Governo brasileiro se compromete a zerar IOF até 2029
Créditos: Pontte/Reprodução

Governo brasileiro se compromete a zerar IOF até 2029

Ministro da Economia assumiu compromisso para Brasil entrar na OCDE

Nesta última terça-feira (25), o Ministro da Economia Paulo Guedes participou de uma coletiva de imprensa sobre a decisão da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para iniciar negociações com o Brasil para ingresso no órgão. Em contrapartida, o governo brasileiro prometeu zerar o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) até 2029.

A promessa do governo brasileiro visa reduzir o imposto para maior fluxo de capitais estrangeiros, diminuindo taxações sobre compra e venda de moeda estrangeira. O Ministro afirma que a redução do IOF será possível graças a lei que modificou o mercado cambial. "Aprovada a lei cambial eu posso me comprometer com a redução da tributação do IOF, e assim fizemos. Mandei uma carta à OCDE na semana passada, que eram os dois últimos requisitos que faltavam", afirmou Guedes.

Segundo estimativas do Ministério da Economia a redução gradual do IOF irá resultar na redução de R$ 7 bilhões até 2029, coletados pelo governo. Entretanto, a expectativa é que tais perdas sejam compensadas pelo aumento expressivo no número de transações que a redução do imposto deve gerar.

O que será reduzido

O governo brasileiro pretende cortar alíquotas sobre quatro tipos de operações:

  • Entrada e saída de recursos estrangeiros com permanência de até 180 dias, atualmente taxada em 6%;
  • Operações cambiais em cartões de crédito, débito e cartões pré-pago para viagens ao exterior, atualmente taxada em 6,38%;
  • Aquisição de moeda estrangeira ou transferência de recursos para contas no exterior, atualmente taxada em 1,10%;
  • Demais operações de câmbio, atualmente taxadas em 0,38%.

O cronograma aponta que as alíquotas serão zeradas até 2029, porém ele ainda não foi divulgado e pode sofrer alterações, conforme o necessário.

Entrada na OCDE deve demorar

O convite para que o Brasil inicie formalmente as negociações para ingressar na OCDE foi aprovado nesta terça-feira (25), pelo conselho que reúne 38 países. O processo de negociação, no entanto, deve demorar entre dois a quatro anos. Durante esse período o Brasil irá precisar aderir a diversos instrumentos normativos da entidade, tendo sua candidatura analisada em 30 comitês diferentes.

Entrada do Brasil na OCDE pode demorar até 4 anos

Para adiantar o processo, o Brasil já estava adotando tais normas. Até o momento, o país já aderiu a 103 dos 251 instrumentos solicitados pela OCDE. Dentre os maiores empecilhos que o Brasil deve enfrentar para entrar na OCDE é a resistência de alguns países, como a França, que levantou objeções perante a entrada do país.

Continua após a publicidade

Tais objeções, referentes a política ambiental do atual presidente Jair Bolsonaro, serão discutidas durante o processo de ingresso. De acordo com informações, o que destravou o inicio das negociações em favor do Brasil, foi as movimentações políticas dos Estados Unidos com os sócios europeus da OCDE. Em 2019, Donald Trump confirmou que apoiaria a candidatura brasileira para a entidade, objetivo que se mantém com o atual presidente americano Joe Biden.

Além do Brasil, a OCDE também iniciou as negociações com a Argentina, Peru, Bulgária, Croácia e Romênia.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Mundo Conectado para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Fonte: Folha
User img

Luiz Schmidt

Estudante de jornalismo na UFSC e Escritor. Amante de games, anime, manga e cultura japonesa. Autor do livro Histórias de Amor Talvez Estranhas.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.