Saiba o que é realidade virtual e o que esperar dela nos próximos anos

Saiba o que é realidade virtual e o que esperar dela nos próximos anos

Você muito provavelmente já tem alguma ideia do que é realidade virtual, isto porque esta é uma grande tendência tecnológica não só no mundo dos jogos, mas no meio corporativo também. 

Mas antes de citar exemplos e olhar o que já existe de tecnologia nesta área, é necessário conceituar e entender o que ela é. 

Afinal, o que é realidade virtual? 

Diferente da realidade aumentada que cria elementos digitais em nossa frente, a realidade virtual nos coloca em meio a um ambiente totalmente digital e podemos interagir com ele digitalmente.

A realidade virtual pode ser bem exemplificada pensando nos óculos como o Playstation VR, que você não consegue enxergar nada do mundo real, apenas do virtual e se coloca dentro do mundo do jogo.

VR = Virtual Reality = Realidade Virtual = leva você a outra realidade

Esses conceitos servem como ponto de partida, muitas vezes as inovações acabam misturando suas características e não conseguimos definir bem como chamá-las, mas por hora é isso que precisamos ter bem definido. Sendo assim, podemos começar a ver o que existe em ambas as tecnologias e como prometem mudar nossas vidas.

Realidade Virtual - Breve história

Um dos precursores da realidade virtual como conhecemos hoje é Jaron Lanier, em 1990 ele definiu perfeitamente o conceito que temos atualmente e apresentou um dos primeiros aparelhos de realidade virtual da história. Lanier é estadunidense, cientista de computação e músico. Em 2010 foi eleito como uma das "100 pessoas mais influentes do mundo" pela revista TIME. Nesta entrevista para a CNN você pode conhecer um pouco mais desta figura. No vídeo abaixo você vê o cientista explicando como sua invenção funciona. 

Continua depois da publicidade

Esta reportagem da rede de televisão norte americana ABC também é muito importante para entender a evolução das pesquisas na área e tentar mensurar quanto tempo ela levou para se aperfeiçoar. Antes dos anos 90, a realidade virtual não se parecia quase nada com o que temos hoje, foi apenas com Jaron Lanier que começamos a ver o conceito se desenvolver e caminhar para o que temos atualmente. Mesmo que hoje o VR tenha diversas aplicações para além do entretenimento, sua popularização começou em 1991 quando a empresa Virtuality Group Arcade lançou máquinas com jogos arcades que utilizavam VR. A febre foi grande enquanto durou. 

No ano de 1992 um filme baseado no trabalho de Jaron Lanier foi lançado,  The Lawnmower Man. O longa introduz alguns conceitos formulados na época e traz uma trama bizarra em que um homem acaba se tornando totalmente virtual. Jaron Lanier é interpretado no filme por Pierce Brosnan. Na época talvez tenha sido incrível, mas hoje é quase impossível levar o filme a sério. O mais inacreditável é que ganhou uma sequência, Lawmmower Man 2.

Ivan Sutherland, Myron Krueger e Douglas Engelbart são outros nomes importantes para a criação do VR. Se você pretende mergulhar ainda mais neste assunto e conhecer mais sobre o início da realidade virtual, recomendo o site Virtual Reality Society, aqui você pode ler mais sobre esses nomes citados acima.

Por trás da invenção do vídeo acima está o criador do Gameboy e Game & Watch, Gunpei Yokoi. Entretanto, diferente do sucesso que foi o Gameboy, o Virtual Boy foi um fracasso. O console era extremamente desconfortável, os gráficos eram basicamente vermelho e preto e o equipamento não oferecia o que prometia; imersão e realismo. Veja abaixo o gameplay de Mario Tennis no video game. 

Durante cerca de duas décadas a VR passou longe da popularidade, apenas em 2012 com o sucesso do Oculus Rift através do Kickstarter é que isto estava para mudar.

Continua depois da publicidade

Realidade Virtual hoje

Com o sucesso do financiamento coletivo, mostrando que a ideia era algo que atendia a um grande público, investidores e desenvolvedores da tecnologia de todo o globo voltaram sua atenção para a tecnologia, inclusive um bilionário bastante conhecido, Mark Zuckerberg. Na época o Facebook estava em plena expansão, comprando Whatsapp por US$ 16 bilhões, Instagram por US$ 1 bilhão e por fim o Oculus VR por US$ 2 bilhões. Desde então diversas outras empresas trabalharam para construir aparelhos de realidade virtual de propostas semelhantes ao Oculus ou até mesmo mais simples para funcionar com smartphones: HTC Vive, HDK 2, Google Carcboard, Google DaydreamSamsung Gear Vr, Playstation Vr, Sony Project Morpheus, Lenovo Explorer e outros.

Mesmo que mais jogos estejam sendo lançados para VR,
a maioria deles não passa de uma hora de gameplay

Vestir o óculos e segurar os controles de movimento ainda não é muito confortável, games em VR são muito mais imersivos e capazes de entregar experiências mais completas. Uma das poucas grandes produções foi feita pela Warner Bros Games com Batman Arkham VR. A primeira cena do jogo narra a morte dos pais de Bruce Wayne e em todos esses anos nunca tinha assistido uma cena tão bem construída e imersiva em VR.

E então você se pergunta, como jogar em VR? Bom, existem algumas maneiras de jogar em VR, em todas elas você precisará de um óculos com lentes especiais que transmita a imagem de maneira adequada aos seus olhos. Uma das maneiras de se divertir jogando em VR é utilizando um smartphone. É possível encontrar óculos para essa finalidade com valores baixos, de até 50 reais, como é o caso do VR Box e do Google Cardboard. Eles permitem que você jogue como neste artigo e vídeo que fizemos: Jogando em realidade virtual no PC com baixo custo. Desta mesma maneira também é possível assistir a vídeos do YouTube em 360º. 

Uma outra maneira de jogar em VR é utilizando o Playstation VR, feito exclusivamente para o Playstation 4. Essa alternativa da Sony ainda traz um preço bastante salgado (foi lançada por R$ 3 mil recentemente no Brasil, e isso nem inclui o console) e se restringe aos títulos feitos para PS4, porém, está bem consolidada e a tecnologia funciona muito bem. Outro modo é escolher óculos feitos para serem utilizados no computador, como o HTC Vive e o Oculus Rift, ambos não disponíveis no Brasil.

Jogos que não são feitos para jogar em VR até podem ser jogados com o aparelho, mas precisam de softwares para fazer ajustes e mesmo depois de muita configuração não fica 100%. 

Como ainda não é muito conhecida e nem tão acessível pelo seu preço, é bem comum que pessoas façam amostras desta tecnologia em shoppings centers e eventos abertos cobrando pela sua utilização.

O desenvolvimento do VR possibilita o aprendizado de diferentes maneiras. Hoje há uma imersão muito maior e intuitiva no aprendizado, se antes precisávamos ir até a biblioteca para ler sobre um país em uma enciclopédia enorme, hoje você pode visitá-lo sem sair de casa. O Google Earth VR é um exemplo perfeito. Não é impossível imaginar que, num futuro não tão distante, estes aparelhos possam ser utilizados em escolas para aumentar o engajamento de alunos e simplificar o aprendizado. Enquanto isso não acontece vamos aguardando a evolução de ambas tecnologias e lendo no quadro de giz. 

O futuro da VR

À medida que novas descobertas são feitas no meio tecnológico, novos modelos vão surgindo e a VR  vai se misturando com a AR. Os ambientes serão cada vez mais imersivos e o uso dessas tecnologias serão muito mais intuitivos e presentes em nosso cotidiano. A tendência é de que nossos smartphones sejam cada vez mais completos e cheios de recursos, tornando mais fácil a utilização destas tecnologias. Enquanto na VR esta popularização pode ser um pouco mais complicada, já que você precisa de um tutorial ou um suporte para o celular, na aumentada basta você baixar um aplicativo e rodar em seu aparelho.

Um tipo de ação que mistura tecnologias e deve ser cada vez mais comum daqui pra frente foi a que a A Audi teve. A empresa criou uma espécie de test drive extremamente diferenciado. O motorista é convidado a criar a pista em que fará o teste em uma caixa de areia, em seguida as variações de relevo da areia na caixa são mapeadas em 3D e geradas em um óculos de realidade virtual. Para o teste basta colocar o óculos de realidade virtual e sentar na réplica de carro com volante, câmbio e pedais.

Para quem quer brincar com a realidade virtual, é interessante adquirir um Google Cardboard e ver um pouco do que ela atualmente é capaz. Caso crie um interesse maior, aí é desembolsar uma boa grana para conseguir ter experiências mais imersivas. 

Via: Filmora, Cio, Vitual Reality Societ, Kotaku, Rolling Stone Fonte: Virtual Reality Society, Microsoft, MagicLeap, Hyper-Reality
Headset de VR standalone HTC Vive Focus Plus é anunciado com controles de movimento

Headset de VR standalone HTC Vive Focus Plus é anunciado com controles de movimento

Nova versão do Vive Focus traz como principal novidade um segundo joystick com acelerômetro


Google supostamente permite que alguns usuários testem um novo recurso AR no Google Maps

Google supostamente permite que alguns usuários testem um novo recurso AR no Google Maps

A ferramenta ainda não está totalmente pronta e o Google só a lançará quando estiver satisfeito


Samsung anuncia HMD Odyssey+ no Brasil com preço sugerido de R$3.499

Samsung anuncia HMD Odyssey+ no Brasil com preço sugerido de R$3.499

dispositivo traz novas tecnologias e aplicativos compatíveis com a Windows Mixed Reality


Co-criador do HoloLens, Avi Bar-Zeev deixa a Apple

Co-criador do HoloLens, Avi Bar-Zeev deixa a Apple

O especialista em realidade aumentada é conhecido por ter passado por grandes empresas


Nova versão de testes do Windows 10 permite usar aplicativos em 3D na realidade virtual

Nova versão de testes do Windows 10 permite usar aplicativos em 3D na realidade virtual

Plataforma Windows Mixed Reality agora aceita qualquer programa desktop em ambiente virtual