Imagem chamada

Fundos são proibidos de investirem dinheiro em Bitcoin e outras moedas digitais

Decisão foi divulgada pela Comissão de Valores Mobiliários

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgou hoje que administradores de fundos brasileiros estão proibidos de investir em Bitcoin e outras moedas digitais, que não são consideradas dinheiro oficial pelo órgão,  como o real.

De acordo com a Comissão, as criptomoedas não são classificadas como ativos financeiros, o que deixa inviável para fundos de investimentos regulados fazer a aquisição direta de moedas digitais.

Segundo a CVM, as transações com criptomoedas ainda estão sendo debatidas, mas até que se chegue em um consenso sobre o assunto, os fundos estão proibidos de fazer investimentos em moedas digitais. 


"No Brasil e em outras jurisdições, tem se debatido a natureza jurídica e econômica dessas modalidades de investimento e não se chegou a nenhuma conclusão, em especial no mercado e regulação domésticos", explica a CVM.

O órgão também alerta sobre os perigos das transações feitas online, citando fatores como segurança duvidosa e o fato de que as moedas digitais não possuem regulação de bancos ou governos.

As criptomoedas também se destacam por possuírem criptografia, o que permite fazer transações anonimamente e sem deixar rastros. Esses fatores também devem levar a moeda a ser proibida durante as campanhas eleitorais de 2018.

Você pode saber mais sobre as moedas virtuais, que tiveram um grande crescimento em 2017, no vídeo abaixo:


Xiaomi apresenta o Redmi 6 Pro, com câmera dupla e notch na tela

Este é o primeiro Redmi a trazer um entalhe no display


Zenfone 5 e 5z chegam com a cara (e traseira) do iPhone X

Novo smartphone da Asus também traz o notch no topo da tela, mas ao menos o P2 está a salvo


Asus ROG anuncia o headset Strix Fusion 300, que chega no fim de setembro


Nokia X6 terá funcionalidades voltadas para games, aponta fabricante

A HMD Global lançará o smartphone em 16 de maio na China


Frete de encomendas dos Correios ficará mais caro a partir da semana que vem

Anúncio gerou protestos dos vendedores, que criaram campanha #FreteAbusivoNão