Imagem chamada

Uber possui software que pode esconder dados de fiscalização policial

Empresa estaria controlando e bloqueando remotamente informações para proteger arquivos de policiais

A empresa Uber estaria controlando e bloqueando remotamente informações para proteger arquivos confidenciais das fiscalizações policiais, segundo o Bloomberg. A sede da companhia, em São Francisco, teria bloqueado equipamentos em escritórios estrangeiros diversas vezes.

Tudo começou em 2015 quando responsáveis pela administração fiscal fizeram uma visita à Uber de Québec, no Canadá. As autoridades estavam investigando a violação de leis tributárias e foram ao local para pegar provas, os dados da empresa, é claro. Quando isso aconteceu, o escritório comunicou a sede em São Francisco, nos EUA, que rapidamente desconectou todos os computadores de maneira remota. Os policiais tiveram que deixar o local sem conseguir pegar os dados necessários. 

Isso deu a entender que a Uber teria um dispositivo de "emergência" para bloquear quaisquer dados de investigações policiais, em qualquer escritório do mundo. Ela estaria usando o sistema "Ripley" para impedir investigações em países fora dos Estados Unidos. 

Ou seja, através do Ripley, a Uber poderia mudar as senhas de acesso aos arquivos e até mesmo bloquear dados em smartphones, notebooks e desktops da empresa. Essa ação de bloquear tudo foi chamada de "protocolo para 'visitantes inesperados'".

De acordo com a Uber, essa medida poderia se justificar porque muitos policiais não possuíam mandados para investigação. Depois de ir ao tribunal sendo acusada de obstruir a Justiça, a empresa concordou em cobrar impostos para cada viagem e disse que os arquivos nunca foram destruídos/descartados no processo de bloqueio.

Ainda no ano passado, a Uber foi acusada de usar uma ferramenta de software chamada Greyball, que mostrava aos policiais uma versão falsa de seu aplicativo para proteger os motoristas de serem multados.  
Via: Bloomberg

Comentários