Coolest Cooler está encerrando as suas atividades ainda devendo para clientes
Créditos: trustedreviews

Coolest Cooler está encerrando as suas atividades ainda devendo para clientes

O cooler com liquidificador é o segundo maior projeto do crowdfunding Kickstarter

A Coolest Cooler, conhecida por ser um dos maiores fracassos do crowdfunding Kickstarter, anunciou que irá abandonar os negócios. A principal desculpa dada pela empresa é as altas taxas de impostos de 25% cobrados pelos produtos importados da China para os EUA. Eles dizem ainda que essa cobrança afetou toda a linha de produtos da Coolest.

06/05/2019 às 11:56
Notícia

EUA mais do que dobra imposto de importação sobre eletrônicos...

Tarifas foram aumentadas em 2,5 vezes e afetam bolsas de todo o mundo

A empresa teve o segundo maior financiamento do KickStarter da história, conseguindo mais de US$13 milhões em 2014. Mas, a empresa começou a enviar os produtos para lojas de departamento antes mesmo de ter entregue os produtos para os apoiadores do projeto. Isso gerou muita polêmica na época e agora, cinco anos depois do ocorrido, a empresa declara que irá encerrar as suas atividades.

Mesmo que a taxação dos produtos seja algo real e que, de fato, altera muitos funcionamentos de empresas, a Coolest Cooler já apresentava problemas anteriores a isso. Mesmo depois de deixar muitos clientes sem o produto, a empresa põe a culpa do fim do projeto nos impostos. "Foi devastador para os nossos negócios, e sei que muitos de vocês sentiram, de uma maneira ou de outra, como consumidores e milhares de pequenas empresas em todos os lugares", Ryan Grepper CEO da Coolest Cooler.

O cooler tinha o grande diferencial de um liquidificador embutido e era equipado com alta tecnologia. A Kickstarter falou que sempre há um risco de algum projeto não conseguir sair do papel e também mencionou sobre a falta de ressarcimento dos investidores na Coolest Cooler. 

Continua após a publicidade

O Departamento de Justiça do Oregon determinou em 2017 que a Coolest deveria pagar o total de US$20 por produto que ainda não tinha sido entregue. Aparentemente a empresa não irá cumprir com a ordem judicial, já que declarou que está sem dinheiro suficiente. Apesar disso, o departamento de justiça afirma que a empresa tem até o ano de 2020 para devolver o dinheiro para seus clientes.

Via: The Verge
User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

Testamos o ROG Phone 3!

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.