Imagem chamada

Intel é investigada por discriminação ao demitir funcionários mais velhos

Empresa demitiu 2.300 funcionários entre 2016 e 2017

A Intel está sendo investigada pela possível discriminação de idade relacionada às demissões iniciadas pela empresa em 2016, de acordo com o jornal The Wall Street Journal (WSJ). Uma das questões investigadas é de que a Intel teria demitido funcionários mais velhos enquanto manteve os mais jovens. Essa estratégia pode beneficiar a empresa, já que trabalhadores mais velhos tendem a ter uma remuneração melhor e usar mais os benefícios oferecidos pela empresa por causa da família.

De acordo com o jornal, “dezenas de ex-funcionários buscaram aconselhamento jurídico para saberem se poderiam processar a Intel” depois de perceberem que muitos trabalhadores mais velhos estavam sendo demitidos. Alguns deles inclusive apresentaram queixas à Comissão de Oportunidades Iguais de Trabalho (EEOC) dos EUA.

25/05/2018 às 17:29
Notícia

Amazon Alexa envia conversa gravada sem conhecimento do usuário

Assistente pessoal teria interpretado comandos durante a conversa

A Intel afirma que “fatores como idade, raça, nacionalidade, gênero, status de imigração ou outras características pessoais” não influenciaram o processo de demissão.

De acordo com a análise do WSJ sobre as 2.300 demissões, a idade média dos funcionários demitidos era de 49 anos, sete anos mais velhos do que a maioria dos funcionários restantes. A Comissão de Oportunidades Iguais de Trabalho está investigando as queixas contra a empresa para que os funcionários possam prosseguir com uma ação coletiva contra a Intel. 

Via: The Verge

Snapdragon 835 esmaga antecessores em vazamento de benchmark num Galaxy S8 [Rumor]


Fabricante de cases revela design do OnePlus 6

Smartphone virá com notch na frente e leitor de digitais na parte traseira


DJI anuncia o sistema de rastreamento de drones AeroScope


Vaza design do Xiaomi Mi Mix 2S com Snapdragon 845

Smartphone pode ser lançado na Mobile World Congress 2018


HTC Exodus será smartphone impulsionado por blockchain com suporte a criptomoedas

Tecnologia também vai permitir que dispositivo use aplicativos descentralizados