Boeing revela seu drone de combate autônomo

Boeing revela seu drone de combate autônomo "Loyal Wingman"

Avião pode ser enviado para missões de reconhecimento e vigilância, além de combates reais

A Boeing divulgou nesta seu novo drone/avião de combate autônomo para a força aérea australiana que pode voar em formação com aviões tripulados. A empresa chama o jato autônomo de "Loyal Wingman", e diz que ele pode ser configurado para várias funções, desde missões de reconhecimento e vigilância até mesmo para participar em "guerras eletrônicas".

O Boeing Loyal Wingman não vai agir de forma totalmente autônomo. Basicamente, o avião não seleciona e ataca alvos em uma situação de combate. Eles serão pilotados remotamente, mas de maneira mais prática que os drones tradicionais, por exemplo. Algumas comparações com essa tecnologia dizem que ela é de "apontar e clicar". Usando inteligência artificial, esses aviões poderão voar em formação com outras embarcações tripuladas - sejam caças ou outras aeronaves que os aviões estejam protegendo.

O avião então é como se fosse um drone ultra-rápido e inteligente, quase um jato a controle remoto. Em vez de controlar todos os aspectos do voo, um piloto remoto pode se concentrar em fornecer instruções gerais para a missão, e os drones descobrirão o resto da navegação por conta própria.

01/02/2020 às 09:40
Notícia

Linhas aéreas dos EUA começam a cancelar seus voos da China p...

Gigantes como a Delta, United e American aumentam a preocupação com epidemia

O Boeing Loyal Wingman poderá ir à frente de jatos de caça para minimizar os riscos aos pilotos e evitar a perda de um avião pilotado muito caro. A Boeing não revelou o preço do Loyal Wingman, mas acredita-se que seja na faixa de milhões de dólares, obviamente. Para comparação, o caça US F35A custa cerca de US$ 80 milhões cada.

Além de servir como "bode expiatório" e avião de reconhecimento e patrulha, os novos Loyal Wingman também devem atuar como escolta de outros aviões ou navios importantes.

Fonte: Drone DJ
User img

Mariela Cancelier

Mariela é jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina e gosta de jogos de luta e MOBAs. Foi estagiária do Adrenaline e Mundo Conectado e atualmente é redatora freelancer em ambos os sites.

O fim do CANAL do RATO BORRACHUDO e o Dilema das Redes Sociais

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.