Windows 11: TPM 2.0 é mesmo necessário? Por que a Microsoft está exigindo?

Windows 11: TPM 2.0 é mesmo necessário? Por que a Microsoft está exigindo?

Fizemos alguns testes e explicamos quais são as condições necessárias para a instalação do sistema operacional atualmente

O Windows 11 foi apresentado pela Microsoft recentemente, o novo sistema operacional ainda não tem data de lançamento divulgada, mas já levantou inúmeras dúvidas em usuários que pretendem fazer a instalação.

Uma das maiores questões tem relação com o TPM 2.0, que apareceu como requisito mínimo para o Windows 11.

Neste artigo, explico o que você precisa saber sobre este assunto e se o seu computador suporta de fato o novo sistema operacional.


TPM 2.0: o que você precisa saber

Trusted Platform Module é um módulo de segurança que protege o acesso a dados sensíveis do seu sistema.

Este é um componente presente em placas-mães e que pode vir soldado ou ser adicionado separadamente.

No caso do Windows 11, o sistema operacional pede que seu computador suporte o TPM 2.0, presente em placas mais atuais do mercado.

Ainda assim, pode ser que você precise ativar uma opção na BIOS do seu PC mesmo que tenha um hardware moderno.

Continua após a publicidade

Isso porque ela não vem ativada por padrão.

A BIOS é responsável pela inicialização do sistema, verificação de hardwares e outras configurações essenciais do computador

Segundo a lista de compatibilidade da Microsoft, processadores a partir da segunda geração Ryzen AMD e oitava geração Intel suportam o Windows 11. 

Você pode encontrar a lista completa de processadores compatíveis logo abaixo.

Lista de processadores AMD suportados
Lista de processadores Intel suportados

Caso tenha um processador listado no endereço acima, basta ativar o módulo de segurança reiniciando o computador e acessando a interface da BIOS.

Se você não sabe utilizar a BIOS, recomendamos esperar por novidades do Windows 11, que ainda não foi lançado oficialmente.

O testador de compatibilidade disponibilizado pode receber alguma alteração ou podemos receber uma nova programação da própria fabricante. Depois de lançado, verificaremos se as exigências continuam iguais e como lidar com elas.

Mas, se você já sabe como acessar a interface e está familiarizado com ela, procure pela opção de TPM em alguma das abas de configuração.

Em nossos testes, vimos que a opção TPM também pode aparecer como:

Continua após a publicidade
  • fTPM
  • PTT

Se a sua BIOS tem a ferramenta de busca, procure pelos termos acima.

Basta ativá-las para que seja possível a instalação em processadores dentro da lista de compatibilidade.

As imagens acima mostram o antes e depois de ativar a opção relacionada ao TPM 2.0 dentro da BIOS


Windows 11 sem TPM 2.0

Aqui na redação, conseguimos rodar o Windows 11 com processadores que não estão na lista da Microsoft, incluindo um processador AMD e um Intel.

Mas não instalamos o sistema operacional com estes processadores em nosso computador. Utilizamos um computador com processador compatível e depois usamos o mesmo HD para iniciar o Windows 11 no PC não compatível (na teoria).

Ou seja, tudo indica que o software checa a compatibilidade somente antes da atualização. 

Mas o TPM é um módulo responsável pelo armazenamento e acesso seguro de dados, pode ser que a utilização em um sistema não indicado resulte em problemas futuros.

Instabilidades e outras inconsistências podem surgir, mas não temos como prevê-las.


Por que a Microsoft exige o TPM 2.0?

Um dos principais motivos para a presença de um módulo de segurança é a crescente nos ataques de firmware

Em entrevista ao The Verge, o diretor de segurança de sistema operacional da Microsoft contou que 83% das empresas atendidas pela empresa já tiveram problemas com este tipo de ataque.

Mais de 1.3 bilhão de dispositivos ao redor do mundo utilizam o Windows 10 e este número deve ser transferido ao Windows 11 com o passar dos anos.

Este tipo de implementação é uma resposta a isto e uma forma de a Microsoft diminuir problemas do tipo.

Até o momento, pode ser que as pessoas tenham que comprar novos hardwares e tenham que seguir os requisitos impostos.

Ainda assim, pode ser mudanças sejam feitas a este requisito.

Segundo Gilberto Takatsu, o que pode acontecer é a indústria ter que se adaptar a essa exigência. As placas-mães atualmente vem com o TPM 2.0 e a opção de segurança via firmware desativado.

Com o tempo, pode ser que as empresas que acabem se adaptando a isso e configurando suas placas para virem com esta configuração ativada.

Mas isso também não quer dizer que componentes mais antigos vão ganhar suporte.


Requisitos mínimos do Windows 11

Confira abaixo outras especificações exigidas.

Processor: 1 Gigahertz (GHz) ou superior com 2 ou mais núcleos. (64 bit)
Memória RAM: 4 GB
Armazenamento: 64 GB
Firmware do sistema: UEFI, Secure Boot capable
TPM: Trusted Platform Module (TPM) version 2.0
Chip Gráfico: Compatível com DirectX 12
Tela: Compatível com tela 720p e 8 bits por canal de cor

Conexão com a internet:
A edição do Windows 11 Home requer conectividade com a Internet e uma conta da Microsoft para concluir a configuração do dispositivo em seu primeiro uso.

Fonte: The Verge, Microsoft
User img

Neri Neto

O universo geek faz parte do dia a dia, da vida, deste jornalista. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Neri Neto é responsável por conteúdos diversos no Mundo Conectado. Ele adora tecnologia, cinema, games e descobriu ainda na infância que a linguagem dos vídeos seria perfeita para falar de tudo que ama.

Huawei Band 6: unboxing e breve comparativo com a Honor Band 6

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.