As calças mais velhas do mundo têm 3 mil anos e são uma maravilha da engenharia
Créditos: M. Wagner/ Archaeological Research in Asia

As calças mais velhas do mundo têm 3 mil anos e são uma maravilha da engenharia

Calça conta com complexas técnicas de confecção

Poucos de nós paramos para pensar em toda a tecnologia que envolve alguns itens básicos do nosso dia-a-dia, ou mesmo a história por trás deles, e quando digo isso eu não estou me referindo a aparelhos modernos, como uma cafeteira, aparelhos celulares entre outros, mas sim de uma simples calça.

13/04/2022 às 17:15
Notícia

NASA divulga imagens de "pedras costas de jacaré" e...

Rover Curiosity precisou desviar de pedras para evitar danos nas rodas

Esse item hoje tão recorrente em nosso vestuário levou anos para atingir perfeição, na verdade milhares de anos, contém alguns segredos, pelo menos a calçada mais antiga do mundo.

O grupo de arqueólogos da Archaeological Research in Asia com a ajuda de um tecelão conseguiram desvendar alguns dos segredos desse objeto de 3000 anos de idade, que não só remete a um design próximo do que conhecemos, mas também trata-se de um objeto confeccionado de maneira complexa.

“Uma diversidade de técnicas e padrões têxteis de diferentes origens, tradições e épocas locais se fundiram em algo novo nesta peça. A Ásia Central Oriental era um laboratório onde pessoas, plantas, animais, conhecimentos e experiências de diferentes direções e fontes vinham… e se transformavam", concluiu a arqueóloga Mayke Wagner, diretora do Instituto Arqueológico Alemão e que esteve envolvida na pesquisa.

O objeto pertencia a um cavaleiro que foi enterrado entre 1000 e 1200 a.C no oeste da China, e que ficou conhecido como "Turfan Man", pelo motivo de sua cova ter sido encontrada próximo a cidade chinesa de Turfan.

Ciência em tempos remotos

Para que a calça pudesse ser confeccionada, os antigos tecelões precisaram combinar três técnicas para compô-la, usando cada uma delas em pontos estratégico da vestimenta, como joelhos, articulações, cós e entre as virilhas, onde o o tecido tinha espaço e era elástico, indicando a preocupação de que o cavaleiro não rasgasse a calça durante uma montaria ou combate.

O tecido utilizado nesse ponto foi a sarja, que é um item comum nos jeans hoje em dia, mas incomum para a época. Para se ter uma ideia, o pedaço de sarja mais antigo conhecido pelo homem veio de uma mina de sal em Hallstatt, na Áustria, e que segundo a analise de radiocarbono, data entre 3.500 e 3.200 anos atrás.

Outras duas técnicas foram utilizadas, uma delas foi a tecelagem de tapeçaria que permitiu aos tecelões da época reforçar os joelhos da calça com um tecido menos flexível, de modo que pudessem proteger as articulações do usuários em possíveis quedas. Enquanto na cintura a terceira técnica garantiu um cós grosso que pudesse manter a calça no devido lugar, talvez para evitar situações embaraçosas.

Mas o que torna tudo ainda mais surpreendente é que essas diversas técnicas levaram aos arqueólogos acreditarem que em algum momento, os Turfan, possam ter tido algum tipo de contato com outras culturas, afinal, um dos padrões identificados em forma de "T" é semelhante a outros identificados em cerâmicas de 3.800 a 3.000 anos localizadas na Sibéria Ocidental. Mesma idade da calças, mas que estão separados por 3000 quilômetros de distancia.

Aprendemos com as calças do Turfan Man, que um item tão costumeiro em nosso dia-a-dia envolve algo muito mais profundo do que apenas tecido, mas sim toda um conjunto de culturas. O estudo completo pode ser conferido clicando aqui.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Mundo Conectado para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Fonte: ARS Technica
User img

Diogo Batista

Um apaixonado por games, filmes de horror, livros e metal extremo. Começou a produzir conteúdo na internet quando tudo ainda era mato e não parou mais.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.