Entenda o Mini LED e Micro LED: novas tecnologias melhoram a experiência de assistir TV

Entenda o Mini LED e Micro LED: novas tecnologias melhoram a experiência de assistir TV

NEO QLED da Samsung é a primeira mini LED no país. Modelos da LG e TCL devem chegar ainda em 2021

A briga entre TVs OLED e LCD (QLED, Nanocell etc.) já é antiga. Cada tecnologia tem suas vantagens e desvantagens, de um lado o LCD com problema de vazamento de luz, blooming e baixo contraste, com pretos que muitas vezes tendem para o cinza. Já as OLEDs com o tempo podem apresentar Burn-in, que desgasta o material orgânico da tela, deixando uma espécie de efeito fantasma. O brilho nas OLEDs também deixa a desejar, sobretudo em conteúdo HDR.

O grande problema das TVs LCD não está necessariamente relacionado a tela em si, mas ao painel de retro iluminação que ilumina essa tela. Atualmente as TVs mais modernas usam uma tecnologia de iluminação por áreas chamada FALD - Full-aray local dimming, que nada mais é do que um painel de LEDs por toda a parte traseira da tela, com iluminação regionalizada, por zonas. O problema é que os LEDs são grandes, com luz difusa, criando sobreposição de iluminação, o que acaba permitindo vazamento de luz mesmo quando uma zona específica é apagada.

Para corrigir isso e dar sobrevida as telas LCD a indústria miniaturizou o LED e criou o mini LED, que chega a ser 40 vezes menor do que os LEDs usados nas TVs LCD atuais. Além de diminuir o LED, o formato do mesmo foi alterado. Sai a lente arredondada por onde a luz se propaga e entra um formato mais reto, com uma micro película que ajuda a manter a iluminação mais direcionada, menos difusa, criando uma iluminação mais precisa da tela LCD. O resultado?

Uma tela LCD com pretos um contraste muito mais próximo das telas OLED, com preto mais puros. O fato de a luz ser mais direcionada resolve em grande parte o problema do blooming, afinal temos menos sobreposição e mais controle da iluminação. Se antes tínhamos centenas de LEDs, agora esse número pode chegar a 40.000 mini LEDs, com mais de 2.500 zonas de iluminação ao invés de dezenas delas como na tecnologia atual, baseada em LEDs. Essa luz mais direcionada também amplia o brilho da TV, com promessa de ganhos de até 40% nessa área. Mais brilho, melhor contraste, sem blooming: o conteúdo HDR agradece, e muito!

Mas se você é do time OLED e ainda não está convencido com a evolução proporcionada pela chegada da tecnologia mini LED saiba que, o futuro, segundo a Samsung e alguns outros players, é o micro LED. Se o mini LED é a miniaturização do LED, o micro LED é a miniaturização do mini LED, mas as similaridades param por aí. O micro LED é uma evolução da tecnologia OLED, trazendo todas as vantagens dessa tecnologia e eliminando as desvantagens, já que no micro LED não há material orgânico como no OLED, o que evita a deterioração dos pixels, tornando TVs com essa tecnologia, em teoria, muito mais duradouras.

Nos micro LEDs, cada pixel é um chip encapsulado. Na verdade, casa subpixel do sistema RGB é encapsulado individualmente, logo em uma TV 4K, com aproximadamente 8.3 milhões de pixels, temos mais de 24 milhões de chips super minúsculos, na casa dos micrometros. Um enorme desafio encarado de frente pela área de semicondutores da Samsung.

A primeira micro LED foi a The Wall, lançada em 2018, durante a CES. Ela era enorme, porém focada em B2B (negócios) e custava algumas centenas de milhares de reais. Esse ano a empresa apresentou seus primeiros modelos "comerciais" focados nos consumidores: uma TV micro LED de 110", com modelos de 99" e 88" chegando ainda no primeiro semestre e com a promessa de um modelo de 76" até o final do ano. Mas qual o desafio de diminuir o tamanho da tela? Simples! Se cada pixel é um chip e você mantém a resolução 4K não importa o tamanho, significa que você vai ter que diminuir os tamanhos dos chips (pixels) para conseguir colocar todos esses micro LEDs em tela menores. Bom, simples de explicar, nada simples de realizar a mágica. 

Na prática, uma TV Micro LED é muito mais customizável. Por não possuir borda, é possível criar grandes formatos customizados unindo várias delas. Como a TV possui pixels que se auto iluminam como as OLEDs, você tem contraste impar, com brilho que pode chegar a 4.000 nits, ou seja 4 vezes mais brilho do que em qualquer OLED disponível no mercado. As TVs micro LEDs também dispensam filtros de cores, entregando até 12-bits de cores e grande cobertura da gama de cores, com resultados impressionantes. 

O grande problema dessa tecnologia, ao menos a princípio, é o preço: não é barato!! os micro LEDs estão engatinhando ainda, a dificuldade de miniaturizar cada vez mais cada um desses pixels demanda altos investimentos, o que acaba tornando a micro LED um sonho de consumo distante para a grande maioria dos consumidores.

Continua após a publicidade

Enquanto TVs com tecnologia mini LED já começam a chegar a o mercado custando a partir de R$ 10.000,00, com preço variando de acordo com a linha do produto e o tamanho de tela, caso das novas NEO QLED da Samsung; já as micro LEDs ainda tem preços não divulgados, mas espere preços compatíveis com os de carros de luxo. É a velha história do copo meio cheio ou meio vazio aqui. Prefiro olhar pelo prisma de que a simples chegada de novas tecnologias acaba trazendo mais inovação, acirra a concorrência, criando vantagens para os consumidores. E que venham as mini e micro LEDs.

.....

Está pensando em comprar algum produto online? Conheça a extensão Economize do Mundo Conectado para Google Chrome. Ela é gratuita e oferece a você comparativo de preços nas principais lojas e cupons para você comprar sempre com o melhor preço. Baixe agora.

User img

Jacson Boeing

Apaixonado por tecnologia, gadgets e pelo universo geek em geral, Jacson Boeing é sócio-fundador e Editor do Adrenaline, onde desenvolve um trabalho de bastidores, desenvolvendo parcerias e formas criativas de dominar o universo! Fora os sonhos ambiciosos, também ajuda no desenvolvimento de pautas e escreve esporadicamente sobre tecnologia, além de viajar para cobrir in-loco alguns eventos internacionais considerados importantes dentro da estratégia de expansão do Adrenaline.

Vem aí as Smart TVs 4K baratinhas da Amazon! O que esperar? Fire TV OS + Prime Video + Alexa

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.