Pesquisadores criam tecnologia para enxame de microchips voadores
Créditos: Divulgação Northwestern University

Pesquisadores criam tecnologia para enxame de microchips voadores

Modelo será movido pelas correntes de ar e pode ser usado para diversos fins

Uma equipe de engenheiros da Northwestern University detalharam o que eles estão chamando de menores estruturas voadoras feitas pelo homem, que funcionará como uma espécie de enxame que analisará o meio ambiente. Apesar do conceito parecer bastante com pequenos drones espiões que é possível ver em filmes, os criadores garantem que não irão usar ela para o mal.

28/09/2021 às 07:59
Notícia

Drones Autel EVO Nano anunciados em 4 cores, com 249 gramas, ...

Modelo chega em duas versões diferentes, com mudanças nas câmeras

O projeto de microflier sem bateria promovido pelos pesquisadores será capaz de realizar tarefas como escancear seus arredores, transportar dados e realizar comunicação sem fio. Por causa disso, como apontado pelo portal Tom’s Hardware, os usos para essa tecnologia proposta no artigo dos engenheiros é quase infinito, podendo ser usado para realizar o monitoramento da qualidade do ar, controle de propagação de doenças transmitidas pelo ar, realização de dispersão automática de sementes para agricultura, monitoramento não intrusivo de vida selvagem e diversas outras utilizações do tipo.

O design dos microchips proposto por eles é inspirado em algumas sementes que possuem um sistema de queda com “asas”, fazendo com que o aparelho seja movido por correntes de ar, mas que não pode ser controlado durante o voo. Por causa disso, é possível chamar esses chips de planadores e não microfliers, sendo levados até a área onde eles precisam e tem que analisar.


Créditos: Divulgação Northwestern University

Os pesquisadores utilizaram modelagem através de computadores até chegar no design que permitia “cair” mais lentamente e que seja movido por aí pelo ar, conseguindo com isso economizar bastante tempo em relação ao processo de criação de tentativa e erro. A construção do modelo conta com algumas etapas com a principal delas sendo a base plana 2D, onde é equipado todos os componentes eletrônicos.

Nesta etapa os engenheiros afirmam que é possível personalizar o que terá de componente eletrônico embalado na tecnologia ultra-miniaturizada, podendo ser adicionado recursos como sensores, fontes de energia, antenas para comunicação sem fio e memória embutida para armazenar dados. Após isso, a base com os componentes é ligada a um substrato de borracha ligeiramente esticado, que quando aplicado se molda no formato das asas do modelo.

Continua após a publicidade

28/09/2021 às 09:04
Notícia

Hamster faz sucesso como trader de criptomoedas e obtém desem...

Animal está vencendo investidores humanos e já aumentou seu portfólio em 20%

Apesar da ideia de robôs minúsculos por aí fazendo a análise precisa do ar e clima possa parecer algo bom e bastante futurista, ainda é preciso pensar sobre o tanto de material que será descartado e não será recolhido, que é bastante grande. Por isso os pesquisadores e a Northwestern University trabalharam em soluções biodegradáveis tanto para os microchips como para corpo dos aparelhos, que não devem impactar o meio ambiente e com o tempo irão se "dissolver de forma natural e inofensiva.”

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Mundo Conectado para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

Fonte: Nature, Northwestern University, TomsHardware
User img

Willian Ferreira

Willian Ferreira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2019 e começou a estudar Sistemas na Estácio. Desde criança é um aficionado por games, essa paixão acabou despertando o interesse na área de tecnologia. Joga de tudo um pouco, mas tem uma preferencia para jogos de ação, FPS e Fable.

Unboxing do XIAOMI 11T: câmera de 108MP, ótima tela, carregamento rápido e preço justo

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.