celeste é maior que o Empire State Building


Cientistas instalam alto-falantes no fundo do mar para repopular recifes danificados

Cientistas instalam alto-falantes no fundo do mar para repopular recifes danificados

A pesquisa mostrou que os sons saudáveis podem atrair peixes jovens


Computação na velocidade da luz é atingida por cientistas em Oxford

Computação na velocidade da luz é atingida por cientistas em Oxford

Pesquisadores conseguiram eliminar a barreira entre ótica e eletrônica


Cientistas descobrem buraco negro tão grande que “nem deveria existir” na Via Láctea

Cientistas descobrem buraco negro tão grande que “nem deveria existir” na Via Láctea

O “monstro” tem massa aproximada 70 vezes maior que a do Sol


Pesquisadores utilizam drones para monitorar mamíferos ameaçados de extinção

Pesquisadores utilizam drones para monitorar mamíferos ameaçados de extinção

O grupo AWC na Austrália conta com a ajuda de uma aeronave da DJI equipada com uma câmera termográfica