Google adquire empresa de vestíveis Fitbit por US$2,1 bilhões

Google adquire empresa de vestíveis Fitbit por US$2,1 bilhões

As empresas em conjunto prometem elevar ainda mais o nível de tecnologia desenvolvida

A Google adquiriu a Fitbit, empresa especializada em dispositivos vestíveis (wearable) voltadas para o monitoramento de atividades físicas, como smartwatches e pulseiras inteligentes. O valor negociado para efetuar a compra da empresa foi de US$2,1 bilhões, pagos em dinheiro, (aproximadamente US$7,35 por ação) com isso, a Google entra efetivamente para o mercado de produtos fit.

A Fitbit foi fundada em 2007 e desde então vem alcançando um público fiel, com diversas opções de produtos. Hoje a empresa já conta com mais de 28 milhões de usuários ativos em todo o mundo. 

"A Fitbit foi uma pioneira no setor e criou produtos, experiências e uma comunidade vibrante de usuários", disse Rick Osterloh, vice-presidente sênior de dispositivos e serviços do Google. "Estamos ansiosos para trabalhar com o incrível talento da Fitbit e reunir os melhores hardwares, softwares e IA para criar wearables para ajudar ainda mais pessoas em todo o mundo" - Rick Osterloh, diretor executivo de produtos e serviços da Google

17/01/2019 às 17:07
Notícia

Google compra tecnologia misteriosa de smartwatches da Fossil...

Acordo também vai levar engenheiros da fabricante de vestíveis para trabalhar na Google

A Google confirmou que novos dispositivos Fitbit vão ser inclusos na plataforma Made By Google, mas disse que não vai abandonar a plataforma Wear OS. Os executivos responsáveis pela Fitbit falam que as tecnologias desenvolvidas pela empresa, em saúde e bem estar, vão ser aprimorados pelos recursos de Inteligência Artificial (IA) da Google, conseguindo alcançar um novo nível de excelência.

Um dos grandes pontos levantados foi a privacidade dos usuários, que teriam todos os seus dados monitorados com a Google tendo acesso direto a informações como: quantos passos foram dados no dia, como está o seu sono, seus batimentos cardíacos, entre outras coisas. Para justificar isso, a Fitbit disse que a segurança dos dados de seus usuários sempre foi uma preocupação e que mesmo com a venda da marca, esse valor não será alterado.

A promessa é que os dados que estiverem sendo coletados vão ser justificados e, os usuários terão os relatórios da necessidade de cada informação que está sendo usada. Além disso, as empresas asseguraram que as informações não serão utilizadas para endereçar nenhum tipo de anúncio. Mesmo com todas essas promessas, a empresa vai permitir que todos os seus atuais usuários revisem ou excluam seus dados depois que a Fitbit for efetivamente propriedade da Google.

02/03/2018 às 16:45
Notícia

Apple Watch vendeu mais unidades que todos os smartwatches co...

Apple continua crescendo nos vestíveis

O acordo já foi fechado, mas ainda está na fase de regulamentação de burocracias. Nos próximos dias, a Fitbit será oficialmente uma propriedade da Google concorrendo com outras grandes marcas, tendo como o principal alvo o Apple Watch.

Via: WCCFTech
User img

Ana Luiza Pedroso

Projeto Nightingale do Google coleta dados médicos de milhões de americanos

Projeto Nightingale do Google coleta dados médicos de milhões de americanos

Entre os dados coletados estão resultados de exame e registros hospitalares


Aplicativos Web ficarão mais rápidos no Google Chrome

Aplicativos Web ficarão mais rápidos no Google Chrome

Alguns deles também poderão ser usados sem conexão à internet disponível


Google Nest Mini é lançado no Brasil custando R$ 349

Google Nest Mini é lançado no Brasil custando R$ 349

Caixa de som inteligente conta com auxilio do Google Assistente para realizar diversas ações e controlar outros aparelhos da casa


Google Maps permite que você gerencie seu perfil a partir do app para Android

Google Maps permite que você gerencie seu perfil a partir do app para Android

Você não precisa acessar o site para editar seu perfil público


YouTube pode apagar contas de usuários que não forem comercialmente viáveis

YouTube pode apagar contas de usuários que não forem comercialmente viáveis

Mudanças nos termos de serviço entrarão em vigor no dia 10 de dezembro