Pesquisadores preparam implante do primeiro olho biônico do mundo
Créditos: Divulgação/ Monash

Pesquisadores preparam implante do primeiro olho biônico do mundo

Chips implementados no cérebro podem devolver a visão para pessoas cegas

Leitura Rápida

  • A Universidade de Monash divulgou um projeto que pode restaurar a visão de cegos
  • Um implante no cérebro, pode fazer um "olho biônico"
  • Para isso, os pesquisadores desenvolveram implantes eletrônicos sem fio miniaturizados, que ficam na superfície do cérebro
  • Além de devolver a visão, a pesquisa também prevê a retomada de movimentos dos braços, de pessoas tetraplégicas

A tecnologia está associada a saúde e bem estar das pessoas há muito tempo. Frequentemente, novas pesquisas são divulgadas, mostrando aprimoramentos em dificuldades humanas. A Universidade de Monash divulgou um estudo que está sendo feito, que pode restaurar a visão de cegos. O projeto Cortical Frontiers ainda está em desenvolvimento, mas parece promissor.

A universidade divulgou que o objetivo é devolver, ou dar, a visão para pessoas totalmente cegas. Para isso, os pesquisadores desenvolveram implantes eletrônicos sem fio miniaturizados, que ficam na superfície do cérebro. Esses pequenos dispositivos podem fazer as vezes dos órgãos responsáveis pela visão, fazendo com que seja possível ver normalmente. 

Implantes no cérebro?

Algumas pessoas clinicamente cegas possuem essa condição por ter nervos ópticos danificados. Isso evita que os sinais sejam transmitidos da retina para as partes dos cérebro que "codificam" a imagem que está em nossa frente. O implante faz as vezes desses nervos. 

Esse projeto já está sendo estudado e desenvolvido há 10 anos. As pesquisas estão sendo realizadas em Melbourne, na Austrália, mas tem a capacidade de serem distribuídas para todo o mundo. Além de recuperar a visão, o projeto também pode auxiliar em outras funções perdidas no corpo humano. 

Continua após a publicidade

28/08/2020 às 20:24
Notícia

Elon Musk apresenta as novidades da Neuralink

A grande expectativa era que seria apresentado um humano com chip no cérebro

Outros exemplos são em pacientes tetraplégicos. “Se for bem-sucedida, a equipe MVG buscará criar uma nova empresa comercial focada em fornecer visão para pessoas com cegueira intratável e movimento para os braços de pessoas paralisadas por tetraplegia, transformando seus cuidados de saúde”, informa Dr. Lewis, um dos pesquisadores líderes do projeto.

O projeto 'Cortical Frontiers: Comercializando interfaces cérebro-máquina', é liderado pelo Dr. Lewis e é financiado pelo governo da Austrália, além de ter alguns incentivos privados. Apenas de incentivos federais, o custo enviado supera US$ 1 milhão, cedidos pelo Programa de Pesquisa Médica e de Saúde da Fronteira do Fundo de Pesquisa Médica. 

Via: Monash
User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

O fim do CANAL do RATO BORRACHUDO e o Dilema das Redes Sociais

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.