Criminosos revelam como obtêm acesso a contas bancárias de iPhones roubados
Créditos: Frederik Lipfert/Unsplash

Criminosos revelam como obtêm acesso a contas bancárias de iPhones roubados

Os bandidos aproveitam informações geradas pelas vítimas para aplicar golpes

A Polícia de São Paulo está descobrindo como criminosos conseguem ter acesso a contas bancárias de vítimas de iPhones furtados. O que parecia ser complexo e inovador, se revelou simples. Ao contrário do que se imaginava, os bandidos não contavam com softwares avançados para desbloquear os aparelhos da Apple, mas sim, informações fornecidas pelos próprios donos.

Em matéria divulgada pela Folha de S. Paulo nesta última quarta-feira (7), a Polícia explicou que começou a desvendar o mistério após o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) prender uma quadrilha em novembro de 2020. Segundo o delegado Fabiano Barbeiro, tudo começa com os criminosos removendo o chip do aparelho furtado e colocando em outro desbloqueado.

07/07/2021 às 19:25
Notícia

Golpe do Saque do FGTS: o que é e como se proteger

Bandidos requerem uma proposta falsa de cadastro e roubam dados pessoais dos trabalhadores

Em seguida, eles passavam a pesquisar redes sociais, como Facebook e Instagram, que o número de telefone está vinculado. A partir disso, descobriam e-mails que as vítimas utilizam usualmente e na sequência usavam isso para acessar backups armazenados na nuvem.

Vítimas fornecem dados para desbloqueio

Com acesso a todas as informações das vítimas, os criminosos passam a buscar dados com nome de "senha". E segundo Barbeiro, é comum encontrar esse tipo de informação em serviços de nuvem como Drive e iCloud. Um dos focos dos delinquentes é o Notes, disponível na nuvem da Apple. É comum, usuários armazenarem senhas de banco e de cartão de crédito no aplicativo.

Para finalizar o golpe, o chip volta ao celular roubado. E com as senhas em mãos, passa para outro membro da quadrilha termina fazendo todas as transferências bancárias.

Um dos suspeitos presos é um técnico de informática de 22 anos, que disse à polícia que conhece pelo menos três pessoas que ensinam criminosos interessados em obter senhas de smartphones roubados. Além disso, há um grupo de nigerianos conhecidos por terem aparelhos receptados e, principalmente, por terem softwares capazes de desbloquear os celulares.

13/04/2021 às 18:58
Vídeo

CUIDADO! Este golpe na OLX clona WHATSAPP e rouba seus dados

Criminosos utilizam pandemia e anúncios falsos como pretexto para clonar contas

Continua após a publicidade

Maior suporte as vítimas

Com o crime ficando cada vez mais comum na capital paulista, as empresas começaram a melhorar o suporte as vítimas. Primeiro, Apple e Google se comprometeram em facilitar o apagamento dos dados de smartphones roubados. Entretanto, não forneceram detalhes.Vale lembrar que o Buscar da Apple já fornece a opção de apagar todas as informações contidas no dispositivo.

Além deles, os bancos prometeram criar uma central de emergência para acelerar o processo de bloqueio. Em uma reunião com o Procon-SP, a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) se uniu a operadoras de celular para criar soluções.

Fonte: Folha de S. Paulo, Folha de S. Paulo
User img

Cristino Melo

Huawei Band 6: unboxing e breve comparativo com a Honor Band 6

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.