Cientistas criam dispositivo que pode detectar Covid-19 em estágio inicial
Créditos: Northwestern University

Cientistas criam dispositivo que pode detectar Covid-19 em estágio inicial

Aparelho permite monitoração mais rápida de casos suspeitos, evitando que a doença se espalhe

Cientistas da Northwestern University e do Shirley Ryan AbilityLab – ambos localizados em Illinois, nos EUA – criaram um novo dispositivo que as pessoas podem usar em casa e possam identificar sinais preliminares de um possível contágio do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

20/04/2020 às 23:04
Notícia

EUA ainda é contra drones chineses... mesmo usando-os no comb...

Fabricante DJI emprestou drones para agências dos EUA em tempos de pandemia, mas é acusada de espionagem

Trata-se de um pequeno monitor de saúde que tem o formato de band-aid e fica colado no pescoço do usuário. Ele é capaz de identificar sintomas como tosses fortes, respiração pesada, alterações nos batimentos cardíacos, mudanças de temperatura e mais.

Uma vez que o aparelho detectar alguns desses sintomas, ele se comunica através de um sinal de Wi-Fi com servidor em nuvem que protege a privacidade do usuário através da Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde (HIPPA). Os dados estão são recebidos por médicos que irão decidir qual é o próximo passo que aquela pessoa deve tomar.

"Os mais recentes estudos publicados no Journal of the American Medical Association sugerem que os primeiros sinais de infecção com Covid-19 são febre, tosse e dificuldade em respirar. Nós desenvolvemos dispositivos customizados, algoritmos de dados, interfaces de usuários e sistemas de dados baseados em nuvem em resposta direta às necessidades específicas que são trazidas a nós pelos trabalhadores de saúde da linha de frente".
John A. Rogers, professor da Northwestern University

O dispositivo pode ser usado 24 horas por dia e 7 dias por semana, produzindo uma fonte contínua de dados sobre o indivíduo. Ele usa inteligência artificial para descobrir insights que são sutis, mas potencialmente podem salvar vidas.

Até agora, já são 25 pessoas que estão usando o dispositivo há cerca de duas semanas. Essas pessoas estão sendo monitoradas em clínicas e em suas casas e já totalizam mais de 1.500 horas cumulativas de geração de dados, totalizando mais de 1 terabyte de arquivos sobre a sua saúde.

"Estamos totalmente engajados em contribuir com a nossa expertise de engenharia bioeletrônica para ajudar a lidar com a pandemia usando tecnologias que nós podemos produzir agora para uso imediato em pacientes e outros indivíduos afetados".
John A. Rogers, professor da Northwestern University

Via: Tweak Town Fonte: Northwestern News
User img

Carlos Felipe

Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou parao PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.