Startup cria saco plástico comestível e biodegradável
Créditos: Notpla

Startup cria saco plástico comestível e biodegradável

Material é feito de algas-marinhas e se decompõe em até 6 semanas

Visando um substituto para o plástico como recipiente, uma empresa criou um material maleável, comestível e biodegradável que pode servir para armazenar líquidos. A Notpla, startup por trás do feito, explica que o "Ooho" como é chamada a invenção, se decompõe em seis semanas caso não seja consumido.

O saco plástico comestível é feito de algas-marinhas por serem facilmente encontradas e terem crescimento rápido em todo o globo, além de não entrar em nosso cardápio como o milho, que também poderia ser utilizado.

Medidas da China para conter
coronavírus reduzem poluição drasticamente

No ano de 2007 a empresa conseguiu arrecadar US$500 em financiamento coletivo para comprar uma máquina capaz de fabricar até 10000 Oohos.

A Notpla começa a marcar presença em maratonas, a empresa já confirmou que oferecerá seus saquinhos com água na meia-maratona de Londres, evento que acontece dia 29 de março. Como o produto servido pela startup some depois de um tempo, torna-se muito mais limpo para a cidade a utilização dele em vez dos tradicionais copos plásticos e também garrafinhas.

Ampliando o serviço, a ideia de servir água é apenas o começo, já que podem ser servidas outras bebidas utilizando os Oohos como recipientes. Além de sucos, a Notpla chegou a fazer uma parceria com a The Glenlivet, marca de whisky, e o Tayer Elementary, um bar famoso em Londres, para oferecer drinks variados alcoólicos.

Recentemente, a Notpla também anunciou um recipiente para fast food também feito com base em algas-marinhas para ser totalmente biodegradável. A ideia foi realizada em parceria com a empresa Just Eat UK.

Fonte: Notpla

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

Intel se compromete a investir US$ 50 milhões para combater a Covid-19

Intel se compromete a investir US$ 50 milhões para combater a Covid-19

Empresa buscará acelerar pesquisas científicas e facilitar acesso de tecnologias a pacientes


Quarentena em todo o mundo muda movimentação da crosta terrestre

Quarentena em todo o mundo muda movimentação da crosta terrestre

Geocientistas se aproveitam de diminuição do ruído sísmico para coletar dados mais precisos


Câmeras termográficas ajudam a combater Covid-19 em aeroportos e fábricas

Câmeras termográficas ajudam a combater Covid-19 em aeroportos e fábricas

Tecnologia ajuda governos a encontrarem quem está com febre, um dos sintomas da doença


Video mostra em 360º graus um laboratório de pesquisa contra o novo coronavírus

Video mostra em 360º graus um laboratório de pesquisa contra o novo coronavírus

Espaço na UFMG processa exames para tentar conter o aumento na demanda de hospitais públicos


Governos vão acompanhar quarentena em tempo real rastreando celulares

Governos vão acompanhar quarentena em tempo real rastreando celulares

Parceria com startup In Loco deve fornecer dados da localização de cidadãos