Análise do POCO M3: baratinho da Xiaomi que esbanja bateria e é bom de foto

Análise do POCO M3: baratinho da Xiaomi que esbanja bateria e é bom de foto

Celular pode ser importado por cerca de R$1200 e surpreende em diversos aspectos

O POCO M3 traz diversos atrativos, incluindo uma câmera principal de 48MP, bateria de 6000mAh, tela Full HD, leitor de digitais e outros detalhes que chamam atenção para o seu segmento. Mas o detalhe que mais interessante é seu preço, enquanto escrevo esta análise, ele pode ser importado por cerca de U$140 em sites como AliExpress e Banggood.

POCO M3 Global 4GB+128GB - US$169

Nós do Mundo Conectado conseguimos importá-lo próximo aos R$1000, valor sem taxa de importação (por sorte). Por este preço, mesmo antes de começar a análise, já fica claro que é difícil competir com ele se olharmos para o mercado interno de celulares. Aparelhos vendidos no Brasil e que cumprem outras exigências legais para serem comercializados aqui são mais caros. Em minhas últimas análises com o LG K62+ e o Moto G9 Power, vimos aparelhos que custam mais caro (~R$1700) com especificações tão chamativas quanto as deste celular, então é um aparelho que vale a pena ficar de olho.

Nesta análise, comento todos os aspectos do POCO M3 para deixar claro o que ele é capaz de entregar. Abaixo, nosso hands-on:


Design

O design do POCO M3 não é o seu ponto forte, maioria das pessoas para quem mostrei o celular acharam ele feio, com bordas nada suaves e um destaque desnecessário para o jogo de câmeras e o nome da marca "POCO" escrito em letras garrafais na traseira do celular. Em geral, é um celular feio. As câmeras na traseira parecem ocupar mais espaço do que o necessário graças ao logo da fabricante.

No entanto, para quem não liga muito para a aparência dele, há pontos altos na forma como ele é construído e que precisam ser levados em consideração.

Na parte inferior há o conector USB Tipo-C, uma saída de áudio e um microfone. Na parte superior há uma entrada para fones de ouvido, outro microfone e a segunda saída de som para completar o conjunto estéreo de áudio.  

Continua após a publicidade

Quanto ao seu acabamento, ele é de plástico, o que também não é um problema. A traseira tem detalhes que lembram couro e é pintado em fosco, algo que ajuda a evitar marcas de dedo ao deslizar a mão pelo celular.

Um ponto positivo na escolha de elementos de design do POCO M3 é seu botão de ligar/desligar que também funciona com leitor de digitais. Este recurso é muito útil e intuitivo, o leitor de digitais combinado com botão foi uma das mudanças mais interessantes que vi surgir no segmento intermediário e deveria ser mais utilizado pelas empresas.


Tela

O POCO M3 tem um tela IPS LCD, bastante comum para o segmento. Com exceção da Samsung, que costuma trazer telas AMOLED para aparelhos até mesmo de entrada, as demais fabricantes utilizam este tipo de tela. O diferencial da Xiaomi com o seu celular baratinho está ao oferecer resolução Full HD (1080x2340) em uma tela de 6.53".

Celulares HD+ (com a tela mais alongada) se popularizaram mesmo sem o Full HD, o que é uma pena, já que você acaba tendo uma tela maior para assistir conteúdos, mas em resolução inferior. Desta forma, a Xiaomi acerta ao trazer mais definição para uma tela que não tem tanto contraste mas aproveita o fato de ser maior do que a resolução padrão.

O POCO M3 tem tamanho ideal, não é muito pequeno e também não é muito grande. Celulares muito grandes tendem a ser mais difíceis de serem utilizados no dia a dia, fazem muito volume no bolso, são mais pesados e por aí vai. Com as 6.53" é possível aproveitar um pouco da tela alongada para conteúdos e jogos e também um pouco da praticidade de um celular menor.


Bateria

O POCO M3 tem mesmo processador, quantidade memória RAM e os mesmos 6000mAh de bateria presentes no Moto G9 Power. Sendo assim, meus testes de uso de bateria foram muito semelhantes em ambos os celulares, não é difícil mantê-lo até três dias longe do carregador e é realmente surpreendente a gestão de eficiência energética.

Para quem gosta de bateria em um celular, o POCO M3 não desaponta, mesmo que você jogue, assista filme, escute música por horas seguidas, dificilmente o celular perderá sua carga total em apenas um dia. Ao menos dois dias de bateria você consegue com ele, mesmo que seja um usuário extremamente exigente com o desempenho do celular.

Graças a um chip econômico, o Snapdragon 662, e uma bateria de 6000mAh, o POCO M3 consegue segurar muito bem, mas um detalhe me chamou atenção. Enquanto o carregador de 20W da Motorola com o G9 Power levou 2 horas e 45 minutos para carregar totalmente o celular, o POCO M3 com seu carregador de também 20W demorou 5 horas e 4 minutos para atingir carga máxima.

Continua após a publicidade

E no nosso teste de consumo de bateria o POCO M3 não se saiu mal, mas acabou se saindo pior que o MOTO G9 Power. Com 2 horas de Prime Video, 1 hora de YouTube, 30 minutos de Amazon Music e 30 minutos de jogatina ele terminou com 67% de bateria. 


Sistema e desempenho

O POCO M3 se saiu bem na parte de desempenho de sistema, travamentos foram raros e breves. Apenas um detalhe realmente me incomodou, mas tem relação com a câmera, então comento abaixo. Assim como o Moto G9 Power, este celular traz um processador Snapdragon 662, que segura muito bem o Android 10 e os principais apps de redes sociais.

Com os 4GB de memória RAM e o chip gráfico Adreno 610 o celular conseguiu rodar COD Mobile no máximo, PUBG Mobile foi reconhecido para a qualidade média e Asphalt 9 foi o jogo que pior rodou no celular, sendo possível jogar sem travamentos apenas na qualidade mais baixa.

Mas a boa tela de 6.53" em Full HD garantiu uma boa experiência quando houve fluidez.


Câmeras

A câmera do POCO M3 me surpreendeu positivamente, as imagens com o sensor principal apresentam boa definição, contraste e saturação sem exagero. Em condições de pouca luz o pós-processamento deixa a imagem com menos detalhes, mas consegue acertar nas escolhas de inteligência artificial e dá bom equilíbrio de luz, removendo o ruído sem que fique tão artificial. Em boas condições de iluminação o celular fica livre para preservar o máximo de detalhes que conseguir capturar, sem apelar para um pós-processamento exagerado e se sobressai.

Um ponto que precisa ser comentado é sua câmera macro, que não se justifica. Seria mais interessante a Xiaomi ter entregue uma câmera grande angular ou então ter abandonado esta segunda lente para baixar o preço do aparelho ou investir na principal. A câmera macro, por ser muito simples, acaba não sendo utilizada, é mais vantajoso fotografar com a principal e dar zoom em programas de edição (às vezes até digital) para conseguir o detalhe desejado. O marketing de ter mais câmera prejudicou o POCO M3, que poderia ser ainda mais barato ou oferecer uma câmera principal ainda melhor.

De modo geral, o POCO M3 tem uma câmera acima da média para o seu segmento.

 

Repare abaixo como é possível tirar fotos perto de objetos em alta qualidade sem precisar de uma câmera macro. Vale ressaltar que as fotos aqui são subidas com certa compressão para salvar banda de quem acessa o site pelo celular, então a qualidade que você vê é ainda inferior da original.


Conclusão

Aparelhos importados da China em sites como Ali Express, Banggood, sofrem uma análise um pouco diferente por questões envolvendo as leis de importação do Brasil. De modo geral, todos esses smartphones deveriam ser taxados em 60% em cima do valor declarado pelas lojas no momento do envio. O POCO M3 custa cerca de U$140, então a lei exige uma taxa que fica por volta de U$84 para ele, o que totaliza cerca de R$1120.

No entanto, por causa do alto volume de importados e questões internas dos órgãos responsáveis pela importação nem todo produto é taxado como manda a lei. Sendo assim, muitas pessoas acabam importando este produto por um valor realmente baixo.

Tinha grandes dúvidas sobre o sistema e a câmera do POCO M3, mas a MIUI não está tão invasiva como já foi e o resultado das fotos que obtive está acima da média até mesmo para smartphones da faixa dos R$1700. Somando isso ao fato de que o celular tem desempenho aceitável para jogos, boa tela, excelente bateria, e pode sair por menos de R$1000, o POCO M3 merece muita atenção.

O design, é claro, poderia ser melhor. De qualquer forma, este é um detalhe e uma questão bastante pessoal, tenho certeza que algumas pessoas curtiram esse visual. E se você é do tipo que se preocupa muito com a aparência de um smartphone e ainda assim quer gastar pouco precisará ficar de olho em nossas análises para achar o custo-benefício ideal para você.
 

User img

Neri Neto

O universo geek faz parte do dia a dia, da vida, deste jornalista. Formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, Neri Neto é responsável por conteúdos diversos no Mundo Conectado. Ele adora tecnologia, cinema, games e descobriu ainda na infância que a linguagem dos vídeos seria perfeita para falar de tudo que ama. Neri também fala bastante em terceira pessoa, gosta de descontrair e está sempre nas redes sociais.

MI 11 PRO e ULTRA! TUDO sobre os NOVOS celulares da XIAOMI

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.

Tesla já aceita pagamento por Bitcoin nos Estados Unidos

Tesla já aceita pagamento por Bitcoin nos Estados Unidos

Os carros da empresa já podem ser feitos via pagamento único de criptomoedas


Realme 8 Pro é anunciado com câmera de 108MP e carregador de 65W

Realme 8 Pro é anunciado com câmera de 108MP e carregador de 65W

Aparelho estará disponível na Índia em 24 de março e chegará ao mercado europeu na próxima semana


OxygenOS 11.2.2.2 para OnePlus 9 e OnePlus 9 Pro corrige bugs e problemas de segurança

OxygenOS 11.2.2.2 para OnePlus 9 e OnePlus 9 Pro corrige bugs e problemas de segurança

Atualização também traz algumas melhorias com foco nas câmeras


Veja cão robô da Boston Dynamics em treinamento com exército francês

Veja cão robô da Boston Dynamics em treinamento com exército francês

O Spot foi usado no reconhecimento de área durante treinamento de soldados


MediaTek supera Qualcomm e vira a maior fabricante de chips em 2020

MediaTek supera Qualcomm e vira a maior fabricante de chips em 2020

Segundo levantamento da Omdia, a empresa cresceu 47,8% no ano passado