Jogadores estão gastando menos com conteúdo in-game em Fortnite e outros jogos
Créditos: Torcedores | PNG Image

Jogadores estão gastando menos com conteúdo in-game em Fortnite e outros jogos

O único nicho que apresentou crescimento de receita foi o mobile

Faz algum tempo que Fortnite é conhecido como um dos jogos mais populares da atualidade. Porém, temos indicativos de que as pessoas estão pensando mais na hora de gastar seu dinheiro nele.

09/11/2019 às 16:35
Notícia

Fortnite: Pacotão Fogo Sombro é lançado com 13 novos itens

Iniciativa da WB Games e da Epic Games custa R$ 99,90 e estará disponível para Xbox One

De acordo com o SuperData Research, os jogadores estão gastando menos em conteúdo in-game, principalmente desde o início de 2019. A receita que vem de microtransações em PCs, consoles e dispositivos mobile somadas sofreu uma queda, e Fortnite, por exemplo, não alcançou a meta dos US$100 milhões em setembro.

A pesquisa aponta que, comparando os dados dos últimos dois anos, o valor que chega dos jogadores de PC ficou estagnado, enquanto os gastos com conteúdo em consoles diminuiu no ano passado. Para comparar, os gastos dentro do jogo durante 2018 representaram a maior parte da receita de Fortnite no PC (85%) e quase metade nos consoles (48%). O único setor que apresentou um aumento significativo na compra de conteúdo adicional foi o mobile.  

E não é só o Fortnite que está passando por isso. Metade dos jogadores considerados na pesquisa (51%) não gastou em conteúdo adicional no mês passado, mesmo com grandes lançamentos entre os jogos que dão atenção para o sistema de microtransação, como FIFA 20 e NBA 2K20.

Algumas razões citadas para esse declínio foram a "falha" em instigar as pessoas que não costumam gastar em conteúdo adicional e o fato de que, mesmo gastando menos, esses valores se concentram em um ou dois jogos. Para ilustrar, 8% dos gamers gastaram em Fortnite e Call of Duty: Black Ops 4 em outubro, enquanto apenas 2% deram seu dinheiro para Destiny 2 ou FIFA 20

Outra justificativa interessante é que esses jogadores estão ficando cada vez mais cientes sobre (e descontentes com) as táticas de monetização que já se consolidaram no mercado. 

"Os gastos no jogo, como sabemos, atingiram um ponto de saturação. Entre loot boxes, passes de batalha, one-time booster packs e compras de cosméticos individuais, não faltam táticas de monetização. Essas estratégias, no entanto, não estão atraindo todos a comprarem conteúdo adicional. Os desenvolvedores devem procurar e identificar a melhor abordagem para converter jogadores em 'gastadores' ou recuperar a confiança perdida devido a modelos de microtransação mal implementados. [...] Embora a inovação seja necessária para reviver o mercado estagnado, a monetização efetiva nunca deve custar uma experiência de jogo agradável e justa." - SuperData Research

Apesar dessa queda, é bom deixar claro que Fortnite ainda está indo muito bem. No terceiro trimestre desse ano, o jogo conseguiu arrecadar US$6,5 bilhões nos PCs e US$1,4 bilhão em receita de console. A questão aqui é se ele está alcançando uma parcela de mercado satisfatória.

Via: vg247 Fonte: SuperData Research
Um em cada quatro jovens possui relação problemática com smartphones

Um em cada quatro jovens possui relação problemática com smartphones

Segundo estudo, uso excessivo pode acarretar em problemas como depressão e ansiedade


Cientistas instalam alto-falantes no fundo do mar para repopular recifes danificados

Cientistas instalam alto-falantes no fundo do mar para repopular recifes danificados

A pesquisa mostrou que os sons saudáveis podem atrair peixes jovens


Pesquisadores utilizam drones para monitorar mamíferos ameaçados de extinção

Pesquisadores utilizam drones para monitorar mamíferos ameaçados de extinção

O grupo AWC na Austrália conta com a ajuda de uma aeronave da DJI equipada com uma câmera termográfica


Sony cria divisão de IA com foco em games, fotos e comida

Sony cria divisão de IA com foco em games, fotos e comida

Empresa começa a idealizar "gastronomia de robôs" com tecnologia autônoma para cozinhar


Drone marítimo da Saildrone é movido a energia solar e ajuda a estudar oceanos

Drone marítimo da Saildrone é movido a energia solar e ajuda a estudar oceanos

Embarcação já chegou a navegar por 196 dias seguidos coletando dados na Antártica