Imagem chamada

Nokia corta empregos na Finlândia e pode fechar divisão de vestíveis para saúde

Empresa investiu US$ 191 milhões no setor em 2016

A Nokia está passando por grandes reestruturações que podem gerar o fim de sua divisão de vestíveis para saúde. Em 2016, a companhia investiu US$ 191 milhões na compra da statup francesa de vestíveis para saúde Withings, mas ainda não obteve um retorno significativo com a empresa.

Em uma declaração compartilhada pela Reuters, a Nokia diz que a reestruturação "pode ou não resultar em transações ou outras mudanças". Ou seja, o destino da divisão de vestíveis para saúde da Nokia está incerto.


Recentemente, a empresa anunciou um corte de cerca de 400 empregos em sua sede, na Finlândia. Segundo a Reuters, a diminuição no número de funcionários faz parte de um plano de redução de gastos que vem sendo praticado desde a aquisição da Alcatel-Lucent, que foi comprada pela Nokia em 2016.

Atualmente, a Nokia possui 6.300 empregados na Finlândia e mais de 102.800 ao redor do mundo. Com as mudanças, apenas as divisões de patentes, parcerias e licenciamento de tecnologias não serão afetadas.

Atualmente, o licenciamento de tecnologias e de marca é a forma mais utilizada pela Nokia para ganhar dinheiro e também permanecer ativa no mercado de smartphones. Utilizando o nome da companhia finlandesa, a HMD Global vendeu cerca de 4,4 milhões de smartphones no último trimestre.

Via: Reuters

Vazamento confirma que OnePlus 6T terá câmera dupla [Rumor]

O modelo OnePlus 6 já vinha com dois sensores para fotos


Qualcomm compartilha plataforma DIRBS para identificação de dispositivos falsos e roubados

Fabricante de processadores quer ajudar a combater proliferação de smartphones ilegais


Google Assistant é liberada para carros com Android Auto

A assistente de voz pode ser utilizada com todas as suas principais funcionalidades em carros


Nokia está trabalhando em smartphone gamer, indica divisão indiana da empresa

O mercado de smartphones para games está aquecido


Xiaomi lança oficialmente o Mi 8 Lite, versão mais acessível do Mi 8 com Snapdragon 660

Vazamentos não acertaram nem o nome do aparelho, que chega como um intermediário premium