Smartwatches podem ser capazes de detectar COVID-19 antes do usuário apresentar sintomas
Créditos: Apple / Pocket-lint

Smartwatches podem ser capazes de detectar COVID-19 antes do usuário apresentar sintomas

Um estudo foi feito com profissionais da saúde que usavam um Apple Watch para verificar variações na frequência cardíaca

Não é de hoje que smartwatches e outros equipamentos smart vestíveis podem ser de enorme ajuda em relação à saúde do usuário. Atualmente, esses dispositivos podem ser usados até mesmo para ajudar no combate contra COVID-19 de uma forma bem simples: detectando alterações no seu ritmo cardíaco.

Detectar essa alteração nos batimentos cardíacos tem potencial de indicar que o usuário foi infectado pelo novo coronavírus até mesmo uma semana antes de apresentar qualquer sintoma. 

17/03/2020 às 12:28
Notícia

Covid-19: mapa em tempo real mostra estatísticas do vírus no ...

Há mais de 100 mil infectados no globo e o número de mortos pela doença já passa de 7 mil

A novidade veio de uma reportagem da CBS News. Um grupo de pesquisadores do Monte Sinai apresentou um estudo chamado "Warrior Watch" - os cientistas reuniram e observaram 297 trabalhadores da área da saúde que usavam um Apple Watch com um aplicativo especial que media a variabilidade de frequência cardíaca (VFC).

"O relógio mostrou mudanças significativas nas métricas de VFC até sete dias antes que os indivíduos tivessem feito o teste de esfregaço, confirmando a infecção por COVID-19", disse o médico Robert P. Hirten, um dos autores do estudo. 

Um estudo similar foi feito pela Universidade Stanford, nos EUA, mostrando que 81% dos pacientes positivos pra COVID-19 apresentaram mudanças em sua frequência cardíaca enquanto em repouso até 9 dias antes de apresentarem sintomas da doença. Os participantes estavam usando vestíveis de fabricantes variadas, como Apple e Fitbit.

Continua após a publicidade

Entretanto, pesquisadores não foram os únicos a descobrirem que smartwatches podem ser úteis na luta contra a COVID-19. Uma empresa chamada NeuTigers, fundada a partir de pesquisas da Universidade de Princeton, desenvolveu uma inteligência artificial chamada de CovidDeep que pode ser útil na hora de detectar pacientes com a doença em situações clínicas ou em casas de cuidado. 

A empresa usou um vestível com enfoque em saúde chamado Empatica E4 - o equipamento é capaz de medir diversas variáveis, como frequência cardíaca, pressão arterial e outros.

Ao alimentar o CovidDeep com essas informações, eles tiveram uma taxa de detecção de COVID de 90%. A empresa planeja desenvolver seu aplicativo próprio que pode funcionar com vestíveis da Fitbit, Apple, Samsung e várias outras marcas. 

Via: Engadget
User img

Mateus Alexandre

Designer gráfico, redator e artista nas horas vagas. É viciado em tecnologia, videogames e perde umas boas horas do dia pesquisando promoção de hardware.

Huawei Band 6: unboxing e breve comparativo com a Honor Band 6

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.