DRONES - Nova legislação dos EUA pode tornar ilegal TODOS os drones atuais

DRONES - Nova legislação dos EUA pode tornar ilegal TODOS os drones atuais

O Remote ID pretende rastrear todos os drones em tempo real

Recentemente a FAA (Administração Federal de Aviação dos EUA) começou a divulgar uma nova proposta para rastrear todos os drones que estiverem em solo norte-americano. O Remote ID seria uma identificação remota, que coletaria todos os dados de voo. O principal motivo para a imposição dessa nova norma é o controle dessas aeronaves. Isso seria como um registro, que identificaria os principais dados dos donos do equipamento, podendo responsabilizá-lo por possíveis negligências. 

FAA Remote ID
Site oficial FAA

Os drones estão cada vez mais populares, com adeptos que o utilizam de diferentes maneiras. Há os que fazem imagens como hobby, também os que o utilizam para trabalho, fazendo registro de momentos especiais ou mesmo para fins de agricultura. Se espera que no futuro os usos se ampliem para diversos tipos de segmentos, como em entregas - algo que já vem acontecendo como testes em alguns países, transportando até órgãos -, e até táxi aéreo. Além disso, também existem muitas pessoas que os utilizam para corridas.

Proposta da FAA e o que é Remote ID

Segundo a própria FAA (similar a ANAC no Brasil), a "Identificação remota é a capacidade de um drone fornecer informações de identificação que podem ser recebidas por outras partes, durante o voo." Essas partes seriam principalmente os órgãos regulamentadores, no caso dos EUA, o FAA.

A proposta é que com o controle, seria mais fácil regulamentar as chamadas Aeronaves Não Tripuladas (UAS), leia-se drones, aviões para. A proposta diz que o principal prioridade é a segurança e proteção.

"O ID remoto ajudaria a FAA, as autoridades policiais e as agências federais de segurança quando um UAS parece estar voando de maneira insegura ou quando o drone não pode voar.
O desenvolvimento do Remote ID baseia-se na estrutura estabelecida pela pequena regra de registro do UAS e na capacidade do LAANC de estabelecer as bases de um UTM ( Sistema de Gerenciamento de Tráfego de Sistemas de Aeronaves Não Tripuladas ), escalável para o espaço aéreo nacional."
- Explicação da proposta da FAA.

O registro iria conseguir identificar qual drone está voando, qual o seu modelo, para onde está indo (dependendo a situação), qual a sua localidade, suas coordenadas do GPS, quem o está operando, por quanto tempo. Tudo isso no momento em que está acontecendo. Essa grande base de dados ficaria no controle da FAA e também para uso do governo em geral.

Como outros pontos bem delicados, todos os segmento terá que se adaptar em 2 anos, isso quer dizer que nenhum drone poderá será lançado depois desse período sem considerar essa nova lei, e novamente, quando falamos em drones não está relacionado apenas aos modelos acima de 250 gramas, mas TODOS, pequeno, leve, de brinquedo etc, TUDO. E tem mais, 3 anos após a lei ser implementada, NENHUM drone poderá voar fora do padrão, caso contrario estará ilegal.

Ainda como outro problema, todo drone precisará pagar uma taxa anual de $30 dólares para o órgão que vai gerenciar o sistema Remoto ID nos EUA, sem contar os custos da operadora pelo chip+plano de internet que será necessário.

Tem um vídeo bem legal do Rafael do canal Dronemodelismo que resume muito dos principais problemas, confere abaixo:

Outras propostas para o rastreamento de drones

A DJI, principal empresa no ramo de drones, detendo 74% do mercado mundial de acordo com um relatório de 2018, se pronunciou sobre a proposta da FAA. A companhia se diz a favor da iniciativa, mas acha que é necessário algumas alterações antes de ela ser implementada. Principalmente no modo como o Remote ID funciona. Esse sistema de localização é pago, o que significa que os usuários precisariam arcar com uma assinatura para utilizá-lo.

"Todo mundo entende porque os carros precisam de placas: os motoristas precisam ser responsabilizados. Mas e se, ao invés de apenas uma placa, o seu carro também fosse legalmente obrigado a ficar conectado com a internet para um serviço privado de rastreamento que cobrasse uma taxa anual equivalente a cerca de 20% do valor do seu carro. E, ainda por cima, armazenasse seis meses dos seus dados de direção para análise do governo? Você acharia que o governo foi longe demais?" - Comunicado oficial da DJI

Como a empresa falou, essa mensalidade poderia ser mais cara que o próprio drone ao longo do tempo. Apesar disso, ela reconhece a importância de haver algum sistema de rastreamento, assim como as placas de carros. A DJI investe em um sistema de Remote ID desde 2017, mas o serviço é oferecido gratuitamente para os seus clientes, além de ser um padrão aberto e não precisar de acesso à internet.

"O Remote ID não precisa ser caro ou complexo. Pelos últimos dois anos, a DJI tem demonstrado um método de Remote ID que, como previsto pela ARC (Aviation Rulemaking Committee), é efetivo, gratuito, automático e não requer um provedor de serviços intermediários: tecnologias de transmissão. Se você tem um dos nossos drones, mas não percebeu esse recurso de transmissão do Remote ID – porque ele não custou dinheiro ou causou problemas – bem, esse é o ponto". - Comunicado oficial da DJI

Essa é uma solução que a DJI está apresentando para o comitê. A empresa já está pressionando desde o ano passado (2019) para que os órgãos regulamentadores exijam das demais empresas um sistema de rastreamento. Esse é um dos principais motivos para o seu padrão Remote ID ser aberto, para que outras empresas possam o adotar como padrão. A FAA ainda não se pronunciou sobre a possibilidade de revisão da proposta, mas possivelmente ela será estudada.

Se a proposta da FAA for aceita, todos os drones vão precisar de chips 4G para manter a conexão com a internet

 

Caso a FAA não flexibilize a sua proposta, a solução será adicionar chips 4G nos drones. Isso fará com que eles tenham acessoa a internet e consigam ser facilmente localizados. O principal problema nisso são os custos extras. Os usuários precisarão arcar com as mensalidades do aplicativo de rastreio, além de planos de internet específicos para o seu equipamento. Somente os valores de manutenção do seu drone podem superar o seu preço em pouco tempo.

Outro fator é que se a regra se aplicar a todo e qualquer modelo de drone, uma parcela do segmento será amplamente afetada. Esses dispositivos menos profissionais e mais baratos, que não possuem muito controle, podem começar a ser "clandestino". Isso pode acarretar no fim da comercialização desses tipos de dispositivos e afetar uma série de empresas que desenvolvem componentes.

Importância de um sistema de rastreamento de drones

Há diversos casos de negligências de usuários, que fazem voos em lugares indevidos. Muitos aeroportos importantes já foram fechados, além de multas terem sido aplicadas. O principal problema é quando não se consegue identificar qual usuário estava provocando os problemas, o que resulta em impunidade ou até mesmo acusação de inocentes. Se houvesse um sistema de rastreio geral, esse problema seria facilmente resolvido. Porém é bem importante destacar que se tratam de drones de porte maior, bem diferente dos modelos FPV racer que tem um alcance médio de 200 metros de distância e 50 de altura, ou seja, bem fora da realidade de dones como os modelos da DJI que alcançam 4km nos modelos WiFi e 8km nos modelos a rádio.

O serviço de rastreamento pode evitar impunidades ou acusação de inocentes

A DJI comparou os drones à carros. É possível encontrar o culpado por alguma infração de trânsito facilmente, apenas pela placa do veículo. Nesse registro há todas as informações do responsável, tornando o reconhecimento preciso. O Remote ID faria algo semelhante, mas com um controle muito maior.

Os modelos de drones mais afetados pela proposta da FAA

Como já mencionado, os drones mais baratos, que são usados para brincadeira, sem nenhum intuito mais sério, podem parar de ser comercializado. Isso porque não compensaria manter o dispositivo com todas as novas exigência. Mas há ainda uma outra categoria que está cada vez mais popular e que também está ameaçada.

Os chamados Drones FPV, são equipamentos facilmente e montados em casa. Apesar de haver modelos prontos no mercado, a maioria é montada pelo próprio dono através dos componentes que ele escolhe, em modo DIY (Do It Yourself, ou faça você mesmo). Eles são usados principalmente para corridas e voos em velocidade mais alta e de menos distância entre o drone e controle, e a maioria não tem acesso à internet. Tudo que o usuário precisa é de um controle e grande parte dos modelos de um óculos FPV (que mostra a visão da câmera do drone e ajuda a controlá-lo melhor, desviando de obstáculos), e o próprio drone. 

O segmento de drones mais afetados será o FPV racer

 

Como eles não precisam necessariamente de GPS, já que "a graça" é muitas vezes controlá-los em situações difíceis, raramente esses modelos possuem conexões extras ou funcionalidades diferentes da proposta principal. Esses serão os principais afetados se a norma da FAA for aceita da forma que está sendo proposta. Joshua Bardwell, corredor de FPV, fez um vídeo em seu canal do YouTube onde fala que "O Remote ID proposto pela FAA é o fim do hobby FPV como conhecemos".

Os corredores não possuem equipamentos que precisem de investimentos muito alto. Em uma pesquisa rápida é possível encontrar Drones FPV Racer por R$500, enquanto qualquer equipamento um pouco mais completo, como um DJI Mavic Mini por exemplo, ultrapassa os R$3.000, no cenário mais simples.

Se o modelo é feito por um órgão dos EUA, porque preciso me preocupar?

De fato, a proposta do FAA é regulamentar apenas os drones que estiverem voando em solo estadunidense. Caso a proposta fosse homologada hoje, tecnicamente o Brasil não teria nenhum impacto. Apesar disso, o modelo norte-americano é replicado para outras partes do mundo. Caso as grandes empresas do ramo, como a DJI, Autel, Skydio, entre outras, precisassem adaptar os seus dispositivos para os EUA, certamente o modelo seria replicado para todos os demais países do mundo, já que trata-se de uma lógica básica de custos e manutenção. 

O modelo de regulamentação dos EUA geralmente é replicado nos demais países

06/11/2019 às 15:17
Notícia

Anac vai rever regras para uso de drones no Brasil

A agência abriu processo de tomada de subsídios para pessoas contribuírem com a revisão

O mercado norte-americano possui força o suficiente para ditar como serão as regras ao redor do mundo. Ou seja, se isso for aceito, certamente os demais países irão replicar o modelo adotado como padrão. Apesar de não ser regra, isso já vem acontecendo com outras legislações em drones, e é provável que continue, como a própria legislação do "peso de decolagem" do drone que define se ele precisa ou não homologação em órgão de aviação.

BRASIL

A ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), que é responsável pela regulamentação de todas as aeronaves - tripuladas ou não -, no Brasil anunciou em 2019 que as regras seriam alteradas. Atualmente, está em vigência o Regulamento Brasileiro de Aviação Civil Especial nº 94 (RBAC-E nº 94). Ele compõe e dita a lista de regras para voos com drones em solo brasileiro.

Em 5 de novembro de 2019 a Agência abriu um processo para receber contribuições da sociedade para a revisão do código vigente. A participação externa é usada nas fases preliminares, e é considerada para a definição de regras posteriores. É muito provável que a as novas normas do FAA sejam usadas para as definições finais para o mercado brasileiro.

A definição das novas leis deve acontecer em março desse ano

 

Para entender quais são as regras vigentes atualmente e o que é preciso para levantar voo com um drone no Brasil, acesse este artigo com todas as informações que você precisa saber. Em breve faremos um vídeo completo sobre o assunto, acompanhe o Mundo Conectado nas redes sociais, ou se inscreva em nosso canal do YouTube para receber a notificação assim que o vídeo for para o ar.

Via: DroneDJ
User img

Ana Luiza Pedroso

Ana Luíza é técnica em informática formada pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e graduanda de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Compõe o quadro de estagiários do Adrenaline e Mundo Conectado desde 2018, publicando notícias. Aprende muito todos os dias sobre o universo de hardware, games e tecnologia.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

Drones fazem competição para entregar suprimentos a fuzileiros navais

Drones fazem competição para entregar suprimentos a fuzileiros navais

Modelos podem voar em distâncias de até 10km para entregas com carga


Vídeo mostra drone sendo atacado por crocodilo durante voo rasante

Vídeo mostra drone sendo atacado por crocodilo durante voo rasante

Pequeno drone escapa por pouco de se tornar uma refeição indigesta


PROMOÇÕES do Mavic Mini colocam o drone por R$3.600 +/- em lojas brasileiras

PROMOÇÕES do Mavic Mini colocam o drone por R$3.600 +/- em lojas brasileiras

É importante conferir se a versão é homologada pela Anatel, caso contrario terá o custo para fazer a homologação


Drone que leva pessoa e faz acrobacias é controlado remotamente - Veja vídeo

Drone que leva pessoa e faz acrobacias é controlado remotamente - Veja vídeo

Ele foi construído para promover o jogo Drone Champions League


Parrot anuncia parceria com empresa de apps para colocar IA nos drones ANAFI

Parrot anuncia parceria com empresa de apps para colocar IA nos drones ANAFI

Novidade promete trazer mais usos corporativos para os dispositivos da marca