Especialista avalia que a Terra será acertada por asteroide, mas não fala quando
Créditos: marcelo6366/Pixabay

Especialista avalia que a Terra será acertada por asteroide, mas não fala quando

Executiva da B612 Foundation estima chance de 100% de sermos atingidos por corpo celeste

A diretora executiva da B612 Foundation, Danica Remy, avaliou que a chance de um asteroide atingir a Terra é de 100%, mesmo que ninguém possa afirmar hoje quando isso irá acontecer. A B612 Foundation é uma fundação privada da Califórnia sem fins lucrativos, onde Remy trabalha junto de cientistas na busca de asteroides que possam colidir com nosso planeta — e maneira de nos protegermos contra isso.

10/07/2019 às 14:34
Notícia

Sporton se junta à Qualcomm para obter certificação do Wi-Fi ...

O novo protocolo promete capacidade aprimorada, latência reduzida e mais velocidade

Mesmo que CEO da fundação esteja certa de que a colisão irá acontecer, no momento não é possível estimar uma data para isso. Além disso, a equipe de cientistas da fundação ainda acredita que a Terra não corre risco de ser atingida por um asteroide de grandes proporções, com mais de um quilômetro de diâmetro.

Esse tipo de corpo celeste costuma ser mais fácil de se detectar, por causa de seu tamanho, facilitando o seu monitoramento por agências especiais. Até o momento, não há qualquer risco do nosso planeta ser atingido por um asteroide gigante — classe conhecida como "matadores de planetas".

"É 100% certo que nós seremos atingidos, mas não é 100% certo quando".
Danica Remy, em entrevista à NBC News

O perigo, portanto, está nos asteroides e meteoros menores, que possuem maior chance de se colidirem com a Terra. Como eles são relativamente pequenos, acabam ficando mais suscetíveis aos campos gravitacionais dos planetas. Ou seja, eles possuem maior chance de sofrer uma alteração repentina de rota e acabarem colidindo com a Terra.

Conforme explica o site International Business Times, as consequências causadas por um meteoro do tipo seriam bem mais localizadas. Mesmo assim, uma colisão do tipo poderia resultar em efeitos secundários bastante adversos para o resto do planeta.

"O tipo de devastação para o qual estaríamos olhando é mais num nível regional do que planetário. Mas ainda haveria um impacto global, no transporte, nas redes, no tempo e no clima".
Danica Remy, em entrevista à NBC News

Via: International Business Times, NBC News
NASA divulga experimentos científicos que serão enviados nas missões para Lua em 2020

NASA divulga experimentos científicos que serão enviados nas missões para Lua em 2020

Os projetos são para identificar propriedades da água de lua, campos magnéticos e sinais de rádio


Telescópio Hubble faz nova fotografia surpreendente de Saturno

Telescópio Hubble faz nova fotografia surpreendente de Saturno

Estudo da imagem mostra que o planeta está com a atmosfera instável e com tempestades


Cientistas encontram água em planeta potencialmente habitável

Cientistas encontram água em planeta potencialmente habitável

O K2-18b é o planeta com as características mais aproximadas da Terra, mas está a 110 anos-luz


Cientistas criam tinta que muda de cor com luz ultravioleta

Cientistas criam tinta que muda de cor com luz ultravioleta

Tecnologia permite trocar a cor de um mesmo objeto inúmeras vezes


NASA consegue produzir cimento no espaço pela primeira vez na história

NASA consegue produzir cimento no espaço pela primeira vez na história

O uso do concreto feito fora da Terra pode diminuir os custos de transporte das estruturas