Meta e o Metaverso: os planos de Zuckerberg para o futuro das redes sociais

Meta e o Metaverso: os planos de Zuckerberg para o futuro das redes sociais

Combinar realidade aumentada e virtual para conectar pessoas surge como principal desafio

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, anunciou hoje em live o novo nome que representa o futuro de suas empresas. A partir de agora, Facebook, Instagram, WhatsApp, Oculus e demais aquisições do grupo serão comandadas pela Meta.

O nome pequeno e direto vem do grego, significa "além". A explicação do novo nome tem relação com o surgimento da rede social mais utilizada no mundo. O Facebook surgiu em um quarto de um dormitório de faculdade e logo foi utilizado por todo o mundo. Hoje, com investimentos em tantas áreas diversas da tecnologia, um novo nome foi buscado para melhor representar os próximos anos de desenvolvimento.

Com a Meta nasce o Metaverso, algo que é muito mais uma ideia do que algo concreto. O plano é fazer com que este seja o próximo passo das redes sociais, uma nova forma de aproximar pessoas via internet.

O básico que precisamos saber sobre o Metaverso é que ele combina conceitos já existentes com o apoio da maior empresa de redes sociais da atualidade. A ideia é que isso resulte em diversos espaços virtuais 3D onde é possível interagir de conversando, comprando ou apenas visitando.

O Metaverso aposta em Realidade Aumentada e Virtual como o futuro das redes sociais

 

Um dos exemplos utilizados foi o da criação de uma loja virtual. Imagine que pessoas do mundo todo podem acessar uma loja sua na internet, comprar produtos reais ou virtuais (NFTs).

E sobre os conceitos que já conhecemos, a Meta utilizará basicamente de realidade aumentada virtual. Sem se estender muito, a aumentada acrescenta elementos digitais ao nosso mundo real e a virtual nos leva para um espaço simulado. A junção desses conceitos resulta no Mixed Reality, outro conceito que será amplamente utilizado nesta nova etapa.

Continua após a publicidade

Quando o Metaverso chega?

Ficou claro durante a apresentação de hoje que a implementação não dependerá apenas dos investimentos da Meta, mas também das próprias pessoas. Quando falamos de redes sociais fica fácil entender por que isso acontece, afinal de contas elas só existem porque as pessoas resolvem adotá-las.

Zuckerberg também disse que levará muitos anos para que tudo que está sendo planejado seja alcançado e ressaltou que no começo será tudo muito mais semelhante ao que já temos em videogames.

O Metaverso vai demorar para chegar como planejado e depende de adesão em massa para funcionar

 

A promessa é de que novos sensores e tecnologias serão desenvolvidas e entregues para garantir maior precisão dos sensores e causar mais naturalidade no casamento entre o mundo real e virtual.

E estamos vendo isto acontecer muito aos poucos. Há 7 anos o Facebook comprava a Oculus VR, já acreditando no Metaverso, ainda que sem este nome e sem tantas definições para as usabilidades.

Também não é de se espantar a entrega de Mark Zuckerberg neste tipo de tecnologia. Ele deixou no ano passado, em entrevista a Marques Brownlee, que a humanidade vai buscar isto naturalmente e que este é o próximo passo das redes sociais.

Mais recentemente, vimos a chegada do Ray-Ban original do Facebook, lançado por US$299 e já disponível para captura de vídeos, fotos e compartilhamento de stories no Instagram.

28/10/2021 às 15:30
Notícia

Facebook está adicionando recursos de realidade mista ao Ocul...

Empresa está trazendo um novo conjunto de ferramentas para ajudar os desenvolvedores

Continua após a publicidade

No entanto, para chegar lá será necessário criar novas tecnologias, incluindo soluções envolvendo telas, áudio, tracking das mãos e olhos, além do aperfeiçoamento de sensores e de inteligência artificial. Ainda que sejam vários os desafios e que a própria empresa concorde estar anos longe do que pretende, ela compartilhou algumas aplicações desenvolvidas e que podem demonstrar algo promissor.

Para que as pessoas possam se comunicar de maneira realista no Metaverso está sendo criado um sistema de Avatar que permite a criação a partir de sua imagem real. Além disso, também os objetos deverão parecer realistas com o tempo, o que pode incluir simulação de tecidos e roupas.

Neste ponto fica evidente o modelo de negócio por trás desta nova rede social, a venda de skins e itens personalizados devem ser o centro da monetização. Isso tudo, é claro, somado ao sistema de anúncios experenciado durante todos estes anos com o Facebook Ads.

Se esta se tornar um nova forma de pessoas se relacionarem, provável que novos empregos sejam criados envolvendo a tecnologia. E como isso depende muito da comunidade de desenvolvedores, estão sendo liberados hoje alguns kits de desenvolvimento, incluindo SDKs de interação, comandos de voz, e que facilitam aplicações de mixed reality.


Questões básicas de privacidade

Não será uma grande surpresa se Mark Zuckerberg for intimado a explicar melhor o que fará com os dados das pessoas caso o Metaverso seja implementado com sucesso.

Mas por hora, ele se limita a dizer que o importante é que tudo envolvendo privacidade está sendo pensado desde o início.

Você se sentiria seguro compartilhando o que está vendo com a dona do Facebook?

 

E não é difícil ficar preocupado com a privacidade dando olhos à empresa dona do Facebook. Um outro exemplo compartilhado mostrava como uma pessoa em sua casa poderia receber sugestões da inteligência artificial em tempo real. Neste caso, ao identificar que o sofá e a televisão são pontos de interesse do usuário, o sistema pode ligar a televisão, por exemplo.

Falou inclusive que o primeiro princípio do projeto é nunca surpreender as pessoas, então promete que o projeto deixará claro a todo momento como lidar com informações que não pertencem ele.

Garantiu que este será um espaço mais inclusivo e que abrace todas as comunidades, mas parou por aí.

Se olharmos o conceito base do que foi anunciado hoje vamos enxergar algo que tem um grande potencial de segregar pessoas. Isso porque a realidade aumentada em sua natureza não é inclusiva e não é fácil entender por quê.

Imagine entrar em um estabelecimento que tem anotações apenas virtuais, neste acaso só pessoas com um óculos específico ou com uma conta online no serviço poderão interagir.

 

 

User img

Neri Neto

O universo geek faz parte do dia a dia, da vida, deste jornalista. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Neri Neto é responsável por conteúdos diversos no Mundo Conectado. Ele adora tecnologia, cinema, games e descobriu ainda na infância que a linguagem dos vídeos seria perfeita para falar de tudo que ama.

Drone DJI Mavic 3 tem qualidade de CINEMA? BELAS IMAGENS em FLORIPA! [4K CINEMATIC]

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.