Análise: Nokia 6.1

Análise: Nokia 6.1

Competente smartphone que fica devendo diferenciais

O Nokia 6.1 é a nova versão do smarpthone intermediário da Nokia, atualizado em 2018 com novo design e componentes mais modernos e potentes.

A empresa finlandesa tem histórico importante na indústria dos celulares, e perdeu o rumo na transição para a era dos smartphones. Agora a marca é licenciada pela HMD Global e vem equipado com o sistema Android. Será que o sistema da Google, tão pedido no passado por fãs da marca, era o que faltava para smartphones Nokia decolarem? Vamos ver no restante da análise.

Preços

Preço no lançamentoU$ 269,00 10/05/2018R$ 1.699,00 23/10/2017R$ 2.099,00 03/02/2017
Preço atualizadoU$ 269,00 10/05/2018R$ 1.699,00 23/10/2017R$ 1.230,00 12/03/2018

Ficha Técnica

FabricanteHMD Global Motorola Samsung
Site oficialLinkLinkLink

Display

Tamanho5,7 polegadas5.2 polegadas5.2 polegadas
Resolução1080x1920, 403 ppi 1920x1080 1080 x 1920 pixels, 424 ppi
TecnologiaIPS LCD IPS Super AMOLED
ProteçãoCorning Gorilla Glass 3 Corning Gorilla Glass Corning Gorilla Glass

Câmera

Traseira16MP 12MP e 8MP wide angle 16MP
Vídeos2160p@30fps, 1080p@30fps 1080@60FPS/4K@30FPS 1080p 30 fps
Frontal8MP 16MP 16MP
DetalhesF/2.0, phase detection autofoco, lente Carl Zeiss, flash duplo de LED

Especificações

Sistema OperacionalAndroid 8.0 (One) Android 7 (Nougat) Android 6.0
ProcessadorQualcomm Snapdragon 630 Snapdragon 630 Samsung Exynos 7880
Número de núcleos8 8 8
ClockOcta-core 2.2 GHz Cortex-A53 2.2 GHz 1.9 GHz
GPUAdreno 508 Adreno 508 Mali-T830MP3
Memória RAM3, 4 GB3 GB3 GB
Armazenamento interno32, 64 GB32 GB32 GB
Cartão microSDaté 256GB até 256GB até 256GB
Bateria3000 mAh3000 mAh3000 mAh
Dimensões148.8 x 75.8 x 8.2 mm148,35 x 73,4 x 7,99 mm146.1 x 71.4 x 7.9 mm
Peso172 g163 g157 g
Portas de conexãoUSB Tipo-C USB Tipo-C USB Tipo-C
REDELTE LTE LTE
Tipo de cartão SIMDual Nano SIM Nano SIM Nano SIM

Recursos

Leitor de DigitalSIM SIM SIM
ResistênciaNÃO NÃO IP68
RadioSIM SIM SIM
Bluetooth5.0 4.2 4.2
Carregamento sem fioNÃO NÃO NÃO
NFCNÃO SIM SIM
GPSNÃO SIM SIM
ExtrasGorilla Glass na frente e atrás Display always-on, Samsung Pay

Análise em vídeo

Design

O Nokia 6.1 tem um belo visual. Construído em uma única peça de alumínio, ele dá a sensação de ser muito resistente, e as bordas em linhas retas conferem a esse aparelho uma sensação de muita robustez. Em contrapartida ele é um tanto espesso e pesado, então tem potencial de desagradar consumidores que preferem aparelhos mais enxutos.

O visual limpo é pontuado só por linhas na cor cobre nas laterais do aparelho, em torno do sensor de digitais e da câmera na parte traseira. Esses acabamentos cromados não estão entre meus favoritos já que muitas vezes esse tipo de pintua descasca, e só o tempo dirá se o Nokia 6.1 não vai ficar "todo picado" nos cantos. 

Tirando inscrições como "Nokia" e "Android One", um dos poucos elementos que se destacam no design é uma leve protuberância da câmera, quase imperceptível e que não faz ele ficar "bambo" quando é colocado na mesa. Esse é um aparelho que vai agradar bastante quem busca um celular com visual discreto. 

Continua depois da publicidade

O Nokia 6.1 tem um design bastante robusto em uma peça única de metal

Diferente do Nokia 6 do ano passado, ele não conta mais com botões dedicados na base, o que acho uma pena. Esse aparelho tem uma borda considerável abaixo da tela e os botões ocupavam aquele espaço que, no modelo 2018, ficou agora sem uso nenhum.

A tela tem resolução FullHD e usa a tecnologia IPS, e mesmo não chegando a uma saturação de cor no patamar de telas AMOLED, já possui cores e contrastes com boa qualidade.

As conexões ficam por conta de uma porta USB Tipo-C na parte de baixo e de um conector P3 para fones de ouvido na parte de cima. As caixas de som ficam na parte inferior na esquerda, e tem aquele defeito clássico desse posicionamento: depende de como você apoiar ou segurar esse aparelho, especialmente no modo horizontal, é fácil abafar bastante do áudio.

Considerando rivais nessa faixa de preço, algo que ficou faltando é a resistência à água, algo presente em rivais de preço semelhante como o Moto X4 e Galaxy A5 (2017).

Performance

O Nokia 6.1 vem equipado com o SoC da Qualcomm intermediário Snapdragon 630, um dos meus modelos favoritos da empresa por trazer um excelente balanço entre performance e autonomia. Apesar de não fazer frente aos potentes chips da linha 800, os modelos da série 600 são aqueles que ocupam o topo de nossos comparativos no quesito duração de bateria, e mantém uma performance bem mais consistente que modelos com a linha 400.

O desempenho é consistente e tem boa quantidade de memória

Continua depois da publicidade

Combinado com esse SoC temos 4GB de memória RAM e 64GB de armazenamento, quantidades bastante generosas de memória que vão lidar muito bem com seus apps, seja alternando de forma ágil entre eles, seja possibilitando instalar muita coisa antes de ficar sem espaço. Se faltar lugar, não tem problema: a portinha do cartão SIM também possui um slot para microSD. Porém é aquela do tipo híbrida, então você precisa definir se vai usar um segundo cartão SIM ou vai por mais memória, ambos não é possível.

Câmera

As câmeras são equipadas com sensores de 16MP na parte traseira e 8MP na parte frontal e, diferente de muitos modelos recentes, não apostou em uma dupla de câmeras na traseira. Como nos demais aspectos do aparelho, a Nokia não fez modificações profundas no software da câmera, e o resultado são apenas modos triviais como o automático, panorâmicas, HDR, etc. Nada de uma infinidade de filtros, adesivos e até efeitos de realidade aumentada como rivais vem fazendo.

Um dos poucos diferenciais é o modo câmera dupla que bate a foto com tanto a frontal quanto a traseira, resultando em uma foto com o pavoroso nome de "boothie" e que coloca a pessoa que está batendo a foto na imagem. Outro adicional muito bem-vindo é o modo Pro, que deixa você brincar com a exposição, ISO e foco de forma manual.

Os resultados são apenas regulares, sem se sobressair a seus rivais nessa faixa de preço. As fotos em boas condições de luz se saem bem, com boa definição de cores e constrastes, além de boa captura de detalhes. Em baixa luminosidade o ISO carrega bastante a granulação da foto e a câmera perde sensivelmente qualidade. Em geral as fotos são equilibradas e o software costuma entregar cores equilibradas, sem saturar em excesso, mas algo que pode deixar algumas fotos bem monótonas.

Continua depois da publicidade

A câmera tem performance apenas regular

Nos videos a câmera é capaz de realizar gravações na resolução 4K e conta com recursos como modo câmera lenta e também timelapse. A entrada de áudio é apenas por um microfone, a gravação não tem mais aquela captura como nos tempos de Lumia 920 com múltiplos microfones e canais. 

Autonomia

Com um hardware eficiente e 3000 mAh de bateria disponível, o Nokia 6.1 se saiu muito bem em nosso período de testes, como mostra os dados consolidados pelo Accubattery:

Na estimativa de uso combinado, que considera períodos de uso do aparelho com momentos de inatividade, ele segura 22 horas de uso, algo que garante com folga um dia completo de bateria. Na prática, cheguei ao final de cada dia com algo entre 20 a 30% de carga. As 7 horas de uso com tela constantemente ligada mostram que, se você abusar, consegue descarregá-lo na metade da tarde, mas vai precisar fazer um uso muito intenso do aparelho.

Adicionais

Continua depois da publicidade

A Nokia apostou em agregar um diferencial em seu sistema: não agregar nada. Enquanto várias empresas buscam se diferenciar adicionando mais funcionalidades aos aparelhos, a marca finlandesa trás aparelhos sem modificações no sistema Android, fazendo parte da cooperação Android One.

Os dispostiivos Android One não trazem grandes modificações no sistema da Google, como adição de softwares ou interfaces customizadas. Eles mantém o "Android Puro", algo que tem como principal vantagem garantir que as novas versões do sistema cheguem mais rápido e por mais tempo. Isso acontece porque em dispositivos com customizações é preciso que a fabricante desenvolva a nova versão se baseando no código da Google e inserindo posteriormente suas alterações.

Um Android praticamente sem modificações

Sem esse passo no meio do caminho, as atualizações devem vir mais rápido e também por mais tempo, já que muitas vezes as fabricantes se "desinteressam" em manter o suporte de seus dispositivos, especialmente os mais baratos, após um ou dois grandes updates.

Conclusão

A volta da Nokia vem sendo modesta, começando em alguns mercados específicos, mas já traz alguns modelos bastante interessantes. O Nokia 6.1 evoluiu bastante comparado ao antecessor, especialmente na troca do Snapdragon 430 pelo 630, mas ainda tem espaços para melhorias. Seu visual robusto e construído em uma única peça pode agradar os fãs da marca que até atribuem a seus aparelhos uma indestrutibilidade, porém para outros consumidores seu estilo pesadão pode não agradar. 

O Nokia 6.1 é um excelente aparelho, mas não tem algum diferencial relevante

O aparelho é competente em diversos aspecos, como sua boa tela, hardware de bom desempenho e ótima autonomia, câmera com resultados regulares e memória RAM e interna sobrando. Seu problema é o mercado em que está inserido: com preço na casa dos US$ 299, briga de frente com aparelhos como o Moto X4 e o Galaxy A5, também com essas características e alguns diferenciais. 

Notas: Nokia 6.1
Design
8,0
Tela
8,0
Câmera
7,5
Performance
8,0
Autonomia
9,0
Preço
8,0

Frente a eles, o Nokia 6.1 não traz câmera dupla como o Moto X4 ou a resistência à água, presente em ambos, ou a tela Super AMOLED do Galaxy A5. Com designs mais compactos e leves, ambos os rivais também trazem quantidades semelhantes de recursos e bateria.

Por conta dessas características sobra poucos motivos para pegar o Nokia 6.1 em detrimento desses modelos que, diferente dele, estão presentes no mercado nacional. O principal diferencial é o Android One, essa versão pouco modificada do Android, que pode ser vantagem para alguns consumidores que se irritam com os bloatwares que muitos aparelhos trazem, mas que também pode ser ruim para os usuários que gostam de alguns recursos adicionados pelas fabricantes, como software de câmera mais avançados.

Se você gosta de aparelhos mais robustos, curtiu o design desse aparelho ou gosta muito da marca Nokia, pode ter aqui alguns atrativos para optar por esse modelo. Não será uma compra ruim, afinal ainda temos aqui um bom smartphone, porém pode fazer mais sentido optar por um aparelho que está à venda no Brasil ou, se for importar, pegar um dispositivo com preços mais competitivos como modelos da Xiaomi. 

Nota

8,0

Prós

  • Design robusto
  • Boa performance
  • Android sem modificações

Contras

  • Sem adicionais como resistência à água e câmera dupla
  • Câmera apenas regular
  • Indisponível no Brasil
Rumores iniciais do Snapdragon 865 apontam para duas variantes: uma com e uma sem 5G

Rumores iniciais do Snapdragon 865 apontam para duas variantes: uma com e uma sem 5G

Temos as primeiras informações sobre o próximo SoC topo de linha da Qualcomm


Samsung deve fabricar SoC Qualcomm Snapdragon 865 com tecnologia EUV de 7nm

Samsung deve fabricar SoC Qualcomm Snapdragon 865 com tecnologia EUV de 7nm

Relatórios da Coréia do Sul mostram que a Samsung Electronics recebeu pedidos da Qualcomm


Xiaomi anuncia linha de smartwatches Amazfit Verge 2 com Snapdragon e e-SIM integrado

Xiaomi anuncia linha de smartwatches Amazfit Verge 2 com Snapdragon e e-SIM integrado

Relógios chegam com design renovado e novos recursos que, segundo a Huami, superam a 1ª geração


Snapdragon 7cx vai chegar em notebooks custando entre US$ 300 e US$ 800

Snapdragon 7cx vai chegar em notebooks custando entre US$ 300 e US$ 800

Processador logo abaixo do Snapdragon 8cx foi revelado durante uma entrevista


Vazamento de caixa sugere que Xiaomi Mi 9T é só outro nome para o Redmi K20

Vazamento de caixa sugere que Xiaomi Mi 9T é só outro nome para o Redmi K20

O aparelho também pode chegar como Pocophone F2 em alguns lugares