PIX: respondendo as principais dúvidas sobre a nova forma de pagamentos e transferências
Créditos: Banco Central do Brasil

PIX: respondendo as principais dúvidas sobre a nova forma de pagamentos e transferências

Reunimos as questões mais recorrentes e consultamos especialistas para conseguir as respostas mais importantes

O que é e como funciona o PIX

O PIX começa a valer dia de 16 de novembro em todo território nacional e bancos com mais de 500 mil clientes são obrigados a adotar o sistema de pagamento e transferência. Ele não chega para substituir outras operações envolvendo dinheiro digital, mas sim como uma opção à pessoas físicas e jurídicas.

Para responder as principais dúvidas sobre o assunto, resolvemos entrevistar especialistas e gravar um vídeo com tudo que você precisa saber. Também disponibilizamos as entrevistas na íntegra para responder perguntar específicas.

Confira abaixo o vídeo reunindo os pontos principais sobre o assunto.


Afinal, o PIX é de graça?

O PIX não terá custos aos usuários cadastrados nos bancos. 

Segundo explica Carlos Netto, CEO da Matera, os bancos estão proibídos de efetuar cobranças de pessoa física nessa modalidade de pagamento. Dessa forma, você poderá utilizar sem medo de cobrança de taxas.

No entanto, empresas poderão ser cobradas pela transação, fica a critério de cada banco.

Continua após a publicidade

Como cadastrar uma chave PIX?

Para fazer o cadastro de uma chave PIX você deve baixar o aplicativo dos bancos que você utiliza, lá você encontrará instruções para associar algum dado seu e gerar um vínculo (não definitivo).


Quantas chaves posso ter?

Você está livre para cadastrar em quantos bancos quiser, mas há algumas ressalvas. Você não poderá ter uma mesma informação associada a uma chave, seu CPF, por exemplo, só poderá estar associado a uma chave PIX.

Mas, no caso de dados variáveis, como número de telefone, e-mail, você poderá criar quantas quiser.


Como é o uso no dia a dia?

Você não precisa gerar uma chave PIX se não vai receber pagamentos através dela.

Isso porque ele aparece como uma opção de forma de pagamentos e transferências.

Se você vai pagar uma conta em um mercado, por exemplo, e o estabelecimento aceita transferência via PIX você poderá ler um QR Code para efetuar o pagamento. Isso é possível mesmo que você não tenha efetuado cadastro.

O importante é entender que ele é mais uma opção, mas bastante abrangente e que promete facilitar o uso de dinheiro digital, já que abrange bancos de todo o Brasil.

Continua após a publicidade

Preciso de um PIX?

Na verdade, se você tem uma conta em um banco, você terá essa opção disponível como forma de pagamento sem precisar fazer nada.


Principais vantagens

O pagamento digital por este meio ocorre em até 10 segundos, o que é bom para comerciantes de maneira geral. Para o consumidor, a praticidade entra como um dos principais fatores, já que o pagamento poderá ser feito com o celular. Você não precisará carregar um cartão de crédito consigo.

Além disso, também facilitará a troca de bancos, se você quiser cadastrar seu PIX associado ao CPF em outro banco poderá fazer isso a qualquer hora com poucos toques. Ao tentar cadastrar uma chave associada a algum dado seu o banco perguntará se você quer substituir o vínculo pelo novo banco.

Há ainda outro detalhe. Se a adesão ao PIX for grande e o sistema funcionar, o Banco Central do Brasil pode acabar conseguindo maior controle sobre a circulação de dinheiro, evitando sonegação fiscal.


O que dizem os especialistas


Entrevista completa com Carlos Netto, CEO da Matera

A Matera foi uma das empresas a participar do Fórum Pix, que resultou na criação da chave digital. Carlos Netto, CEO da empresa, contou que o PIX esteve em desenvolvimento desde 2018 e que foi ganhando forma em estágios finais em 2020.

Para ele, a chave gera maior competição de mercado e será muito benéfica a consumidores, pessoas físicas. A promessa é de que o PIX deixará clientes menos presos a grandes bancos, já que uma chave gerada em um banco poderá ser facilmente vinculada a outro sem grandes transtornos.


Entrevista completa com Carolina Sansão, gerente de Inovação e Tecnologia da FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos)

A FEBRABAN, Federação Brasileira de Bancos, deu grande destaque ao objetivo do PIX de simplificar transações e pagamentos. Em nota, a Federação disse ser favorável à medidas que reduzam a necessidade de circulação de dinheiro em espécie.

O custo de logística com notas em papel, segundo comunicado, chega a R$10 bilhões - isso para levar dinheiro a todos os cantos do país.

Carolina Sansão, gerente de inovação e tecnologia da FEBRABAN, deu bastante destaque à simplicidade do recurso. Ela cita como exemplo, a possibilidade de pagar uma refeição em um restaurante com o uso do PIX, caso o estabelecimento esteja cadastrado. O Pagamento pode funcionar com a simples leitura de um QR Code.

Fonte: BCB, FEBRABAN (Entrevista), Matera (Entrevista), FEBRABAN
User img

Neri Neto

O universo geek faz parte do dia a dia, da vida, deste jornalista. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Neri Neto é responsável por conteúdos diversos no Mundo Conectado. Ele adora tecnologia, cinema, games e descobriu ainda na infância que a linguagem dos vídeos seria perfeita para falar de tudo que ama. Neri também fala bastante em terceira pessoa, gosta de descontrair e está sempre nas redes sociais.

PIX: TUDO que você PRECISA SABER

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.