Ericsson pagará mais de US$ 1 bilhão para resolver caso de corrupção nos EUA
Créditos: Ericsson

Ericsson pagará mais de US$ 1 bilhão para resolver caso de corrupção nos EUA

Os crimes de suborno e corrupção ocorreram em países como China e Vietnã

A Ericsson já foi bastante popular no início da telefonia móvel com seus aparelhos. No início dos anos 2000, os aparelhos produzidos em parceria com a Sony também foram bastante populares, como a linha Sony Ericsson Walkman. Hoje a empresa é focada em equipamentos e serviços de telecomunicações móveis atendendo diversos segmentos do mercado como empresas, indústrias e governos.

A empresa voltou a ser foco dos holofotes nesta semana, sobre uma investigação conduzida pelo Departamento de Justiça dos EUA, no qual a Ericsson é acusada de corrupção e suborno de funcionários do governo, ocorridos durante vários anos em países como China, Vietnã e Djibuti.

No total a Ericsson deverá pagar mais de US$ 1 bilhão por conta dos casos de corrupção e suborno. Dentro deste valor, US$ 520 milhões por conta de penalidade criminal, mais US$ 540 milhões deverão ser pagos à Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA por uma questão associada.

A empresa admitiu ter conspirado com outras pessoas para violar a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior (Foreign Corrupt Practices Act - FCPA) entre os anos de 2000 a 2016, participando de um esquema para pagar subornos, falsificar livros e registros e não implementar controles contábeis internos sensatos, segundo o Departamento de Justiça dos EUA através de um comunicado oficial.

"Certos funcionários em alguns mercados, alguns dos quais executivos, agiram de má fé e conscientemente falharam na implementação de controles suficientes. Eu vejo o que aconteceu como um capítulo completamente inaceitável e extremamente perturbador da nossa história" - Borje Ekholm, CEO da Ericsson.

 

A Ericsson utilizou de terceiros para pagar propinas à funcionários do governo afim de garantir os negócios. Os consultores foram contratados para criar fundos escassos e transferir dinheiro para terceiros, de acordo com uma das queixas. Uma das subsidiárias da empresa, a Ericsson Egypt Ltd, se declarou culpada no distrito sul de Nova York por uma acusação de conspiração para violar as disposições antissuborno da FCPA.

Declarar-se culpado pode trazer graves sanções adicionais, como a revogação de licenças. Entretanto a Ericsson poderá negociar isenções e continuar operando.

"Por meio de fundos escassos, subornos, presentes e enxertos, a Ericsson conduziu negócios de telecomunicações com o princípio norteador 'dinheiro manda'", afirmou em um comunicado o procurador dos EUA Geoffrey Berman, do Distrito Sul de Nova York.

A Ericsson comunicou que revisou seu programa anticorrupção e tomou medidas para melhorar sua ética e conformidade. Ele disse anteriormente que estava cooperando com as autoridades dos EUA e que faria uma provisão de US$ 1,2 bilhão em relação às investigações. "Embora o valor da liquidação hoje seja significativo, posso confirmar que seremos capazes de gerenciar a saída de caixa associada com os fundos disponíveis", disse o diretor financeiro da Ericsson, Carl Mellander.

Fonte: Reuters
User img

Jean Oliveira

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

Sony cancela participação no MWC devido a preocupações com Coronavírus

Sony cancela participação no MWC devido a preocupações com Coronavírus

Coletiva de imprensa agora será realizada no dia 24 de fevereiro no canal Sony Xperia no YouTube


Amazon também desiste do MWC 2020 por causa do Coronavírus

Amazon também desiste do MWC 2020 por causa do Coronavírus

Empresas como LG, NVIDIA e Ericsson também desistiram de participar do evento


Nvidia desiste da MWC 2020 devido à ameaça do coronavirus

Nvidia desiste da MWC 2020 devido à ameaça do coronavirus

Empresa se junta a LG e Ericsson e engrossa lista de desistências


Procurador dos EUA sugere que país compre Nokia para competir com Huawei

Procurador dos EUA sugere que país compre Nokia para competir com Huawei

Funcionário do governo americano também listou a Ericsson como opção