Whatsapp terá que responder Ministério Público Federal sobre adiamento de plataforma Comunidades
Créditos: Reprodução/Getty Images

Whatsapp terá que responder Ministério Público Federal sobre adiamento de plataforma Comunidades

Estreia de ferramenta ficou apenas para 2023 por preocupação de autoridades com fake news durante eleições presidenciais

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou ao Whatsapp informações sobre o adiamento da ferramenta "Comunidades", que contará com "megagrupos" de diversos temas específicos, para 2023. A mudança permitirá que administradores reúnam dez grupos sob a mesma 'direção' e, na prática, aumentará o número de participantes dos mesmos em dez vezes.

Em ofício enviado aos responsáveis pelo aplicativo, o órgão citou a invasão ao Capitólio dos Estados Unidos, ocorrido após as eleições presidenciais de 2020, onde apoiadores de Donald Trump protestaram contra a vitória de Joe Biden. Segundo o manifesto, algo do tipo também poderia ocorrer na corrida presidencial brasileira de 2022 com o impulsionamento de mensagens.

O lançamento do "comunidades" chamou a atenção de diversas autoridades brasileiras, que temem compartilhamento em massa de fake news. O Whatsapp já se manifestou sobre o assunto e disse que só lançará a ferramenta para os brasileiros após as eleições gerais deste ano, em um acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A decisão da empresa foi criticada pelo presidente da república, Jair Bolsonaro, que disse ser uma "interferência na liberdade de expressão" caso o adiamento seja apenas em território nacional.

"Vou buscar o CEO do WhatsApp essa semana e quero ver que acordo é esse", comentou o chefe do executivo à CNN Brasil. "Se é para o mundo todo, não posso fazer nada, agora, se é só para o Brasil e volta a ser para o mundo todo depois das eleições, quer prova mais clara de interferência como essa na liberdade de expressão?"

"Já conversei com o Fábio Faria (Ministro das Comunicações). Ele vai falar com o representante do WhatsApp aqui no Brasil para explicar [o acordo]. Se eles podem fazer um acordo com o TSE, podem fazer comigo também, por que não?", acrescentou o presidente.

Segundo uma fonte do TSE, a decisão partiu do próprio Whatsapp, e não de um acordo do tribunal com a empresa. O mensageiro tem agora dez dias para responder à solicitação do ministério.

Confira o ofício completo do MPF enviado ao Whatsapp, divulgado pelo UOL:

Continua após a publicidade

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Mundo Conectado para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Fonte: UOL, CNN Brasil
User img

Fabio Tarnapolsky

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.