ANÁLISE | Smartphone TecToy On: o básico do básico para quem não quer gastar muito

ANÁLISE | Smartphone TecToy On: o básico do básico para quem não quer gastar muito

Um ano depois do lançamento, modelo pode ser encontrado nas lojas por menos de R$ 800; vamos descobrir se vale a pena ou não investir nele

Quando se fala em TecToy, a primeira coisa que vem à cabeça da maioria dos consumidores são os consoles de videogame dos anos 80 e 90. A empresa se consolidou no país distribuindo eletrônicos como Master System, Mega Drive e Game Gear – e ainda hoje surfa na onda de nostalgia com novas versões desses consoles.

Porém, você sabia que a TecToy também tem smartphones em seu portfólio? Na verdade, o TecToy On é a primeira tentativa da companhia de entrar nesse mercado. O modelo foi lançado em setembro de 2020 pelo salgado preço de R$ 1.999. Pouco mais de um ano depois já é possível encontrá-lo nas lojas por valores entre R$ 600 e R$ 800.

E aí, será que agora ele é um bom negócio? Ao listar celulares em sites de busca ordenando-os pelo preço mais baixo, essa é sempre uma das opções que estão por ali. Ao longo de mais de 60 dias, usamos, testamos e vimos na prática como ele se comporta.

Chegou a hora de conhecer todos os detalhes do smartphone TecToy On na nossa análise completa.

Preços

Preço no lançamentoR$ 1.999,00 18/09/2020
Preço atualizadoR$ 889,00 03/12/2021

Ficha Técnica

FabricanteTecToy
Site oficialLink

Display

Tamanho6,22 polegadas
Resolução720 x 1520 pixels
TecnologiaV NOTCH HD+

Câmera

Traseira48 MP + 5 MP + 2 MP
Frontal8 MP

Especificações

Sistema OperacionalAndroid 10
Número de núcleosOcta-Core
Memória RAM4 GB
Armazenamento interno128 GB
Cartão microSDSim
Bateria4000 mAh
Dimensões158,7 x 74,6 x 8,45 mm
Peso165 g
Portas de conexãoUSB 2.0
Tipo de cartão SIMDual SIM (Nano-SIM)

Recursos

Leitor de DigitalSim (traseira)
ResistênciaNão
RadioNão
BluetoothSim
Carregamento sem fioNão
NFCSim
GPSSim

TecToy On: o que vem na caixa?

Em tempos em que as fabricantes cortam itens para reduzir custo [ou alegar preocupação com o meio ambiente], a TecToy oferece ao consumidor um “pacote inicial” completo. Além do smartphone, que vem com um cabo USB e um carregador de 10W, temos ainda uma case de plástico transparente e uma película para a tela.

E mais: o kit contempla ainda um par de fones de ouvido sem fio TWS, do tipo earbuds – algo raro de se ver em produtos nessa faixa de preço.

Tudo que vem na caixa do TecToy On

Design e construção: uma versão white-label sem muitos atrativos

O termo white-label se refere a um produto que é construído de forma padrão por uma empresa e posteriormente recebe a marca de outra companhia para ser vendido no mercado. Nesse sentido, o TecToy On não traz nenhuma inovação, pelo contrário: ele se assemelha aos modelos que chegaram às lojas entre o início de 2018 e o final de 2019.

Continua após a publicidade

Numa rápida pesquisa pela internet você encontrará modelos similares, como é o caso do Alcatel 3L ou do Redmi Note 7. Nesse sentido, a marca opta por entregar o básico do básico, sem muitos atrativos.

Tampa traseira tem efeito degradê

A tampa traseira é de plástico pintada com um efeito gradiente do azul para o preto, que resulta em um visual interessante. O leitor de impressões digitais está localizado ali, bem na parte central. São dois botões na lateral direita – power e os controles de volume – e mais um na lateral esquerda, que pode ser usado como um atalho para o Google Assistente. A gaveta para SIM card é do tipo híbrida, e inclui espaço para um cartão micro SD.

Apesar dos fones de ouvido sem fio que acompanham o conjunto, há uma entrada 3.5 mm na parte superior. O ponto de atenção fica por conta da entrada microUSB – algo que já estava em caindo em desuso na época do lançamento do aparelho e, agora, com tantas opções USB-C no mercado, parece ainda mais inferior.

Por fim, o aparelho é compatível com Bluetooth 5.0 e NFC, o que permite compras via aproximação, mas decepciona ao oferecer apenas WiFi 802.11 b/g/n – o que significa que ele é compatível apenas com redes 2.4 GHz.

Tela: características de um celular de entrada

Embora a TecToy tenha colocado o On no mercado como um modelo intermediário, há vários aspectos que denotam que na verdade ele está mais para um aparelho de entrada – algo condizente com o preço atual.

O display é do tipo IPS LCD com 6,22 polegadas. Se o tamanho é bastante adequado, não se pode dizer a mesma coisa da resolução: 720x1520 pixels (HD+). A taxa de atualização é de 60 Hz, suficiente para um modelo com essas especificações.

Mesmo com brilho no máximo, é perceptível a baixa intensidade

Esse conjunto entrega um visual razoável e que requer um brilho mais intenso para que a visualização não seja comprometida. Com consequência, será possível notar uma certa pixelização em alguns momentos e o brilho mais intenso pode drenar um pouco mais da carga da sua bateria do que o esperado.

Configurações, desempenho e sistema: Android 10 “puro”, ausência de atualizações

Ainda que não deixe explícito para o consumidor qual é o SoC utilizado, o TecToy On traz um processador MediaTek Helio P22, combinado com 4 GB de RAM e 128 GB de armazenamento interno. Essas configurações rodam com tranquilidade o Android 10 “puro”, garantindo que o desempenho dele é condizente com a proposta do produto.

Continua após a publicidade

Porém, ainda que a TecToy não tenha customizado o SO, há locais em que é possível ver algum grau de personalização, como no aplicativo de câmera, por exemplo. Há ainda alguns jogos e apps pré-instalados, que podem ser removidos, provavelmente fruto de parcerias da empresa com desenvolvedores.

No detalhe, visual da parte traseira do TecToy On

Outro ponto negativo é: esqueça atualizações. Desde que foi lançado, em setembro de 2020, o modelo recebeu apenas o patch de segurança de novembro de 2020 – desde então nunca mais. O Android 10 “de fábrica” presente no celular deve ser a única versão de SO que ele verá.

Em nossos testes, todos os aplicativos mais utilizados rodaram com tranquilidade, sem maiores problemas. WhatsApp, Facebook, Gmail, Instagram, Twitter, Google Chrome, Google Mapas... Todos eles serão executados de forma fluída.

Os problemas podem aparecer quando você tentar executar múltiplos apps simultaneamente. Na transição de um app para outro é perceptível que há algum atraso. Esse delay é mais evidente ao se utilizar o leitor facial, já que ele “pensa” um pouco antes de finalizar o reconhecimento. Opte pelo leitor de digitais que o resultado é mais garantido.

Para quem pretende usar redes sociais e mensageiros, o desempenho é ótimo. Já em certos jogos será perceptível que o aparelho está fazendo um grande esforço.

 

Jogos? Os mais simples, como Subway Surfers, Coin Master ou Clash of Clans rodam com tranquilidade. Agora, títulos que exigem maior poder de processamento, como Call of Duty Mobile ou Genshin Impact vão apresentar quedas de frames e pequenas engasgadas em alguns momentos.

Câmeras: quando números não são suficientes

O smartphone TecToy On conta com um conjunto triplo de câmeras na parte traseira:

  • a principal, com 48 megapixels e abertura f/1.8;
  • a ultrawide, com 5 megapixels e abertura f/2.2;
  • e a macro, com 2 megapixels e abertura f/2.4.

Infelizmente, nenhuma delas tem uma qualidade de imagem de encher os olhos, pelo contrário. Na câmera principal as imagens parecem mais saturadas do que aquilo que vemos antes da captura. Já na ultrawide é perceptível um desiquilíbrio de luz, especialmente nas laterais da imagem. E a macro, também pela baixa resolução, não entrega resultados tão satisfatórios.

Amostra das fotos: câmera principal (esquerda), câmera ultrawide (centro) e câmera frontal (direita)

Já na câmera frontal – 8 megapixels de resolução e abertura f/2.0 – os resultados são satisfatórios, desde que você não use o modo retrato. Esse sim, distorce os contornos e mais atrapalha do que ajuda. Não é uma má câmera, é condizente com a faixa de preço do produto, mas não espere um alto nível de detalhes.

Qualidade de som: uma surpresa agradável, outra nem tanto

Como já mencionamos aqui, o TecToy On vem acompanhado por fones de ouvido sem fio TWS – algo raríssimo em smartphones dessa faixa de preço, o que é bastante positivo. O modelo têm proteção IPX4, contra respingos de água, e bateria com autonomia de cerca de 4 horas e meia. A qualidade de som é bem satisfatória.

Parece duas saídas de áudio, mas somente uma funciona

Contudo, as saídas de áudio do smartphone em si entregam um som mono, e não estéreo. Somente uma das saídas funciona e é bastante perceptível a sensação de som abafado quando você assiste a um vídeo no YouTube ou mesmo ouve um áudio no WhatsApp. É um ponto fraco do aparelho.

Bateria: boa autonomia, mas recarga muito lenta

Os 4.000 mAh de capacidade de armazenamento de carga da bateria são suficientes para um autonomia de uso de um dia inteiro. Claro, esse tempo cai bastante com um uso mais intenso, especialmente em jogos que requeiram maior capacidade de processamento ou streamings de vídeo.

A autonomia não será um problema para a maioria dos usuários, mas o tempo de recarga incomoda. Foi preciso esperar mais de 3 horas para que a carga completa fosse aplicada, algo impensável nos dias de hoje. Se apenas 50% da capacidade de bateria for suficiente, tenha pelo menos uma hora disponível para que ela seja completada.

Fones de ouvido TWS que acompanham o produto são uma grata surpresa

Smartphone TecToy On: vale a pena?

Sejamos honestos: pelo preço dele no lançamento, essa não era uma boa opção de compra. Agora, se levarmos em consideração que hoje ele custa menos da metade e traz ainda itens extras como case, película e fones de ouvido sem fio TWS, então a coisa fica mais interessante.

Que fique claro: esse é um celular um pouco defasado, que não recebe atualizações há um bom tempo e que apresenta problemas em alguns quesitos – modo retrato da câmera frontal, tempo de recarga da bateria, ausência de USB-C e saídas de áudio. Contudo, se você procura um modelo de entrada, esse kit da TecToy ainda pode ser interessante por pelo menos um ano ou dois.

Tenha em mente que ele limitará seu uso caso você queira executar jogos mais pesados ou abusar de recursos multitarefas. Seu propósito é basicamente atender aqueles que usam redes sociais, navegam na internet e assistem a vídeos no YouTube (com fones de ouvido, de preferência).

Se vir o TecToy On em promoção, considere a compra já levando em consideração esses aspectos. Caso contrário, é melhor procurar por modelos mais novos e mais atualizados, mesmo que para isso seja preciso desembolsar um pouco mais.

User img

Wikerson Landim

Jornalista desde 2003, atualmente é Editor dos sites Mundo Conectado e Adrenaline. Em quase duas décadas, foi editor de diversos sites de tecnologia, games e entretenimento, além de produtor de conteúdo para sites corporativos. Nas horas vagas assume o volante para dirigir caminhões no Euro Truck e em todos os jogos de corrida que surgirem pela frente.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

RPG mobile Relic Hunters: Rebels é a novidade da semana no catálogo de jogos da Netflix

RPG mobile Relic Hunters: Rebels é a novidade da semana no catálogo de jogos da Netflix

Jogo já está disponível nos dispositivos móveis com iOS e Android


iPhone 16 Pro e Pro Max terão câmera e FaceID sob a tela, diz Kuo

iPhone 16 Pro e Pro Max terão câmera e FaceID sob a tela, diz Kuo

Apple já tem tecnologia para isso, mas lançará somente "por marketing"


Apple começa a vender peças para que consumidores reparem iPhones por conta própria

Apple começa a vender peças para que consumidores reparem iPhones por conta própria

Empresa também está disponibilizando manuais para ajudar nos reparos


Xiaomi 12 Lite tem fotos vazadas em rede social

Xiaomi 12 Lite tem fotos vazadas em rede social

Novo smartphone será lançado em breve


Smartphone Infinix Zero 5G começa a ser vendido no Brasil

Smartphone Infinix Zero 5G começa a ser vendido no Brasil

Anunciado em abril, produto chega às lojas custando R$ 2.249,10