Cientistas criam Xenobots, um
Créditos: Computer-Designed Organisms

Cientistas criam Xenobots, um "robô vivo" que consegue se regenerar

A pesquisa desenvolveu um tipo de ser totalmente desconhecido na natureza

Os cientistas da Universidade de Vermont (UVM) e Universidade Tufts conseguiram criar o primeiro "robô vivo". Para isso, eles usaram células tronco de  embriões de sapos e as combinaram com robótica. O resultado foram bolhas de cerca de um milímetro de largura, que estão sendo chamadas de Xenobots. Eles são capazes de caminhar, nadar e até trabalhar em cooperação.

Estudo da University of Vermont
Site de divulgação da pesquisa

Um dos principais responsáveis pela pesquisa é o cientista Ph.D. Joshua Bongard, especializado em ciência da computação e em robótica pela UVM. Ele fala que a sua descoberta "são novas máquinas vivas". Também complementa explicando mais sobre os resultados dos testes. "Eles não são um robô tradicional nem uma espécie conhecida de animal. É uma nova classe de artefato: um organismo vivo e programável".

A pesquisa se chama Computer-Designed Organisms, em tradução direta é: Organismos Projetados por Computador. E foi como o novo robô vivo foi criado. Enquanto os cientistas da UVM executaram um algoritmo evolutivo em um supercomputador, a equipe da Universidade de Tufts executou o teste. A criação foi feita com células-tronco da espécie de sapos africana Xenopus laevis. O nome Xenobots foi criado a partir dessa espécie, mas é interessante que o prefixo Xeno, em grego, significa 'Outro', 'Estranho' ou 'Estrangeiro'.

A pesquisa desenvolveu um tipo de ser totalmente desconhecido na natureza. As células combinadas trabalhando juntas, conseguindo se locomover de forma independente em ambientes aquosos. Eles também tem capacidade regenerativa, o que significa que eles podem "se curar". Isso significa que quando cortados eles podem se unir novamente, algo que pouquíssimos robôs são capazes.

14/01/2020 às 20:27
Notícia

Cientistas criam pela primeira vez células robóticas usando t...

Nanorobôs biológicos seriam usados na medicina e na área ambiental

Continua após a publicidade

Se você começou a imaginar todos os filmes de ficção científica virando realidade, com consequências que não são planejadas, certamente não é o único. O professor de biologia de Tufts, Michael Levin, diz que "Esse medo não é irracional". O pesquisador que trabalha com ciência cognitiva afirma "Quando começarmos a mexer com sistemas complexos que não entendemos, teremos consequências não intencionais". Mas os pesquisadores dizem que quanto mais estudos forem realizados, eles terão mais controle na tecnologia.

Os cientistas colocam uma "pré-carga" nos Xenobots que permite que eles vivam uma semana. Eles podem se alimentar e durar mais tempo, se estiverem em um ambiente rico em nutrientes. Por enquanto esses seres não são capazes de evoluir, ou mesmo se reproduzir sozinhos. A não ser se considerarmos que quando cortados ao meio, eles podem se regenerar, gerando dois indivíduos.

A pesquisa ainda está em desenvolvimento, e deve trazer novas descobertas para o futuro. Caso tenha ficado com alguma dúvida, ou quer se aprofundar ainda mais no assunto, acesse o site do estudo com todas as informações, clicando aqui.

Via: Engadget, TweakTown Fonte: University Of Vermont, Computer-Designed Organisms
User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

Estamos com a MI BAND 5! Veja o que a PULSEIRA INTELIGENTE da XIAOMI pode fazer

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.