Homem estoca 17.000 garrafas de álcool gel, mas Amazon impede as vendas
Créditos: The New York Times

Homem estoca 17.000 garrafas de álcool gel, mas Amazon impede as vendas

Tentativas de lucro excessivo por causa da pandemia do coronavírus estão sendo barradas

Enquanto muitos estão preocupados em se contaminar com a pandemia do coronavírus que afeta vários países do mundo, algumas pessoas enxergam a oportunidade de um lucro fácil. Matt Colvin e seu irmão Noah foram dois exemplos, quando adquiriram 17.000 garrafas de álcool gel, além de outros produtos de higiene pessoal, para revender online por preços um tanto inflados. O negócio estava indo bem até a Amazon suspender completamente a venda desses produtos.

No início deste mês, março, que as vendas dos irmãos começaram. Segundo relatos deles, foram vendidas mais ou menos 300 garrafas logo na primeira hora, com valores chegando nos US$ 70. Mas logo no dia seguinte, a Amazon tirou os produtos do ar, não somente dos irmãos Colvin, mas também de muitos outros vendedores. Álcool em gel, lenços anitbacterianos e máscaras estão sendo removidos da plataforma, com o aviso aos vendedores de que se continuarem aumentando os preços dessa maneira, eles poderiam até perder suas contas. Segundo a revista Pequenas Empresas e Grandes Negócios, o eBay adotou a mesma medida, proibindo qualquer venda de álcool em gel e máscaras.

15/03/2020 às 16:29
Notícia

Ministério da saúde lança app com informações sobre o Coronav...

Aplicativo busca combater notícias falsas relacionadas ao Covid-19

As medidas das gigantes da venda online vêm em resposta de pedidos do público e de órgãos regulatórios responsáveis que observaram um crescimento exponencial nos valores dos produtos que passaram a ser cobiçados com a divulgação da pandemia do COVID-19. Alguns dos estados dos EUA contam com leis que proíbem a prática de "se aproveitar dessas situações" - na Califórnia é proibido aumentar valores em mais de 10% depois que oficiais declaram estado de emergência, enquanto em Nova Iorque, "subidas extremas" são proibidas, sem mencionar porcentagens específicas.

Os irmãos Colvin, obviamente, criticam a medida. Matt se defendeu em entrevista ao The New York Times, dizendo que não acredita que estava lucrando excessivamente. Ele disse que o preço comporta horas trabalhadas, taxas cobradas pela Amazon e fretes, então é justificável, de seu ponto de vista, que um produto que normalmente poderia ser encontrado por preços em torno de US$ 2,66 seja vendido por US$ 70. O vendedor reclamou que não sabe agora o que fazer com seu imenso estoque de álcool em gel, e talvez uma boa sugestão seja doar em abrigos e postos humanitários.

Via: Pequenas Empresas e Grandes Negócios Fonte: The New York Times
User img

João Gabriel Nogueira

João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline e o Mundo Conectado, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.