Novo golpe duplica WhatsApp e pede dinheiro para contatos
Créditos: Reprodução/TecMundo

Novo golpe duplica WhatsApp e pede dinheiro para contatos

A conta do usuário é copiada, mas com um número diferente

Um novo golpe foi identificado pela Polícia Civil em vários estados brasileiros. O WhatsApp de alguns usuários está sendo duplicado, mas não clonado. O mesmo nome e foto é usada, mas o contato é trocado. Os golpistas procuram contatos de pessoas próximas e inventam alguma história para justificar a troca de número e pedem depósitos em dinheiro. 

Além do já conhecido golpe de clonar o WhatsApp, uma nova ação está sendo aplicada por golpistas no Brasil. Agora, o usuário não tem nenhuma interferência em sua conta e, por vezes, nem sabe o que está acontecendo. Isso porque não há nenhum aviso de que alguém está se passando por você. Apenas alguns contatos recebem uma mensagem, sempre contando alguma história diferente para justificar o número diferente. Vamos detalhar como isso acontece e como se proteger.

O novo golpe copia todas as informações da conta do WhatsApp, mas usa um número diferente de contato

O WhatsApp é um dos métodos preferidos dos brasileiros de trocar informação atualmente. É difícil encontrar uma pessoa que não tenha acesso a uma conta no mensageiro. Por esse motivo, o aplicativo é amplamente usado para passar golpes. O mais comum era contatar o próprio usuário e conseguir o código de segurança, tirando o acesso do smartphone da vítima e ficando com os contatos. Assim o usuário sabia que estava sendo invadido e podia avisar seus contatos. Agora, com a nova ação isso não acontece e deixa muitas pessoas vulneráveis. 

Novo golpe

A operação é mais simples que a maioria dos golpes. A pessoa má intencionada comete o crime de estelionato, que é quando se passa por uma pessoa diferente da que é. Primeiro a conta da pessoa é identificada e duplicada. Tudo é copiado, menos o número.

Toda a conta do usuário é duplicada, menos o número de contato

 

Um outro número cria a conta no WhatsApp. O mesmo nome é usado e também a foto de perfil. Com esse esquema feito, a conta começa a chamar contatos próximos à vítima solicitando depósitos. Geralmente informações reais são dadas para validar ainda mais o golpe.

Continua após a publicidade

Esses dados não são apenas RG e CPF, por exemplo, que seriam estranhos de ser mencionados em uma conversa. Algumas das mais comuns são: nome dos pais, nome do meio de si ou do parente contatado, entre vários outras informações que consolidam a história. 

A partir disso, um grande questionamento se forma: como o golpista tem acesso à essas informações e, principalmente, como obtém os contatos da vítima. Vamos falar disso a seguir.

Acesso à informações

08/02/2021 às 13:56
Artigo

Vazamento de CPFs deixa usuários mais vulneráveis a golpes - ...

Dados de milhões de brasileiros foram expostos, deixando as pessoas vulneráveis

Há alguns modos de conseguir os dados. Recentemente informações de milhões de brasileiros foram vazadas. O número de pessoas atingidas pelo vazamento é maior que o de habitantes do país atualmente. Isso acontece porque mesmo pessoas que já faleceram tiveram seus dados divulgados.

Esse é o principal modo de conseguir as informações. Os golpistas compram banco de dados vazados na darkweb e começam a fazer testes. São disparadas várias mensagens, para muitos contatos e alguns são bem sucedidos. 

Como o golpista acha o número

Algo importante a destacar que, além de compra de banco de dados, o próprio usuário acaba repassando algumas informações voluntariamente. Muitas ações de Phishing -  que é quando o golpista joga uma isca em algum portal, veja mais neste artigo -, são usadas. As vezes em comentários de notícias as pessoas passam seu contato.

Evite compartilhar seu número de telefone em redes sociais, portais de notícias e outros meios online

Continua após a publicidade

Hoje também é possível cadastrar o número de telefone como chave PIX. Em diversas correntes em redes sociais o código é compartilhado, para receber quantias pequenas. Nessas brincadeiras o seu contato acaba ficando exposto, vulnerável para receber mensagens indesejadas e poder cair em algum golpe.

Vítimas do golpe

Os golpes possuem similaridades. Geralmente uma história plausível é enviada. Chamam pelo apelido, nome ou grau de parentesco. Alguns exemplos são "amigo", "tio", ou "primo". Sempre há uma justificativa para o envio do dinheiro e uma promessa de retorno em pouco tempo.

O seu Antônio* recebeu uma mensagem de seu sobrinho, pelo WhatsApp. Como havia trocado de smartphone, o contato não estava salvo. Na mensagem estava escrito que o celular de seu parente tinha sido perdido e que ele estava precisando de ajuda financeira. Várias informações foram passadas, dando a ideia de que era realmente real. No entanto, era um golpe. Uma conta foi repassada, solicitando uma quantia em dinheiro. Apesar de ser outro nome nos dados bancários, o depósito foi feito da mesma maneira.

*Nome alterado para proteger a identidade da fonte

Essa situação está se repetindo com muitas pessoas. Os alvos geralmente são assim, familiares um pouco mais distantes, ou que tenham mais chances de cair na desculpa. As informações são reais e batem, inclusive a foto usada pelo perfil no WhatsApp. O que pode denunciar seria o número, mas sempre há uma justificativa pela troca. 

As histórias parecem plausíveis e possíveis. Essa situação sempre vai acabar em um pedido de depósito para alguma conta. Depois disso feito, o contato é bloqueado e não tem mais nenhuma troca de informação.

O golpista solicita depósitos em contas bancárias

 

Além de seu Antônio*, outros vários usuários já caíram em golpes semelhantes. Segundo dados da operação da Polícia Civil, a fraude já conseguiu arrecadar uma quantia superior a R$ 500 mil. Os relatos são sempre os mesmos: uma mensagem dizendo que perdeu ou estragou o celular e que precisa de uma quantia emprestada.

Como se proteger

Primeiramente, quando alguém conhecido não aparece como salvo: desconfie. Quando o usuário troca de número, o WhatsApp já usa um recurso informando que é o mesmo contato, mas que fez a troca. Isso é bastante comum e já é amplamente utilizado pelo mensageiro. 

Segundo: preste atenção no modo que está digitando, ou solicite áudios. É comum que erros ortográficos sejam cometidos em conversas informais, mas se estiverem muito repetidos, é um sinal para se prestar a atenção. Também invente uma desculpa para fazer uma chamada de vídeo, ou mesmo de voz. 

14/02/2021 às 10:00
Artigo

Veja como ativar verificação em duas etapas no Whatsapp e se ...

Essa função faz com que o mensageiro fique mais seguro contra ataques

Uma outra dica é ver o DDD do contato. É comum que os números não fiquem salvos, principalmente de contatos que há pouca conversa. Ainda assim, o número será de alguma localidade. Faça uma breve pesquisa para saber qual é o DDD da cidade que ela mora, caso seja diferente da sua. Se o contato tiver uma localidade diferente da que é real, desconfie. 

O WhatsApp também recomenda que a verificação em duas etapas esteja ativa, indiferente de como são os golpes. Outra forma útil é evitar em deixar o número do seu celular ativo, tanto em sites, como em redes sociais. 

Para evitar golpes o mais importante é sempre verificar as informações, se possível mais de uma vez. Faça chamadas de voz, vídeo, ou solicite fotos ou áudio. Uma vez identificado o golpe, denuncie a conta e bloqueie o contato, para evitar que mais pessoas também sejam atingidas. 

Faça chamadas de voz, vídeo, ou solicite fotos ou áudio. Uma vez identificado o golpe, denuncie a conta e bloqueie o contato

 

Dicas de especialista

Já falamos sobre alguns meios de identificar golpes e se proteger deles. Além dos já mencionados, Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, fala sobre alguns outros métodos que podem ser adotados como padrão pelos usuários. 

O que fazer para se proteger desses golpes?
Altere as configurações de privacidade para que sua foto seja mostrada apenas para seus contatos.
Não use a mesma imagem em todas as suas contas. Caso os criminosos peguem uma foto diferente, seus contatos mais próximos podem desconfiar;
Desconfie de mensagens solicitando depósitos em dinheiro, principalmente quando elas parecem suspeitas e têm um senso de urgência questionável;
Jamais compartilhe dados pessoais por meio de ligações ou mensagens e nem insira em sites que não confia.

Para complementar, Assolini complementa suas dicas para os usuários do WhatsApp. "Caso você receba alguma mensagem suspeita pedindo depósitos em dinheiro, desconfie mesmo que seja de uma pessoa próxima. Entre em contato com a pessoa que está pedindo dinheiro por telefone (ligação). Além de confirmar a autenticidade da mensagem, você ainda alerta a pessoa sobre o golpe"

O que fazer quando identifica o golpe

Depois que as ações de proteção foram seguidas e a vítima identificou o gole, é possível denunciar como Spam. A própria plataforma oferece essa opção é bastante simples de ser feito. Depois dos disparos intensivos de fake news o WhatsApp protege os usuários de contatos que não tenham o número registrado no smartphone. 

Use a ferramenta de denúncia do WhatsApp para evitar que esse número tenha acesso a mais contatos

Uma vez identificado o contato como spam, o mensageiro não vai entregar as mensagens para outros contatos. Você também não irá mais receber nenhum tipo de interação da pessoa. Isso ajuda a proteger não apenas a si, como também outras pessoas que possam cair no golpe. 

Para denunciar como Spam basta ir em:
"configurações de contato",
depois clique em "Denunciar contato".
Será aberta duas opções "Denunciar e bloquear" ou apenas "Denunciar".
O próprio usuário decide qual ação ele deseja. Caso não queira mais ser incomodado, o melhor é também bloquear o contato, o que vai evitar que mensagens desconfortáveis sejam enviadas. 

Outra medida importante, também recomendada pelo WhatsApp, é denunciar formalmente via e-mail para a plataforma. Basta enviar o máximo de informações possíveis para [email protected] Vale enviar prints, fotos, número, contato, fotos, nome do usuário e qualquer outra comprovação que identifique o golpe. 

Sempre desconfie de contatos que solicitam depósitos, dados de cartão, ou qualquer outra ação que pode resultar em dano financeiro. Caso tenha sofrido algum golpe semelhante, ou sabe de algum caso, deixe nos comentários para evitar que outras pessoas tenham o mesmo problema!

User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

Celular GAMER barato? Testamos o Black Shark 4, o custo-benefício da Xiaomi

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.