Créditos: Reprodução/Rosatom

Novo vídeo mostra explosão da maior bomba de hidrogênio já criada

Vídeo divulgado pela agência de energia nuclear russa Rosatom é do teste realizado em 1961

As bombas de hidrogênio estão entre as armas mais letais do mundo e não têm um limite teórico de tamanho. Quanto mais combustível, maior a explosão. Quando os Estados Unidos detonaram sua primeira em 1952, sua força destrutiva era 700 vezes maior que a da bomba atômica que destruiu Hiroshima.

25/06/2019 às 10:21
Notícia

Drone captura resultado da explosão de uma bomba da 2ª Guerra...

De acordo com as autoridades, a bomba explodiu sem qualquer atividade externa

Durante a chamada Guerra Fria, a União Soviética e os Estados Unidos competiram para construir mais armas e cada um deles também procurou construir a maior bomba de todas. "Havia uma corrida para ver quem ia ter a maior bomba", disse Robert S. Norris, historiador da era atômica. "E os soviéticos ganharam".

Dias atrás, a agência russa de energia nuclear, Rosatom, divulgou o vídeo com um documentário de 30 minutos, que era antes classificado como secreto, sobre a detonação da maior bomba de hidrogênio do mundo. A força explosiva da bomba de hidrogênio - apelidada de Tsar Bomba e detonada em 30 de outubro de 1961 - era de 50 megatons, ou o equivalente a 50 milhões de toneladas de explosivos convencionais. Isso a tornou 3.333 vezes mais destrutiva que a arma nuclear usada em Hiroshima, Japão, e também muito mais poderosa do que a arma de 15 megatons detonada pelos Estados Unidos em 1954.

Novo vídeo mostra explosão da maior bomba de hidrogênio já criada
Reprodução/Rosatom

De vários ângulos e distâncias, o vídeo mostra o desenvolvimento da gigantesca nuvem de cogumelo da bomba. A Rússia já havia divulgado anteriormente fotos e vídeos do dispositivo, conhecido oficialmente como RDS-220. O novo vídeo divulgado no YouTube possui legendas em inglês (clique no ícone de closed captions para habilitá-las) e logo no início é possível ver a mensagem indicando que ele era originalmente secreto.

Em uma entrevista, Alex Wellerstein, historiador nuclear do Instituto de Tecnologia Stevens em Hoboken, Nova Jersey, chamou a liberação do novo vídeo de "uma boa adição" ao crescente conjunto de informações públicas. Ele disse que a descrição da bomba no documentário é muito mais completa do que as informações que o público normalmente receberia, mas evitou cuidadosamente mostrar os detalhes técnicos secretos.

Dr. Norris, o autor de "Racing for the Bomb", citou documentos americanos anteriormente classificados que revelaram a reação em grande parte despreocupada dos oficiais militares americanos à explosão colossal. Roswell L. Gilpatric, vice-secretário de defesa em 1961, disse em um discurso poucos dias antes do gigantesco teste soviético que especialistas nucleares americanos haviam julgado o valor militar de tal dispositivo "tão questionável que não valia a pena desenvolvê-lo".

Continua após a publicidade

Novo vídeo mostra explosão da maior bomba de hidrogênio já criada
Reprodução/Rosatom

Um documento ultrassecreto escrito em julho de 1963, quase dois anos após a explosão da bomba soviética, observou que "os Estados Unidos atualmente têm a capacidade de projetar" uma arma de tal força destrutiva. Ela nunca apareceu.

Ao longo das décadas, o grande desafio para os fabricantes do arsenal nuclear do país (assim como o da Rússia) acabou por ser a elaboração não de grandes bombas de hidrogênio, mas sim de bombas menores, que foram julgadas como mais úteis para ataques direcionados. A miniaturização deixou as bombas de hidrogênio serem pequenas o suficiente para que múltiplas ogivas pudessem caber em um único míssil - colocando assim muitas cidades simultaneamente em risco - ou pudessem ser enviadas para a guerra a bordo de caminhões, submarinos e outras plataformas não aéreas.

Fonte: The New York Times
User img

Fabio Rosolen

TUDO que o NVIDIA BROADCAST consegue fazer!

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.