Astrônomos encontram estrela com carbono e oxigênio na superfície
Créditos: Pixabay/Reprodução

Astrônomos encontram estrela com carbono e oxigênio na superfície

Descoberta abre novos precedentes sobre esses astros

A humanidade e seu encanto pelo espaço é algo tão antigo quanto ‘andar pra trás’. Essa busca por conhecimento nas estrelas não nos rendeu apenas histórias intergalácticas ficcionais, mas boa parte da nossa evolução na ciência advém desses estudos. E a cada nova descoberta o horizonte fica mais amplo e longínquo, gerando muita expectativa, euforia e novos questionamentos.

A mais recente descoberta é a de uma estrela que tem a sua superfície coberta por carbono e oxigênio. Por que isso é incomum? Explico. Ou melhor, a ciência explica!

Novas estrelas

Normalmente, as estrelas têm a superfície composta por hidrogênio e hélio; essa é a situação mais comum e a qual os cientistas que se debruçam no estudo do espaço estão acostumados a encontrar. Mas, a Universidade de Tubinga, na Alemanha, fez a descoberta de estrelas que têm em sua superfície, carbono e oxigênio, com temperaturas e raios que demonstram que há hélio queimando em seus núcleos. Essa queima em seu interior pode indicar que seja uma estrela mais evoluída, pois tal fenômeno é normal para esses astros.

O estudo que aborda essas estrelas foi publicado na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. Este é um evento muito raro, e os pesquisadores acreditam que pode se tratar de uma fusão estelar.

Também existem pesquisas da Universidade Nacional de La Plata, na Argentina, e do Instituto Max Planck de Astrofísica, da Alemanha, que abordam as questões referentes ao nascimento desses astros.

A rara fusão estelar, neste caso, deve ter ocorrido entre duas anãs brancas - estrelas que queimaram todo o seu combustível de hidrogênio que é o destino da maioria das estrelas, inclusive do Sol.

Normalmente, as fusões de anãs brancas não levam à formação de estrelas enriquecidas em carbono e oxigênio, mas acreditamos que, para sistemas binários formados com massas muito específicas, uma anã branca rica em carbono e oxigênio pode ser interrompido e acabar em cima de um rico em hélio, levando à formação dessas estrelas”, explica Miller Bertolami, do Instituto de Astrofísica de La Plata.

Atualmente, nenhum modelo evolutivo estelar consegue explicar este fenômeno. Astrônomos irão desenvolver modelos mais refinados para estudar a evolução dessas estrelas.

Normalmente, esperamos que estrelas com essas composições de superfície já tenham terminado de queimar hélio em seus núcleos e estejam a caminho de se tornarem anãs brancas. Essas novas estrelas são um sério desafio para nossa compreensão da evolução estelar.” pontua Klaus Werner, autor do estudo da Universidade de Tubinga.

Continua após a publicidade

Quais repercussões isso pode ter para a vindoura exploração espacial? Bem, como eu disse no começo, novas descobertas, geram novos questionamentos.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Mundo Conectado para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Via: Correio Braziliense Fonte: Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
User img

Eddy Venino

Escreve sobre games, filmes, séries e tecnologia desde 2017. Já teve diversos projetos na área, entre sites especializados e podcast. Ama cultura POP e se der corda vai conversar sobre assunto por horas a fio, indo de Dragon Ball a literatura clássica. Idealizador do coletivo NOIZ; hoje tenta tornar o entretenimento um local mais receptivo para que todos possam curtir seu lado geek/nerd.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.