Celulares com múltiplas câmeras: quando devo usar cada uma?

Celulares com múltiplas câmeras: quando devo usar cada uma?

Ultra-wide, zoom, grande-angular... como escolher a melhor para o seu clique!

As fabricantes estão aparelhando seus celulares com um número cada vez maior de câmeras, algo que já discutimos por aqui se realmente traz benefícios para o consumidor ou se é outra "lorota" como foi a guerra dos megapixels alguns anos atrás. 

Agora, com tantos aparelhos se equipando com grandes quantidades de lentes, é muito provável que seu celular atual (ou mesmo um futuro aparelho) tenha mais de uma. Mas, como tirar o melhor de cada uma delas? Vamos aqui fazer um tutorial com os pontos fortes de cada uma das variantes que a indústria está equipando nos celulares!

Grande-angular

A configuração mais tradicional da indústria é a grande-angular. É esse tipo de lente que vem equipando os smartphones há anos, e se o seu aparelho possui apenas uma lente, é muito provável que seja essa. O enquadramento grande-angular conta com uma série de vantagens, a primeira é que, como seu nome indica, seu ângulo amplo ajuda a enquadrar vários objetos na cena.

Essa é a câmera que se sai melhor em locais mal-iluminados

A segunda vantagem é que a câmera grande-angular costuma ser a com a maior abertura para a entrada de luz, isso significa que ela será a mais eficiente especialmente nas situações mal-iluminadas como fotos noturnas ou em ambientes internos com pouca iluminação.

A profundidade de campo é equilibrada, ou seja, ela tem uma boa área que fica em foco, o que facilita a imagem sair focada, mas consegue deixar parte da cena desfocada, porém ela não é muito eficiente nesse efeito e esse é parte do motivo do surgimento de kits com duas câmeras.

Se está na dúvida, provavelmente é a grande-angular que você deve usar

Sempre que você estiver em dúvida de qual lente deveria usar, quase sempre a resposta é a grande-angular, graças a esse excelente equilíbrio de características.

Exemplos de fotos:

Grande-angular
Pontos fortes: maior entrada para luz, enquadramento amplo, profundidade de campo equilibrada
Ponto fraco: ângulo de captura menor que a ultra-wide, não aproxima objetos distantes como a telefoto, difícil de criar efeito de desfoque do fundo
Quando usar: na maioria das situações

 

Telefoto (zoom)

A lente telefoto (ou como costuma ser chamada popularmente, a zoom) é a que aproxima objetos mais distantes. Quando os aparelhos popularizaram as câmeras duplas, essa era a lente mais comum a aparecer em conjunto com a grande-angular.

Ela complementa a lente tradicional por trazer uma baixa profundidade de campo, ou seja, uma área bem menor pode ficar em foco, e objetos mais próximos ou mais distantes irão ficar bastante desfocados. Por isso ela é crucial no efeito de desfoque via pós-processamento, muitas vezes combinando a qualidade maior da grande-angular com o desfoque gerado pela zoom. 

A lente telefoto deve ser usada quando você quer fechar em um assunto da foto mais distante. Além de deixar apenas ele em foco, também faz sumir muito do contexto e dos objetos em redor, tirando a ambientação da cena. É preciso ser bastante cuidadoso com essa câmera, porque ela tem mais dificuldade de fazer o foco, já que apenas uma área pequena consegue ser focada, e também é a mais difícil de ser estabilizada, então segure seu aparelho firmemente para fazer vídeos e fotos com zoom. Quanto maior o zoom, maior a chance de ficar borrada a imagem. 

A Telefoto é para quando algo está longe e você quer mais perto

Essa lente não costuma trazer uma grande abertura para luz, então é bom maneirar o seu uso em situações de baixa luminosidade.

Outro efeito que é bom ficar de olho é que o zoom tira a sensação de distância entre vários objetos, entregando uma foto final com um efeito mais "chapado":

Exemplos de fotos

Telefoto (zoom)
Pontos fortes: aproxima objetos distantes, tem baixa profundidade de campo que facilita borrar o fundo
Pontos fracos: mais difícil de estabilizar a imagem, menor abertura para luz, difícil de acertar o foco, tira noção de distância entre os objetos
Quando usar: quando quer aproximar mais um objeto, quando quer dar destaque a apenas uma coisa na foto

Ultra-wide

A lente tradicional tem um ângulo bastante amplo, mas também se popularizou a lente com um ângulo ainda maior, conhecida como ultra-wide ou também como "olho de peixe". Ela deixa a abertura ainda maior, e cria um efeito curioso ao aumentar em muito o campo de visão da cena.

Ela tem algumas vantagens bem interessantes. Ao colocar mais objetos da cena e abrir mais o ângulo de visão, cria enquadramentos bastante exóticos e dá muito do contexto de uma ação, mostrando muito dos arredores. Essa lente tem uma profundidade de campo enorme, então praticamente tudo fica em foco e é muito difícil a foto sair desfocada. Outra vantagem é que a estabilização é muito fácil, e mesmo se mexendo bastante, é difícil o vídeo sair excessivamente tremido.


É interessante observar o efeito de profundidade que essa câmera causa, que é o inverso da telefoto. Enquanto com zoom a imagem fica muito "chapada", com a olho de peixe é criada uma sensação grande de distância entre os objetos, com o fundo parecendo "bem mais distante".

Mas essa lente também traz dois efeitos colaterais. O primeiro é que fica difícil criar um efeito "artístico" de desfoque, já que praticamente tudo na cena vai estar 100% focado. Outro problema mais grave são distorções notáveis nas bordas da cena, que podem entortar objetos ou tirá-los de proporção. É importante ser cuidados ou evitar que pessoas fiquem muito próximas dos cantos, como fica evidente no braço "retorcido" na foto abaixo, no canto esquerdo inferior>

Exemplos de foto:

Ultra-wide (olho de peixe)
Pontos fortes: alta profundidade de campo deixa tudo em foco, grande ângulo de abertura, fácil de estabilizar
Ponto fraco: distorção da imagem nas bordas, incapaz de gerar desfoques
Quando usar: quando quer mostrar mais do entorno de uma cena, ou não está cabendo tudo que você queria na foto

 

Não está cabendo tudo que você queria na foto? Ultra-wide neles!

Essas são algumas visões gerais de como cada uma das câmeras em smartphones se saem em diferentes situações, mas mais importante que apenas as variações técnicas que cada uma delas traz, o mais importante é aproveitar que os celulares estão trazendo mais possibilidades e explorar os efeitos que cada um traz para as composições. Mais do que aproximar ou afastar objetos, aumentar ou diminuir o foco, novos enquadramentos podem mudar completamente a mensagem que você passa da cena que está registrando.

Versão em vídeo