Private Internet Access remove servidores do Brasil
Créditos: Private Internet Access

Private Internet Access remove servidores do Brasil

Conflito com leis brasileiras levou serviço de VPN a desativar seus servidores no país

Em nota oficial em seu site, o serviço de VPN Private Internet Access, que preza, entre outras coisas, mas especialmente, pela segurança dos dados de seus usuários, desativou seus servidores no Brasil por conta da obrigatoriedade de serviços de internet de manterem os registros de todos dados de navegação de seus usuários por um ano inteiro, o que vai de encontro com a principal política da empresa, a privacidade.

O Private Internet Access foi informado por seus advogados que, segundo a Lei nº 12.965, decreta-se que toda companhia responsável por fornecer um endereço de IP deve armazenar todos os registros de navegação e dados de seus clientes por pelo menos um ano. O datacenter  local utilizado previamente pela empresa, Equinix, relatou que o governo brasileiro "mudou o tom" em relação a esse controle de dados, e pretende garantir que todos os serviços provedores de internet, inclusive os virtuais, sigam  a risca essas determinações. Os servidores de internet brasileiros já são considerados extremamente falhos na questão da segurança de dados do consumidor. Tendo um deles inclusive já vazado informações sigilosas de milhões de usuários. Os clientes brasileiros do Private Internet Access vão continuar tendo acesso à vasta rede de servidores da PIA e, segundo a própria nota de empresa, "tem todas as razões do mundo para querer fazê-lo". Privacidade no Brasil está em falta.

While one has even leaked millions of users sensitive information before.

 

Ainda segundo a nota oficial, o PIA explica que, está imediatamente removendo todos os seus gateways de saída Brasileiros sem quaisquer planos de estabelecer novos, em virtude da atual interpretação das leis de internet Brasileiras. A empresa é absolutamente comprometida com a proteção da privacidade de seus usuários e sua equipe legal avalia constantemente as leis regulatórias de dados dos países nos quais seus servidores operam. Quando um país busca forçar o armazenamento, legal ou ilegalmente, desses registros, a PIA imediatamente encerra seus serviços na região. A Private Internet Access já fechou seus servidores na Coreia do Sul e Rússia anteriormente por motivos similares. Uma vez que, pela própria proposta do serviço oferecido, a PIA não guarda quaisquer dados de navegação, dados de sessões ou período, é impossível para o governo Brasileiro tentar angariar informações prévias dos antigos datacenters. 

20/11/2018 às 16:13
Notícia

Pesquisa mostra que VPNs têm preferência em desbloquear catál...

Confira quais são as VPNs conseguem desbloquear mais conteúdos

Até o momento outros serviços de VPN, como o NordVPN, continuam operando seus servidores no Brasil e não houve qualquer menção a um movimento similar.

Via: Private Internet Access Fonte: Private Internet Access
User img

Daniel Trefilio P. de Carvalho

Chrome 79 alerta usuário caso sua senha já tenha sido vazada na internet

Chrome 79 alerta usuário caso sua senha já tenha sido vazada na internet

Nova versão do navegador traz melhorias de segurança e novas medidas preventivas


O Brasil é o quinto pior país em infrações na coleta de dados biométricos

O Brasil é o quinto pior país em infrações na coleta de dados biométricos

Estudo investiga a coleta de informações em 50 países ao redor do mundo


Facebook treina funcionários com chat bots para responder perguntas polêmicas

Facebook treina funcionários com chat bots para responder perguntas polêmicas

Colaboradores estão preocupados com a pressão dos familiares em festas de fim de ano


Mozilla expande testes beta da sua VPN Firefox Private Network

Mozilla expande testes beta da sua VPN Firefox Private Network

Recurso criptografa conexões com o Firefox e terá versão mais completa por US$ 5 ao mês


Mark Zuckerberg não vai impedir anúncios pagos por políticos no Facebook

Mark Zuckerberg não vai impedir anúncios pagos por políticos no Facebook

Prática favorece circulação de notícias falsas durante campanhas eleitorais