Baterias de grafeno estão prontas e podem ser utilizadas em celulares em 2020
Créditos: psafe & tek.no

Baterias de grafeno estão prontas e podem ser utilizadas em celulares em 2020

Empresa desenvolve opção viável que pode carregar 100% da bateria em 20 minutos

A Real Graphene, empresa dos EUA que desenvolve tecnologia usando grafeno, confirmou que smartphones com baterias usando o material, podem ser uma realidade ainda em 2020. O grande benefício é a capacidade de carregamento ser muito superior as utilizadas atualmente. Um ponto negativo é que isso pode encarecer a produção e, por consequência, o valor final dos aparelhos.

O principal benefício de baterias com grafeno é o tempo de carregamento. Segundo o CEO da Real Graphene, Samuel Gong, uma bateria com capacidade de 3000mAh, usando a tecnologia desenvolvida pela empresa, consegue carregar totalmente, de 0 a 100%, em 20 minutos. Geralmente, o tempo médio com carregamento rápido em uma bateria de lítio convencional, com a mesma capacidade, é de 90 minutos.

13/08/2019 às 15:57
Notícia

Samsung planeja lançar smartphone com bateria de grafeno até ...

Os maiores desafios serão o aumento de capacidades e a redução de custos de produção

Esse é o principal destaque, mas não é o único benefício que o grafeno oferece. A empresa também destaca a longevidade recorde que uma bateria usando a tecnologia consegue suportar. Enquanto o lítio convencional consegue suportar entre 300 e 500 ciclos, o grafeno tem capacidade para sofrer até 1500 ciclos de carga, três vezes mais. A Real Graphene também diz que as baterias com grafeno geram menos calor, comparada as de lítio. 

A solução desenvolvida pela empresa ainda utiliza lítio, portanto a bateria não é completamente feita por grafeno. A alteração está na troca reversível de íons. Os atuais modelos fazem essa troca entre um eletrodo positivo com um óxido de metal de transição litiado, podendo ser dióxido de cobalto ou manganês, e um eletrodo de grafite negativo. A Real Graphene está propondo adicionar um eletrodo coberto com uma fina camada de grafeno, no lugar do grafite.

O fato de apenas o grafite ser substituído torna o projeto mais executável, e esse é o grande diferencial da proposta. Isso porque o material utilizado seria em uma quantidade baixa, o que não encareceria tanto a produção desse tipo de bateria. O valor médio de uma folha de grafeno é de US$25 (pouco mais de R$104), 1kg do material é estimado em cerca de US$ 300.000 (mais de um milhão de reais).

Se o lítio fosse totalmente substituído pelo grafeno, isso poderia tornar o aparelho muito caro. O que poderia ficar restrito apenas aos dispositivos topo de linha e entusiastas. Com essa solução, os custos ficam menores e as empresas não vão precisar trocar o equipamento para produzir as novas baterias. Isso pode fazer com que mais dispositivos, mesmo que intermediários, recebam a novidade. Gong ainda afirma que poderemos ver o primeiro smartphone usando a tecnologia neste ano.

Via: WCCFTech, GizChina
User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.